Conclusão da votação da CSS é um dos desafios da Câmara em 2009

26/12/2008 - 11:52  

A votação do novo imposto para saúde - a Contribuição Social para a Saúde (CSS) - será um dos desafios da Câmara em 2009. Em 2008, o embate entre governo e oposição impediu a conclusão da votação da proposta (Projeto de Lei Complementar 306/08), que regulamenta a Emenda 29.

O texto principal da proposta - um substitutivo do relator, deputado Pepe Vargas (PT-RS) - foi aprovado em junho. A conclusão da análise da proposta pela Câmara ainda depende da votação de um destaque para votação em separado (DVS), de autoria do DEM, que pretende excluir do texto a base de cálculo da nova contribuição. Na prática, isso inviabilizaria a cobrança da CSS.

O relator adverte que a votação precisa ser concluída em 2009. "O financiamento da saúde, com a regulamentação da emenda constitucional 29, vai ter que ser discutido pela Câmara. Não é possível que a Câmara não conclua esse debate, ele precisa ser concluído"

Obstrução
A oposição, no entanto, não está disposta a abrir mão da estratégia de obstruir a votação da CSS. Até mesmo integrantes da Frente Parlamentar da Saúde são contra o novo imposto. O deputado Alceni Guerra (DEM-PR), ex-ministro da Saúde, argumenta que não faltam recursos para o setor, mas vontade política para fazer da saúde uma prioridade. Ele defende a diminuição do percentual de juros da dívida pago pelo governo para financiar a saúde.

"Não existe o problema de recursos. Pagar juros de 15, 14, 13, 12, 11 ou 7 ou 5%, é uma decisão administrativa do governo. É um comitê do governo que decide a taxa de juros a ser paga. E se nós tivéssemos, durante os 6 anos de governo, reduzido a taxa à metade do que foi paga, ainda estaríamos pagando a maior taxa do mundo de juros, mas teríamos economizado R$ 650 bilhões, muito mais do que a saúde e a educação precisam".

A oposição quer a regulamentação da Emenda 29, mas sem o novo tributo. Já os governistas insistem que a CSS poderá garantir quase R$ 12 bilhões para a saúde. Se aprovada em 2009 pelo Congresso, a CSS só será cobrada a partir de 2010, nos moldes da extinta CPMF. A alíquota de 0,1% incidiria sobre as movimentações financeiras e a arrecadação seria inteiramente destinada à área de saúde.

Notícias anteriores:
Câmara aprova nova contribuição para financiar saúde
Líderes não chegam a acordo para superar obstrução

Reportagem - Geórgia Moraes/Rádio Câmara
Edição - Paulo Cesar Santos

(Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura `Agência Câmara`)

Agência Câmara
Tel. (61) 3216.1851/3216.1852
Fax. (61) 3216.1856
E-mail:agencia@camara.gov.br

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.