Trabalho, Previdência e Assistência

Pesquisa do IBGE e da Unicamp identificou 704 mil motoristas por aplicativo e 589 mil entregadores

24/04/2024 - 12:30   •   Atualizado em 24/04/2024 - 17:20

Getty Images
Motorista por aplicativo

Um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) identificou 1,5 milhão de pessoas trabalhando em 2022 por meio de aplicativos e plataformas digitais.

Esse contingente correspondia naquele ano a 1,7% da população ocupada no setor privado no Brasil (87,2 milhões). A maioria era do sexo masculino (81,3%), com escolaridade em nível médio completo ou superior incompleto (61,3%).

Do total de trabalhadores por aplicativos ou plataformas digitais, excluídos os de táxi, 47,2% (ou 704 mil) exerciam a atividade no transporte de passageiros. Já 39,5% (ou 589 mil) atuavam na entrega de comida e de outras mercadorias.

Motoristas e entregadores relataram alto grau de dependência das plataformas:

  • 97,3% e 84,3%, respectivamente, afirmaram que o aplicativo determinava o valor a ser recebido por tarefa realizada; e
  • 87,2% e 85,3%, respectivamente, disseram que o aplicativo determinava os clientes a serem atendidos.

 

 

Os motoristas por aplicativos trabalharam em 2022, em média, 47,9 horas por semana. A remuneração média real foi de R$ 2.454 por mês, ou R$ 11,80 por hora. Do total, 23,6% contribuíram de alguma forma para a Previdência Social.

As estatísticas são experimentais – estão em fase de testes e sob avaliação. Os dados constam do módulo Teletrabalho e Trabalho por Meio de Plataformas Digitais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

Reportagem - Ralph Machado
Edição - Marcia Becker
Com informações da Agência IBGE Notícias

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.