CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 90.2023 Hora: 16:36 Fase: BC
Orador: Pompeo de Mattos, PDT-RS Data: 31/05/2023

O SR. POMPEO DE MATTOS (Bloco/PDT - RS. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente Gilberto Nascimento, Sras. e Srs. Deputados, eu quero dizer da angústia que todos estamos vendo, assistindo, testemunhando nessa questão do endividamento e da inadimplência dos nossos idosos.

Para se ter uma ideia, entre os anos de 2019 e 2023, deu um salto qualitativo o endividamento. Enquanto o endividamento do cidadão aumentou 12,9%, entre os aposentados, aqueles com mais de 60 anos, a inadimplência foi de 34%, praticamente 35%, ou seja, aumentou quase três vezes o endividamento dos idosos em relação às pessoas com menos idade. Isso mostra exatamente a angústia que vivem os nossos idosos ao ponto de não poderem pagar, às vezes, luz, água, telefone, coisas essenciais. E a razão da inadimplência são os juros altos, a inflação, remédios que estão cada vez mais caros. As cestas básicas de remédios são subfinanciadas nas farmácias. E o pior de tudo: foram eles que, na pandemia, seguraram as pontas em casa. Com o filho sem renda, o neto desempregado, o avô e a avó pagaram a conta, e isso precisa ser dito em alto e bom som. E o prometido, desenhado, sonhado, desejado 14º salário para compensar as perdas não veio. Mas nós continuamos brigando pelo 14º salário para compensar um pouco a inadimplência dos nossos idosos, dos nossos aposentados.

A luta continua! Mais do que nunca se faz necessário o 14º salário, exatamente para recuperar essa inadimplência a que estão submetidos os aposentados.

Por outro lado, Presidente, eu quero lamentar o veto do Presidente Lula ao projeto de lei aprovado no Senado e aqui nesta Casa que concede pensão vitalícia aos ex-membros do Batalhão Suez. Digo isso porque fui o autor de um dos primeiros projetos para indenizar, amparar, acolher, proteger, reconhecer, valorizar, respeitar os nossos pracinhas, nossos Boina Azul. O tempo passou, o mundo arrodeou, o dia chegou, e conseguimos aprovar aqui, nesta Casa. Aqueles que foram à guerra do Egito, à guerra de Suez, lá em 1956, ficaram praticamente 1 ano no Exército. Saíram com uma mão atrás, outra na frente, sem lenço e sem documento, sem amparo, sem proteção. Saíram com uma mão atrás, outra na frente. Cerca de 6,3 mil soldados fizeram parte da força de paz criada pela ONU. E o Brasil deu a sua contribuição, esteve presente.

Agora este projeto foi vetado pelo Presidente Lula. É uma falta de sensibilidade. É inacreditável. Nós vamos trabalhar para derrubar esse veto. Não temos como concordar, não temos como acreditar que isso tenha acontecido. Estamos virando as costas para os nossos pracinhas, para os nossos Boina Azul. Isso é um horror! Os combatentes que passaram um horror lá vão passar por outros horrores aqui. Eles estiveram na guerra defendendo a paz, defendendo o Brasil, intermediando, estiveram embaixo de bombas.

Então, deixo a minha solidariedade. Vamos lutar para derrubar esse veto. Há um equívoco. É lamentável o equívoco desse veto apresentado. Vamos derrubar o veto!