CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 65.2021.B Hora: 10:24 Fase: BC
Orador: ZECA DIRCEU, PT-PR Data: 12/08/2021

 O SR. ZECA DIRCEU (PT - PR. Sem revisão do orador.) - Sra. Presidente, quero cumprimentar todas e todos que assistem à sessão pela TV Câmara e nos ouvem pela Rádio Câmara.
Quero saudar os Deputados e as Deputadas que estão no ambiente virtual, como eu estou, e também os que estão aí no plenário da Câmara.
A população brasileira se pergunta todos os dias: quando é que, no Congresso Nacional, a maioria dos Deputados, das Deputadas, dos Senadores e das Senadoras vai se ocupar prioritariamente de temas que mexem com a vida das pessoas? Voto impresso? Isso é uma vergonha, um absurdo! O País se ocupou disso durante 15 dias, estimulado por um Presidente imbecil, um Presidente insano. Mais absurdo ainda é o Congresso se dispor a tratar desse assunto, decidi-lo e votá-lo. Que bom que arquivou um absurdo como esse! Mas foi tempo perdido.
O mesmo tempo foi perdido ao longo desta semana, ontem à noite e talvez hoje com a picaretagem dessa reforma política. O distritão é o pior modelo que existe, tanto é que não há precedente em quase nenhum lugar do mundo. É a destruição da democracia, dos partidos, do mínimo de civilidade política que poderia acontecer no País. Que bom que foi arquivado ontem! Uma hora ou outra tentam ressuscitar esse tema, que inclusive já derrotamos várias vezes ao longo dos últimos 10 anos.
Agora, eu me deparo com essa ideia também equivocada e muito ruim da volta das coligações. As coligações só servem para a prosperação dos partidos de aluguel. As coligações só servem para o "toma lá, dá cá" e para a corrupção na relação entre os partidos, com utilização inclusive de dinheiro público do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral.
Os partidos precisam ser fortes. Os partidos precisam ter autonomia. O Brasil não pode continuar tendo 30, 40, 50 partidos. A democracia nunca vai funcionar de forma decente dessa maneira. Para isso, nós temos que manter, sim, seja hoje, seja na semana que vem, o que já foi decidido há 3 anos, 4 anos.
Não às coligações! Não ao mercado de partidos! Não à corrupção no uso do Fundo Partidário!