CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 155.2.53.O Hora: 14:42 Fase: PE
Orador: EDINHO BEZ, PMDB-SC Data: 26/06/2008

O SR. EDINHO BEZ (Bloco/PMDB-SC. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, colegas Parlamentares, falo nesta oportunidade relativamente à comemoração da Proclamação da República no Município de Laguna, em Santa Catarina.
O Município de Laguna situa-se no sul do Estado de Santa Catarina e faz limites ao norte com o Município de Imbituba e Imaruí, ao sul com o Município de Jaguaruna, a oeste com os Municípios de Capivari de Baixo, Gravatal e Tubarão, e a leste com o Oceano Atlântico.
A economia do Município baseia-se principalmente na pesca - V.Exa. acabou de fazer um pronunciamento sobre os pescadores, sobre a nossa pesca, e o Município de que falo nesta oportunidade, Laguna, tem sua economia baseada principalmente na pesca. Pois no complexo lagunar, que envolve os Municípios de Imbituba, Imaruí e Laguna, temos mais de 10 mil pescadores profissionais, e temos de trocar idéias, sobretudo para nos ajudar, porque é um segmento muito importante - voltaremos a falar com V.Exa. -, com alta produção de camarão e siri em suas lagoas e de pescados na costa do Atlântico Sul.
A pecuária e a agricultura são desenvolvidas principalmente no interior.
Vale também lembrar que, em Laguna, temos aumentado bastante a produção de camarão em cativeiro, por meio de técnicas modernas que vêm propiciando a criação desse crustáceo.
A cidade participou de momentos marcantes da história brasileira, como a Revolução Farroupilha, iniciada em 1835, a partir da revolta dos estancieiros gaúchos contra o governo imperial. Depois de proclamada a República Rio-Grandense, o movimento se estendeu para Santa Catarina. Com o objetivo de conquistar um porto, os republicanos tomaram Laguna, liderados por Davi Canabarro e Giuseppe Garibaldi.
Faz parte da História do Brasil, não somente de Laguna, que acabou sendo alvo em razão do porto que temos até hoje. E, com o crescimento do porto de Ibituba, transformamos o Porto de Laguna em porto pesqueiro, onde temos grandes empresários que pescam na costa de São Paulo, Paraná e que se utilizam do Porto de Laguna para receber o pescado, usar os frigoríficos e, depois, para vender para São Paulo, inclusive para o Japão.
Em julho de 1839 é proclamada a República Juliana, independente do Império brasileiro, tendo Laguna como capital. Apesar da curta duração, apenas 4 meses, a República Juliana marcou a cidade não só pelo contexto político, mas por colocar uma lagunense em lugar de destaque na história. A seguir, explicarei a história da nossa querida Anita Garibaldi.
A tomada de Laguna foi feita pela ação conjugada das forças farroupilhas: as de mar, sob o comando de Giuseppe Garibaldi, e as de terra, tendo à frente Davi Canabarro.
Assim, a 22 de julho de 1839, estava Laguna em poder dos farroupilhas. Deram-lhe o nome de "Cidade Juliana de Laguna" e instalaram o Governo Provisório da "República Catarinense", sob a presidência de Davi Canabarro. Propôs o mesmo que se organizasse, de forma democrática, a nova República, e, para tal, ordenou que a Câmara Municipal procedesse à eleição provisória do Presidente da "República Catarinense".
A jovem Ana Maria de Jesus Ribeiro conhece Giuseppe Garibaldi durante a invasão e decide ficar a seu lado. Nasce Anita Garibaldi, que, lutando com o marido, deu provas de coragem ao participar de batalhas em Imbituba e Curitibanos, onde chegou a ser capturada.
Em 1847, Anita parte para a Itália, seguida de Giuseppe Garibaldi, onde também lutam pelo movimento de unificação daquele país. A defesa dos ideais de justiça e liberdade em movimentos no Brasil e na Europa lhe renderam o título de "Heroína dos dois Mundos".
Diante desses importantes fatos históricos para Santa Catarina, para o Brasil e para a Itália - e, por que não dizer, para a Europa e também no contexto internacional -gostaria de divulgar o evento A República em Laguna, que este ano acontecerá nos dias 17, 18, 19 e 20 e 24, 25, 26 e 27 de julho, a partir das 20h30min. Convido a todos a participar desse evento, que remontará a história da República em Santa Catarina.
Esse evento, Sr. Presidente, colegas Parlamentares, é considerado um dos maiores, ou o maior teatro; ou seja, um espetáculo ao ar livre que revive o movimento Farroupilha ocorrido em Laguna e a história de Laguna, que chegou a ser capital.
Esse evento cultural é muito bonito e emocionante, pois faz parte da nossa história. Por isso, aproveito para convidar V.Exa., Sr. Presidente, e os nobres colegas Parlamentares para, se puderem, participarem desse evento em Laguna, que contará inclusive com uma atriz e um ator do elenco da Rede Globo, além de outros de outros veículos de comunicação. Enfim, esse evento de alto nível é considerado um dos melhores do mundo e, portanto, vale a pena dele participar.
Na qualidade de representante de Laguna no Congresso Nacional, cumprimento os organizadores, o Prefeito de Laguna, Sr. Célio Antônio - que não tem medido esforços para que se dê continuidade a esse grande evento -, a Fundação Lagunense e ao Grupo Teatral Terra. Aproveito ainda a oportunidade para cumprimentar o povo de Laguna, onde há uma mistura de raças e religiões, e a todas as lideranças.
Quero aproveitar também para dizer, já que estamos falando do Município de Laguna, que estamos recuperando moles do Porto de Laguna. A obra esteve paralisada por algum tempo - o que ninguém me convenceu, porque não se justifica fazer isso com importante obra -, mas foi retomada e está próxima de ser inaugurada. A recuperação do moles permitirá a entrada da água do mar que irá ao encontro da água doce dos rios que desembocam naquele porto, para propiciar inclusive o aumento da criação de camarão.
Recebemos o Ministro dos Portos, Pedro Brito - e, por que não, também, de rios navegáveis -, que nos deu todas as explicações sobre o calado do porto e previu sua possível inauguração em razão do andamento dessas obras. Por isso quero agradecer ao Ministro o empenho.
Este Deputado, na qualidade de Coordenador de Portos e Vias Navegáveis, da Frente Parlamentar em Defesa da Infra-estrutura Nacional, e que tem feito amplo trabalho, fica feliz.
Sr. Presidente, muito obrigado pela oportunidade.