CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 151.2021 Hora: 09:20 Fase: BC
Orador: VICENTINHO, PT-SP Data: 02/12/2021

O SR. VICENTINHO (PT - SP. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu gostaria de reforçar a nossa luta em defesa do 14º salário para aposentados e pensionistas.

Eu quero, inclusive, em nome deles, saudar duas importantes instituições com as quais eu tenho uma relação histórica e afetiva: a Associação dos Metalúrgicos Aposentados e a Associação dos Metalúrgicos Anistiados e Anistiandos do ABC, que representa perseguidos políticos e é presidida pelo grande irmão e companheiro João Paulo de Oliveira, em São Bernardo do Campo.

Os presos políticos têm direito à reparação.

Mas a comissão que trata deste assunto, agora, tem negado a eles todos os direitos e, mais ainda, não tem praticado o reajuste salarial aplicado pela categoria ou pela empresa onde o trabalhador que foi perseguido, torturado ou demitido trabalhou. A lei diz que é como se o trabalhador estivesse na fábrica.

Portanto, eu quero dizer, meu companheiro João Paulo, do meu compromisso e do meu carinho. Eu já fiz um requerimento ao Ministério da Justiça em que cobro esse erro jurídico, erro que se mistura com perseguição política, porque não aceitam que o povo brasileiro tenha lutado.

Este nosso povo anistiado e este nosso povo em anistia são heróis, porque enfrentaram a ditadura militar, sofreram as consequências disso e merecem, como prevê a lei, uma reparação, que é não nada mais que justa.

Portanto, aos meus companheiros da direção da AMA-A e a todos os afiliados, como eu, meu abraço, meu carinho e minha força. Contem com este Parlamentar que ocupa a tribuna desta Casa!

Não é porque nós temos um Presidente que nega o golpe militar e defende os torturadores que nós vamos ficar quietos e calados. A lei é para ser cumprida! É isso que eu tenho a declarar aqui. Estou sempre à disposição dos meus irmãos.

Quero saudar também a AMA - Associação dos Metalúrgicos Aposentados, presidida pelo nosso companheiro Wilson Ribeiro, meu colega na Mercedes-Benz que trabalhou na Forjaria São Bernardo.

Meu abraço a todos vocês, meus companheiros e minhas companheiras!

A luta pelo 14º salário é mais do que justa. Os aposentados deste País produziram riqueza, trabalharam a vida inteira, tiveram o mínimo de respeito dos governos democráticos, mas nunca mais tiveram nenhuma coisa. Por este motivo, eu gostaria de ressaltar meu apoio a esta luta que vocês tanto enfrentam. Aliás, eu tenho um projeto de lei nesta Casa - vocês o conhecem, porque me ajudaram a fazê-lo - que assegura que o trabalhador, ao se aposentar, nunca mais tenha perda do seu poder aquisitivo. O projeto consiste na definição de uma cesta padrão criada pelo IBGE, para garantir que o poder de compra que o trabalhador tinha antes de se aposentar seja mantido.

Eu me lembrava, meu caro Wilson, de que nas nossas jornadas vindo para cá, quando eu era presidente do sindicato, era uma cervejinha, era um violão, era uma música. Agora, dia desses, quando vínhamos de ônibus para cá, com um monte de companheiros metalúrgicos, era: "Cadê meu remédio?" "Cadê uma coisa para me tratar?" Esses metalúrgicos eram lutadores do nosso tempo, de longa data.

Aproveitando a oportunidade, meu querido Wilson, companheiros metalúrgicos aposentados, quero saudar um companheiro que Deus nos levou nesses dias.

Eu me refiro ao grande companheiro Djalma. Ele era conhecido simplesmente por Djalma, uma figura simpática, alegre, que atuava na regional dos metalúrgicos de Diadema, companheiro de todas as horas, meu conterrâneo. Deus o levou. Eu creio que ele já está nas mãos de Deus. A família, com certeza, já está confortada, mas com saudade do nosso companheiro Djalma.

Viva o 14º salário! Viva a AMA-A! Viva a AMA-ABC!

Obrigado, Presidente.