CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 043.1.54.O Hora: 14h42 Fase: PE
  Data: 21/03/2011

Sumário

Reinstalação da Frente Parlamentar do Cooperativismo.

O SR. ZONTA (PP-SC. Sem revisão do orador.) - Agradeço ao Deputado Izalci a oportunidade de inversão.
Sr. Presidente, Deputado catarinense Onofre Santo Agostini, caros colegas Parlamentares, funcionários da Casa, visitantes, eu gostaria de repercutir neste horário fato que vai ocorrer amanhã: a reinstalação, para novo período legislativo, da Frente Parlamentar do Cooperativismo.
As frentes parlamentares têm sido instrumento importante na ação política e nas iniciativas dos diversos setores. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, que está fazendo 25 anos de existência nesta Casa, cumpre um papel decisivo, até porque tem a incumbência de cuidar da maior organização de pessoas do Brasil - e do mundo. O Brasil hoje vai para perto de 8,5 milhões de famílias associadas em cooperativas nos seus 13 ramos de atividade. São 35 milhões de pessoas que participam do movimento cooperativista, desde jovens até os mais idosos, como nós.
O cooperativismo tem como princípio e filosofia unir os que isoladamente não conseguem vencer os seus desafios, em todas as atividades, especialmente os pequenos, aqueles que sozinhos não conseguem obter o seu emprego, a sua inclusão social, ou produzir, ou comprar, ou vender, ou obter crédito, ou ter atendimento de saúde. Enfim, em todos esses ramos o cooperativismo cai como uma luva, inclusive como um instrumento de democracia e, principalmente, como um instrumento de inclusão social.
Essa expressão é muito antiga, mas é cada vez mais presente. Nos modelos de governo, na esfera mundial, tivemos a experiência do capitalismo, que está ruindo, que tem de se reciclar, uma vez que sabe produzir a riqueza, mas não a distribui, fica com ela para si. O socialismo, o outro extremo, que combate o capitalismo, que também está ruindo, sabe perfeitamente como distribuir riqueza, mas não participa da produção dela. O cooperativismo é exatamente o caminho de centro, pode produzir riqueza e distribuí-la ao mesmo tempo, porque trabalha não com a obrigação de lucro, mas com a distribuição imediata do resultado, com a inclusão social das pessoas. E esse é um trabalho que honra as pessoas, que as dignifica, que as anima.
Nós que somos membros do cooperativismo há muitos anos, Presidente Onofre - V.Exa. o sabe muito bem -, cada vez nos animamos mais com o processo de inclusão. O nosso imenso território brasileiro terá, cada vez mais, um desenvolvimento harmônico presente. O IDH estará mais desenvolvido na proporção em que as cooperativas vão se fazendo presentes nas menores e nas mais distantes comunidades do interior do Brasil. As cooperativas de crédito, por exemplo, já se encontram em 4.600 Municípios, com 7.200 pontos de atendimento.
Daqui a pouco estaremos numa audiência com o Presidente do Banco Central do Brasil, em que pediremos uma abertura maior ainda. As cooperativas de crédito são instrumentos para melhor socialização do crédito e mais capilaridade.
Lembro que, amanhã, às 20 horas, no Unique Palace, sob o patrocínio da Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB, haverá o relançamento da Frente Parlamentar do Cooperativismo e o importante lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo 2011, que é o guia para que possamos nos conduzir, distribuindo tarefas nos diversos ramos de atividade. Os Deputados, Deputadas, Senadores e Senadoras que fizeram sua inscrição na Frente Parlamentar do Cooperativismo estão convidados para o evento.
Todos nós temos trabalhado em favor do cooperativismo. Esse trabalho será distribuído harmonicamente, de acordo com a vocação de cada Parlamentar: agropecuária, crédito, saúde, educação, cultura e até gênero, que é muito importante.
Mais uma vez, deixo registrada manifestação de apoio à Frente Parlamentar do Cooperativismo.
Muito obrigado.



FRENTE PARLAMENTAR DO COOPERATIVISMO, REINSTALAÇÃO, CONCEITUAÇÃO, ATUAÇÃO, INCLUSÃO SOCIAL, COOPERATIVA DE CRÉDITO, SOCIALIZÇÃO, CRÉDITO, AMPLIAÇÃO, SOLICITAÇÃO, BACEN.
oculta