CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 393.1.55.O Hora: 16:12 Fase: GE
Orador: JOÃO DANIEL Data: 15/12/2015




O SR. PRESIDENTE (Mauro Pereira) - Concedo a palavra ao Deputado João Daniel, do PT de Sergipe, por 1 minuto.
O SR. JOÃO DANIEL (PT-SE. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, se vivo estivesse, hoje completaria 71 anos uma das grandes referências para o povo brasileiro, o nosso querido líder Chico Mendes. Ele era conhecido como líder seringueiro, mas era líder do povo pobre e trabalhador: pescador, sem-terra, posseiro, seringueiro. Ele foi vítima do latifúndio, da ganância, da grilagem, quando foi assassinado. É uma referência da história dos que lutam neste País e foi fundador da Central Única dos Trabalhadores e do Partido dos Trabalhadores.
Viva Chico Mendes, um grande homem, um guerreiro do povo brasileiro!
Sr. Presidente, solicito que meu pronunciamento seja divulgado no programa A Voz do Brasil.
Muito obrigado.
O SR. PRESIDENTE (Mauro Pereira) - Muito obrigado, Deputado João Daniel, do PT de Sergipe.

PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, venho à tribuna para registrar que hoje é uma data muito importante: o aniversário de nascimento de Chico Mendes, que hoje completaria 71 anos.
Fica aqui nossa homenagem, e a toda a sua família, pela importância de sua luta e legado que ele deixou, e fica o nosso abraço a sua filha Ângela Mendes, que segue na luta trilhada por seu pai.
Seringueiro, sindicalista e militante da luta pela terra e da preservação do meio ambiente, Chico Mendes tornou-se uma das maiores referências internacionais no engajamento pela preservação da Amazônia e contra o avanço do latifúndio e de madeireiras.
Nascido em 15 de dezembro de 1944, trabalhou desde criança comoseringueiro, aprendendo a ler apenas aos 20 anos de idade. Desde o final da década de 1970, esteve envolvido na organização de sua categoria, os seringueiros. Foi fundador do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri e, mais tarde, do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Defendia uma aliança de trabalhadores rurais, ribeirinhos e indígenas em defesa da Amazônia e contra a ação dos latifundiários locais.
Sua militância despertou a ira dos fazendeiros, que tentaram enquadrá-lo, sem sucesso, na Lei de Segurança Nacional, além de ameaçarem constantemente sua vida e a de sua família. Em 1987, Chico Mendes denunciou a ação de empresas madeireiras, financiadas por órgãos como o Banco Interamericano do Desenvolvimento (BID), no desmatamento da região. A pressão obrigou o BID a suspender o financiamento dessas empresas.
Em vida, recebeu vários prêmios, entre eles o Global 500, entregue pela ONU. Infelizmente, teve sua trajetória interrompida no dia 22 de dezembro de 1988, assassinado na porta de sua casa.

Fica aqui, mais uma vez, nossa saudação, admiração pela história e pelo legado desse grande brasileiro.
Chico Mendes Vive!
Muito obrigado.