CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 393.1.55.O Hora: 15:18 Fase: PE
Orador: DANIEL ALMEIDA Data: 15/12/2015




O SR. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA. Com revisão do orador.) - Sr. Presidente, eu gostaria de registrar aqui a minha solidariedade aos trabalhadores da Ford, unidade de Camaçari, na Bahia, que hoje receberam a notícia de que lá acontecerão 2 mil demissões, o que é absolutamente inaceitável, intolerável.
Nesses últimos anos, o Governo Federal fez desoneração tributária exatamente para preservar os empregos e não prejudicar a economia brasileira. Não há razão para aceitar as demissões num momento em que o Governo aprova o Programa de Proteção ao Emprego e a sociedade também faz um sacrifício com esse objetivo.
Manifesto solidariedade aos trabalhadores e ao sindicato, que estão lutando para impedir a demissão desses trabalhadores. Vamos cobrar do Governo Federal e do Governo do Estado que conversem com a empresa e preservem os empregos em Camaçari.
A montadora Ford anuncia a adoção do Programa de Demissão Voluntária para os trabalhadores da fábrica de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, alegando necessidade de adequação do excedente da força de trabalho.
Segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, algo em torno de 2 mil postos de trabalho devem ser afetados com a suspensão do terceiro turno, que funciona no período de 22horas até as 6h30min, num regime de 40 horas semanais, anunciada para março de 2016. O Sindicato está mobilizado e mobilizando os trabalhadores para fazerem pressão pela manutenção dos postos de trabalho.
A fábrica de Camaçari produz os veículos Ford Ka e Ka+ (sedã) e também o EcoSport; além disso, a unidade fabrica ainda o motor 1.0 que abastece o Ford Ka. A Ford já tinha dado férias coletivas no meio do ano, que durou 10 dias, entre 25 de maio e 3 de junho.
O fantasma das demissões está rondando os trabalhadores da Ford desde o início do ano. Já falei sobre isso, inclusive, nesta Casa, no mês de outubro, quando o Sindicato dos Metalúrgicosreuniu milhares de trabalhadores para protestar contra as demissões.
Outra grande empresa baiana que entrou na onda de demissões foi o jornal A Tarde, um dos jornais mais antigos da Bahia, com mais de cem anos de história. O jornal, integrante do Grupo A Tarde, que é composto pela Agência A Tarde de Notícias, Rádio A Tarde FM, A Tarde On-Line, jornal Massa e jornal A Tarde, iniciou um programa de demissão esta semana, que dispensou mais de 150 trabalhadores, entre eles, pelo menos, 40 da redação.
Quero portanto, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, prestar meu apoio aos trabalhadores da Ford, do A Tarde, aos sindicatos que representam esses trabalhadores e aproveitar para fazer um apelo ao Governador Ruy Costa e ao Ministério do Trabalho, no sentido de que intercedam para evitar que mais de 2 mil pais de famílias percam seus postos de trabalho, sobretudo neste momento de crise.
Era o que tinha a dizer.