CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 393.1.55.O Hora: 14:28 Fase: PE
Orador: PAES LANDIM Data: 15/12/2015




O SR. PAES LANDIM (Bloco/PTB-PI. Com revisão do orador.) - Sr. Presidente, faleceu ontem à noite em Teresina o jovem Jesualdo Cavalcanti Barros Filho, de 43 anos de idade, filho de um dos homens públicos mais sérios que o meu Estado já conheceu: o nosso ex-colega de Câmara, da Constituinte, Jesualdo Cavalcanti Barros.
Como Presidente do Tribunal de Contas do Estado, ele organizou, sistematizou e deu ainda mais notoriedade àquela Corte, pela seriedade que impôs à frente do Tribunal. Na Assembleia Legislativa do meu Estado, na gestão do Governador Freitas Neto, foi um grande Presidente. Deixou a marca também da honestidade, com que sempre tem se havido à frente da coisa pública.
Agora é Prefeito de Corrente, no extremo sul do Estado, sua cidade querida. Com sacrifício da própria saúde, resolveu ir para Corrente, a fim de organizar o Município, ao lado da sua senhora, D. Socorro, uma extraordinária educadora. Sofreu agora esse baque, essa verdadeira tragédia grega que foi a morte, por AVC, do único filho homem. Ele tem também duas filhas: uma médica e uma grande juíza federal no Estado do Piauí.
Quero aqui, nesta tribuna, Sr. Presidente, manifestar a Jesualdo, a D. Socorro, a Marina, sua filha juíza federal, a toda a família, a seus tios, a João Barros, toda a minha solidariedade por essa imensa dor. Não há dor pior para um pai e uma mãe do que enterrar o próprio filho.
Jesualdo Cavalcanti Filho era o modelo do pai em seriedade, probidade e dedicação aos cometimentos profissionais. Diplomado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, ingressou no Tribunal de Contas da União por concurso público, como a irmã que, por concurso público, é juíza federal. A outra irmã é médica em Patos de Minas.
Ele era membro de uma família exemplar: Jesualdo, historiador, estudioso; sua mãe, uma das melhores educadoras do meu Estado; os filhos, todos criados num ambiente de seriedade, de responsabilidade, de dedicação aos objetivos que se traçaram na própria vida. Comoveu o meu Estado, a morte inesperada de Jesualdo Cavalcanti Filho.
Era importante, Sr. Presidente, trazer aqui meu testemunho e minha solidariedade por essa imensa dor a esse grande homem público, Jesualdo Cavalcanti, de quem tenho a honra de ser amigo desde os tempos da Constituinte aqui na Casa.
Muito obrigado, Sr. Presidente.