CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 386.1.55.O Hora: 14:44 Fase: PE
Orador: MOEMA GRAMACHO Data: 09/12/2015




O SR. PRESIDENTE (Carlos Manato) - Concedo a palavra à Deputada Moema Gramacho, do PT da Bahia.
A SRA. MOEMA GRAMACHO (PT-BA. Sem revisão da oradora.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu queria informar à população brasileira que a Presidenta Dilma Rousseff, que não para de trabalhar, mesmo com toda essa crise que estamos vivendo, reuniu-se ontem com 16 Governadores, com representantes de Prefeitos de todo o País e com Ministros,para tratar de ações de combate ao mosquito transmissor do zika vírus, que tem causado graves problemas, entre eles a microcefalia. Essa é uma prova do trabalho da nossa Presidenta Dilma.
Eu queria também dizer que ontem, mais uma vez, ia ser perpetrado um golpe contra a democracia nesta Câmara, e, claro, produzido nada mais, nada menos do que pelo Presidente Eduardo Cunha. Aliás, ele é muito bom para fazer golpes. Foi o que ele fez o ano inteiro, nesta Casa, todas as vezes que quis ver aprovado algo do seu interesse. Ele queria aprovar o voto secreto, como fez de forma acintosa, aqui, na tarde de ontem.
Voto secreto por quê? Quem tem que se esconder é rato! Deputado não pode se esconder, tem que assumir seus atos. E a chapa avulsa que ele propôs? Chapa avulsa para quê? Chapa suspeita! Chapa para ele continuar fazendo suas chantagens, como vem fazendo.
Nós precisamos esclarecer e alertar os Deputados: não se submetam mais àchantagem do Cunha. O Cunha vai ser cassado pelo Conselho de Ética, porque eu tenho certeza de que os Deputados que têm compromisso com o povo brasileiro, que têm compromisso com a ética, que têm compromisso com a honestidade votarão pela cassação do Presidente Eduardo Cunha. Eu não tenho dúvida disso.
E, apesar de tudo o que aconteceu ontem à tarde aqui, o voto secreto, a chapa avulsa, a tentativa de manipulação, a tentativa de desautorizar o Líder do PMDB, o Deputado Leonardo Picciani, a tentativa de querer atropelá-lo, ainda assim, não conseguiram dois terços dos votos. Elegeram essa chapa suspeita, mas não terão os 342 votos para aplicar um golpe contra a Presidenta da República, contra a democracia.
É bom que se diga que a vitória durou pouco tempo. À noite, o Ministro Luiz Edson Fachin passou a faca, colocou a verdade acima de tudo, mostrou claramente que não poderia ser da forma como aconteceu ontem, naquele atropelo, e suspendeu os atos que aconteceram ontem aqui.
E até o dia 16, quando o Supremo Tribunal Federal vai julgar o mérito da ação, nada pode acontecer referente ao processo de golpe contra a Presidenta da República. E, mesmo após o dia 16, nós estaremos a postos para não deixar que o golpe aconteça.
O rito quem vai definir não é o Cunha. Não é o Cunha quem vai dizer como vai se dar esse processo. Ele vai ter — se ainda estiver aqui até lá — que seguir o rito definido pelo Supremo Tribunal Federal. E nós estaremos aqui para evitar que aconteça esse golpe.
Eu queria acrescentar um texto de Francisco Costa, que diz o seguinte:
E se Dilma tivesse vendido uma estatal, avaliada em mais de 100 bilhões, por 3,6 bilhões, como FHC (PSDB) fez (...).
E se Dilma tivesse construído dois aeroportos, com dinheiro público, em fazendas da família, como fez Aécio Neves (PSDB)?
E se Dilma estivesse na lista de Furnas, junto com FHC, Geraldo Alckmin, José Serra, Aécio Neves, (todos do PSDB)... Entre outros?
E se Dilma estivesse acusada de receber propinas da PETROBRAS, como Aloysio Nunes (PSDB)? (...).
Há mais outros E se Dilma,e eu solicito que este texto de Francisco Costa seja transcrito nos Anais, porque esses demo-tucanos que sofrem de amnésia, falsos moralistas que esquecem tudo o que já fizeram de errado neste País, vão ser lembrados por nós, pelo povo e pela história.
Nós estaremos aqui para dizer que não vai adiantar. Haverá movimentação no dia 13. Nós não temos medo, até porque escolheram mesmo a data certa.
Quem não tem cão caça com gato; quem não tem cão nem gato, mas tem rato, caça com rato. Foi isso que eles fizeram com AI-5 e estão querendo reproduzir, repetir. Mas não vão cassar a Presidenta da República!
Quero concluir, nobre Presidente, dizendo que, por tudo isso, não vai ter golpe.
Fora, Cunha! Fica, Dilma! Vamos deixar a mulher trabalhar para continuar fazendo com que este País cresça, empregue e inclua as pessoas socialmente, como já foi feito, e que nós possamos ter tranquilidade. Que a politicagem acabe, para que o País continue andando, como andou nos últimos 13 anos, e que acabe também essa interrupção do desenvolvimento pela crise, com a política sendo prioritária, em vez da valorização do trabalho e do povo. Que nós possamos superar este momento e continuar dando sequência ao nosso trabalho.
Fica, Dilma! Deixem a mulher trabalhar!

TEXTO A QUE SE REFERE A ORADORA