CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 386.1.55.O Hora: 18:50 Fase: GE
Orador: ALESSANDRO MOLON Data: 09/12/2015




O SR. PRESIDENTE (Gilberto Nascimento) - Eu pediria aos Srs. Deputados 1 minuto, por favor. Há dois Líderes inscritos, e eu vou encerrar a sessão exatamente às 19 horas.
Vou conceder a palavra aos dois Líderes inscritos, por 3 minutos cada um. São eles o Deputado Chico Alencar, a quem já convido para vir à tribuna, e o Deputado Alessandro Molon, que falará primeiro.
Depois, vão sobrar 2 ou 3 minutos, e eu vou passar a palavra aos Deputados, mas quero que entendam que tenho de encerrar a sessão às 19 horas.
O SR. ALCEU MOREIRA - Nós compreendemos, Sr. Presidente.

O SR. PRESIDENTE (Gilberto Nascimento) - Concedo a palavra ao Sr. Deputado Alessandro Molon, para uma Comunicação de Liderança, pela Rede.
O SR. ALESSANDRO MOLON (Rede-RJ. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu aguardei até o final da sessão, porque eu gostaria de fazer este discurso na presença do Deputado Eduardo Cunha, para poder repudiar mais uma manobra de protelação do processo que,contra ele, a Rede e o PSOL movem no Conselho de Ética.
É lamentável que, no Dia Internacional de Combate à Corrupção, esta Casa não consiga dar um passo no processo contra o Deputado Eduardo Cunha. O Relator, Deputado Fausto Pinato, depois de ter sido ameaçado e não cedido àameaça, foi hoje substituído, em mais uma manobra que, no nosso entendimento, foi inteiramente antirregimental, para obstaculizar e impedir o avanço do processo contra o Deputado Eduardo Cunha.
O recado que com isso se manda para o Brasil é que esta Casa não estáconseguindo tomar as medidas que deve contra o Sr. Presidente. O que a Casa está deixando claro é que, se o Procurador-Geral da República não entrar no Supremo com um pedido de afastamento cautelar do Deputado Cunha da Presidência da Câmara, nada acontecerácontra ele aqui.
Só falta ser indeferido o processo apresentado pela Rede e pelo PSOL contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética! Depois de destituir o Relator, se o próximo Relator também opinar pela admissibilidade, quem sabe no fundo ele não vai tornar sem efeito a representação da Rede e do PSOL.
E assim, de manobra em manobra, protela-se o andamento desse processo que o Brasil inteiro espera. O Deputado Eduardo Cunha disse que acolhia o pedido de impeachmentcom o objetivo de atender ao clamor das ruas.
Mostram as pesquisas de opinião que o maior clamor das ruas épela cassação dele. Mais de 80% dos brasileiros pedem que seja cassado o Deputado Eduardo Cunha por sua evidente quebra de decoro Parlamentar, e, no entanto, a Casa não consegue avançar no processo contra ele.
Agora, um novo Relator será designado amanhã, e o que se pede é a anulação de tudo o que foi feito até o momento, de todos os atos praticados no Conselho de Ética. Ou seja, éa garantia da mais perfeita impunidade, para proteger S.Exa. contra qualquer coisa que possa incomodá-lo.
Eu quero, por fim, repudiar a votação com voto secreto. Eu me espanto com Parlamentares desta Casa que se mobilizaram para acabar com o voto secreto, o que conseguimos na Legislatura passada, hoje venham defendê-lo.
Sr. Presidente, Parlamentar precisa ter coragem de defender as suas posições, de mostrar para o seu eleitor como vota. Parlamentar que tem medo de voto aberto não pode ser Parlamentar. Essa história de pressão indevida só pode alegar quem não tem coragem para ser Parlamentar. O cargo de Parlamentar épara quem tem coragem de defender o seu voto e as suas posições. Nós defendemos o voto aberto e repudiamos o voto secreto no Parlamento. O nosso voto não é nosso, é do nosso eleitor.
Fim da impunidade já, Presidente!