CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 386.1.55.O Hora: 17:26 Fase: GE
Orador: MORONI TORGAN Data: 09/12/2015




O SR. PRESIDENTE (Gilberto Nascimento) - Com a palavra o Deputado Moroni Torgan, do PSDB do Ceará. (Pausa.)
Peço ao Deputado Carlos Henrique Gaguim que aguarde, pois já temos um Deputado na tribuna. Logo em seguida vou conceder 1 minuto a S.Exa.
O SR. MORONI TORGAN (DEM-CE. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, em primeiro lugar, eu gostaria de dizer que não entendo por que acham tão estranha a chapa independente. Nas eleições para a Mesa das Comissões, várias vezes houve chapas independentes. Na eleição para a Presidência desta Casa, houve chapas independentes. Então, não entendo a estranheza agora. Isto é totalmente regimental, totalmente legal. Não há nada contra a chapa independente.
Quero ainda dizer que o processo de impeachment não é uma questão da Oposição ou da Situação, é uma questão de sofrimento da população que mais necessita, Sr. Presidente.
Nos últimos dias, só os remédios chegaram a subir 60%! Enquanto o aposentado teve um aumento de 9%, muitos remédios foram reajustados em mais de 50%. O reajuste médio no preço dos medicamentos foi de 20%! Ou seja, na melhor das hipóteses, o aposentado que antes comprava dois remédios agora vai ter que comprar um só. Por quê? Porque ele não vai ter dinheiro para o outro.
O aumento do combustível foi de 20% a 30%, Sr. Presidente. O das tarifas de energia — nem se fale — foi de mais de 70% em alguns locais! O vestuário, de até40%. Houve aumento de 30% a 40% no preço dos alimentos básicos, como feijão e arroz, além de 20% no preço do gás de cozinha. Todos os aumentos foram superiores a 20%, enquanto o do salário do trabalhador foi de menos de 9%.
Isso significa, Sr. Presidente, que quem comprava 10 quilos de arroz vai ter que viver com 5 quilos, que quem comprava 5 quilos de feijão vai ter que viver com 2 quilos e meio, que quem comprava 6 pãezinhos para o café da manhã sóvai poder comprar 3.
Este é o problema principal do impeachment: o povo não quer ficar vários anos sofrendo mais ainda. Esse foi o problema que derrubou os Kirchner na Argentina e elegeu o Macri. Esse é o problema que está acabando com o Maduro, na Venezuela, que agora terá que enfrentar uma grande maioria de oposição, de praticamente dois terços, no Parlamento — se fosse um Governo de respeito, depois da votação de ontem já teria sido trocado o Governo. Em Portugal, por muito menos trocaram o Governo. Ele teve 10 votos a menos. Ontem, o Governo teve mais de 70 votos a menos. Isso já deveria ser razão suficiente para a troca do Governo.
Sr. Presidente, o sofrimento do povo e a falta de base de sustentação no Parlamento vão trocar este Governo.