CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 276.1.53.O Hora: 18h18 Fase: BC
  Data: 08/10/2007

Sumário

Apoio ao movimento grevista de funcionários da Caixa Econômica Federal.




O SR. PRESIDENTE (Manato) - Concedo a palavra ao Deputado Daniel Almeida, técnico em instrumentação industrial, escritor, que exerce tão bem o seu segundo mandato pelo PCdoB, da Bahia.
O SR. DANIEL ALMEIDA (Bloco/PCdoB-BA.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, os economiários trabalhadores da Caixa Econômica Federal estão em greve há 5 dias.
Trata-se de uma greve com fundamento e justificativa. Afinal, a data-base foi 1º de setembro. Transcorreu um prazo bastante extenso, mas até agora as negociações não foram satisfatórias.
Sabemos que o sistema financeiro do País encontra-se em plenas condições de pagar melhor seus funcionários e atender às reivindicações dos bancários.
Ocorreu uma negociação com os bancos privados e o Banco do Brasil, mas a Caixa Econômica Federal não conseguiu chegar a um entendimento por não ter atendido às reivindicações específicas de seus trabalhadores. É necessário que reconheçamos, e também a direção da CEF, que os economiários merecem um tratamento específico, diferenciado. Ninguém duvida do papel que essa instituição desempenha hoje no Brasil como operadora de políticas públicas fundamentais. As demandas que chegam à Caixa Econômica a cada dia, dos mais longínquos rincões do País, são muitas.
Portanto, essas reivindicações específicas são indispensáveis, fundamentais. É um reconhecimento ao trabalho, à dedicação e à importância dos economiários na historia da instituição e nessa conjuntura.
A direção da Caixa recorreu ao dissídio coletivo e encaminhou ao Tribunal Superior do Trabalho as reivindicações da categoria.
Consideramos que esse não é o mecanismo apropriado. Não podemos apostar no poder normativo da Justiça do Trabalho, que não existe mais. Temos de apostar nas negociações, nos entendimentos. Esse é o espaço conveniente para tratar de forma tranqüila e adequada as reivindicações desses trabalhadores, mesmo porque o dissídio coletivo pode até resolver a greve, mas não resolverá o conflito, a demanda, a insatisfação e a necessidade de se atender às justas reivindicações dos bancários.
Aproveito para manifestar meu apoio e minha solidariedade aos economiários, que têm conduzido a greve com equilíbrio, tranqüilidade, buscando a negociação, e fazer um chamamento à direção da CEF para que volte àMesa de negociações e busque atender a tais reivindicações.
A propósito, anuncio que o Presidente da Comissão de Trabalho, Deputado Nelson Marquezelli, constituiu uma Comissão de Parlamentares sob a minha coordenação àqual delegou a responsabilidade de se pôr à disposição tanto do comando de greve quanto da Direção da Caixa Econômica Federal, para mediar o entendimento que venha a resultar num acordo e conseqüente retorno aos trabalhos, satisfazendo os economiários e os interesses da Nação.


ECNONOMIÁRIO, SERVIDOR, CEF, GREVE, REIVINDICAÇÃO, SOLIDARIEDADE, DISSÍDIO COLETIVO, DIRETORIA, ENCAMINHAMENTO, TST, CRÍTICA, NEGOCIAÇÃO, DEFESA.
oculta