CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 257.3.52.O Hora: 19h26 Fase: OD
  Data: 21/09/2005




A SRA. LUCIANA GENRO - Sr. Presidente, peço a palavra pela ordem.
O SR. PRESIDENTE (Edinho Bez) - Tem V.Exa. a palavra.
A SRA. LUCIANA GENRO (Sem Partido-RS. Pela ordem. Sem revisão da oradora.) - Sr. Presidente, em primeiro lugar, espero que hoje seja a última vez que a legenda do meu nome seja seguida da expressão sem partido. Por preciosismo legal da Câmara dos Deputados, que o Senado Federal não teve em relação à Senadora Heloísa Helena e ao Senador Geraldo Mesquita, nosso nome continua aparecendo seguido da expressão sem partido, apesar de estarmos há meses construindo o Partido Socialismo e Liberdade.
Na semana passada, finalmente, foi votado no Tribunal Superior Eleitoral, findo nosso processo de legalização, o registro definitivo de nosso partido, de nº50. Espero que esta Casa, o mais breve possível, reconheça essa enorme vitória que tivemos depois de longo processo de luta, de coleta de assinaturas. A militância do P-SOL saiu às ruas e conseguiu coletar mais de 700 mil assinaturas de apoio à criação do partido. Esperamos que, a partir da semana que vem, esta Casa já não mais nos classifique erroneamente como sem partido.
Quero registrar ainda, Sr. Presidente, meu mais veemente protesto contra os episódios ocorridos hoje na CPI e que envolvem a Senadora Heloísa Helena. O Deputado Eduardo Valverde teve comportamento extremamente equivocado, fora de qualquer padrão de civilidade, caluniador e mentiroso, além de agressivo.
O Deputado João Fontes, o Deputado Babá e eu vamos dar entrada em representação na Comissão de Ética contra o Deputado Eduardo Valverde, por haver agredido verbalmente a Senadora Heloísa Helena, assacando a S.Exa. calúnias, o que, aliás, há muito tempo já se vem fazendo no Congresso Nacional.
Não vou repetir aqui o que disse S.Exa., de tão podres que foram suas palavras, através das quais manifestou seu machismo, seu preconceito e sua vontade de caluniar. Não vale a pena repeti-las. Mas quero dizer ao Deputado Eduardo Valverde que, se valem os boatos que correm pelos corredores, nós também ouvimos boatos contra S.Exa.
Ouvimos, por exemplo, que era um dos mais animados participantes das festas promovidas pela cafetina Geane Mary Corner e que estava sempre lá comemorando o roubo do dinheiro público e sua utilização para promover festas com prostitutas. Ouvimos também que S.Exa. é envolvido com pedofilia e com desvio de verbas públicas do transporte coletivo no seu Estado.
Se é para espalhar boatos caluniadores, como no caso da Senadora Heloísa Helena, ou não, também sabemos de muitos boatos sobre sua pessoa e daremos entrada em representação na Comissão de Ética contra S.Exa., para que se retrate da tribuna e retire as barbaridades que disse contra a Senadora.
Também quero fazer um registro sobre a renúncia do Deputado Severino Cavalcanti, mais um Presidente da Casa que envergonha o País! É o segundo Presidente da Câmara suspeito da prática de irregularidades. O ex-presidente João Paulo Cunha está no banco dos réus, e o Deputado Severino Cavalcanti renunciou para não ser cassado, assim como vários outros Deputados fizeram e alguns ainda poderão vir a fazer.
Quero dizer que nós, do P-SOL, não nos sentimos à vontade para votar em nenhum dos candidatos à Presidência da Câmara dos Deputados, porque estamos vendo que todo o Congresso Nacional está sob suspeita. Um dos que hoje parecem ter reputação ilibada amanhã pode também estar no banco dos réus.
O povo brasileiro deve decidir em plebiscito se o Congresso Nacional e o Governo Federal têm condições políticas e morais de continuar até 2006 ou se quer a antecipação das eleições, o que, na nossa opinião, seria a melhor saída. Temos de devolver ao povo a soberania dessa decisão. Em vez de eleger um novo Presidente da Câmara dos Deputados, eleger um novo Congresso Nacional e um novo Governo Federal, com novas regras políticas que não permitam a fraude da democracia por meio do poder econômico, das mentiras, dos marqueteiros, dos tempos desiguais para os partidos na televisão, dos verdadeiros estelionatos eleitorais que têm ocorrido em nosso País.
Muito obrigada.
O SR. BABÁ - Sr. Presidente, peço a palavra pela ordem.
O SR. PRESIDENTE (Edinho Bez) - Tem V.Exa. a palavra.
O SR. BABÁ (Sem Partido-PA. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, primeiramente, quero registrar a presença dos companheiros Marcelo Yuka e Regina Barata, Deputada Estadual do Pará, lutadora em defesa dos portadores de deficiência, bravos lutadores que dão à sociedade demonstração de como reagir às intempéries da vida. E estão avançando cada vez mais, mesmo com todas as dificuldades, como nos mostra o artista aqui presente, um grande lutador.
Parabenizo-os por esse dia. Parabéns a todos! Em nome de Marcelo Yuka, faço este registro. E parabéns à companheira Regina Barata!
Sr. Presidente, é importante que o Deputado Valverde esteja aqui neste plenário. Lá na CPI, ao não ter argumentos para explicar a corrupção que envolve o PT, seu partido, atacou de forma baixa, rasteira, como aliás é da sua característica, a companheira Senadora Heloísa Helena.
Eu sugeriria, Deputado, que V.Exa. lavasse a boca para falar da Senadora Heloísa Helena. V.Exa. não tem moral. Utiliza-se de argumentos vergonhosos que a Direita utilizou contra a Senadora Heloísa Helena na época da cassação de Luiz Estevão. Não adianta provocar, porque V.Exa. é um boca suja. Imundo! V.Exa. tem que se preocupar com as denúncias que estão fazendo contra sua pessoa. Sobre isso nós poderemos falar, como disse a Deputada Luciana Genro, sobre seu envolvimento com pedofilia — são os boatos que correm —, sobre seu envolvimento com as prostitutas de Geane Mary Corner — são boatos que correm —, como também sobre seu envolvimento com o setor de transportes.
Na verdade, V.Exa. atacou daquela forma a Senadora Heloísa Helena, aquela brava e lutadora mulher porque não tem argumento, porque seu partido estácheio de corruptos, porque se aliou a toda essa corja de corruptos deste País, para envolver inclusive o PT num vergonhoso processo, que está aí na cara de todos. Milhares de militantes do PT, que nada têm a ver com isso, construíram o Partido dos Trabalhadores com Parlamentares honrados desta Casa e do PT que também nada têm a ver com essa sujeira de corrupção.
V.Exa. não teve coragem de falar ao microfone, falou fora do microfone. A Senadora Heloísa Helena tem prova disso.
Sabem o que disse S.Exa.? Que a companheira Senadora Heloísa Helena não votou na cassação de Luiz Estevão porque dormiu com ele. S.Exa. disse isso lá, e os meios de comunicação veicularam. Foi isso que esse Deputado disse e não teve coragem de dizer ao microfone, porque é da sua característica ser covarde. Por isso, aqui queremos protestar, repudiando sua postura lá na CPI ao atacar a companheira Senadora Heloísa Helena.
Sr. Presidente, não podemos aceitar a atitude machista que tiveram com a companheira Senadora Heloísa Helena, inclusive na época da cassação. Isso foi boato de Antonio Carlos Magalhães, e S.Exa. repete hoje o que Antonio Carlos Magalhães disse há alguns anos.
Por isso, em nome do Partido Socialismo e Liberdade, queremos registrar que vamos entrar com representação contra o Deputado na Comissão de Ética, para que S.Exa. comprove as asneiras que disse da companheira Senadora Heloísa Helena.
Muito obrigado.
O SR. EDUARDO VALVERDE - Sr. Presidente, pela ordem.
O SR. PRESIDENTE (Edinho Bez) - Tem V.Exa. a palavra.
O SR. EDUARDO VALVERDE (PT-RO. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, ouvi atentamente o pronunciamento da Deputada Luciana Genro e o do Deputado Babá, que não estavam presentes naquele momento, não participaram daquela situação, quando fui quase agredido pela Senadora Heloísa Helena, pelo simples fato de defender a honra do Partido dos Trabalhadores, que estava sendo duramente atacado por Deputado do PSDB.
O que disse para S.Exa. repito para V.Exa., Deputado Babá. A Senadora Heloísa Helena, segundo palavras do Senador Antonio Carlos Magalhães divulgadas nos meios de comunicação à época, votou contra a cassação do então Senador Luiz Estevão, aliado nesse momento com elas duas aqui. (Tumulto.)
Não adianta ficar nervosa neste momento, não adianta atacar nossa honra, dizer mentiras para a imprensa, para não aceitar a verdade que seu aliado nesse momento disse nos meios de comunicação à época... (O microfone é desligado.)