CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com reda����o final
Sessão: 210.1.52.O Hora: 16:08 Fase: GE
Orador: ROSE DE FREITAS, PSDB-ES Data: 01/10/2003




O SR. PRESIDENTE (Confúcio Moura) - Concedo a palavra à nobre Deputada Rose de Freitas. S.Exa. dispõe de até 25 minutos.
A SRA. ROSE DE FREITAS (PSDB-ES. Sem revisão da oradora.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, não posso dizer que esteja num momento alegre de minha vida, mas ele representa mais um ciclo de tomada de decisões necessárias a qualquer político ou cidadão. Como não sou de fugir a desafios nem a lutas, venho à tribuna para falar um pouco acerca da longa caminhada que percorri na vida pública.
Sr. Presidente, desfilam-me na memória os passos de minha trajetória política e refletem-se as imagens dos vôos e das quedas que o destino inconstante sempre nos reserva. Mas não sou de desanimar.
A democracia — quem já passou pelo cárcere da ditadura sabe disso — sempre foi um exercício, uma filosofia política, um comportamento, um compromisso com as idéias e até mesmo com a vocação política. O ideal político sempre me contagiou.
A política é a atividade que mais me seduz e encanta, porque se arrima no mister único de servir ao povo da minha terra e do meu País.
Trago comigo, Sr. Presidente, Srs. Deputados, Líder Eunício Oliveira, as marcas do pensamento e da ação a serviço do Brasil.
Nesta tarde, um sentimento de orgulho me domina: a crença na grandeza deste País e na justeza da luta por meu Estado, o Espírito Santo.
Minha postura política, Sr. Presidente, sempre foi de destemor, de agir ou reagir com certeza e com minhas convicções mais profundas. Sou devotada às melhores causas do Brasil.
Faço política me doando, sem temor e por inteiro, às causas que abraço. O empenho da minha ação política se estende como arte de humanizar ainda mais nós mesmos, a classe política. Amo a liberdade de pensamento, de opinião e de escolha. Nunca transigi nas minhas convicções e posições democráticas, no respeito à dignidade humana, na incondicionada solidariedade à nossa gente, ao nosso povo.
Diante deste Plenário, soberano e democrático, composto de Parlamentares livres, que, na vivência da política de cada dia, acompanham as palavras e as decisões de seus pares e representantes, faço a seguinte comunicação de ordem político-partidária: deixo hoje o PSDB, partido que ajudei a fundar no dia 25 de junho de 1988.
No dia 25 de junho do corrente ano, o Partido da Social Democracia Brasileira — PSDB completou 15 anos de existência. Nesta data, 1º de outubro de 2003, deixo o partido que ajudei a fundar.
É uma decisão difícil e constrangedora, tomada após grande embate interior, em que concluí que, tomadas as últimas decisões do partido, em âmbito nacional, com relação ao PSDB do Espírito Santo, não me restava alternativa a não ser a de deixar o partido que ajudei a engrandecer com toda minha energia.
Todos nos vangloriamos da democracia, mas, muitas vezes, não gostamos dela. Em alguns atos isolados e totalitários, vimos companheiros se acharem donatários daquilo que não são e prenderem em suas mãos o gesto mais livre do pensamento, da representação política, como se ela fosse um pequeno quartel de suas vontades pessoais.
Creio, Sr. Presidente, ser oportuno discorrer brevemente, neste momento em que deixo o PSDB, sobre os fundamentos que inspiraram a social-democracia no Brasil, e a responsabilidade que temos de preservá-la e aperfeiçoá-la.
A social-democracia nasceu na Europa no século XIX, inspirada na luta pelo direito de votar, pela soberania do voto popular e pela liberdade de expressão e organização das classes populares, contra os privilégios dos reis, da nobreza e da burguesia.
A social-democracia é, portanto, a corrente política que tem por ideário corrigir as injustiças sociais e melhorar as condições de vida do povo dentro do regime democrático, por meio da livre expressão do voto, em todas as instâncias de decisão.
Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, no Brasil, o alvorecer do pensamento da social-democracia surgiu quando do trabalho que realizamos na Assembléia Nacional Constituinte, em 1988, fazendo parte do pequeno núcleo que formamos: Cristina Tavares, que já se foi; o amigo e companheiro indistintamente de muitas caminhadas, Domingos Leonelli; Moema São Thiago; Nelton Friedrich; Hermes Zanetti e outros. Éramos um grupo pequeno dentro do PMDB, o Movimento de Unidade Progressista — MUP. Tínhamos grandes embates nesta Casa, no momento em que a equipe que chamávamos de Comissão de Sistematização digladiava-se, com suas idéias e propostas, com o famoso Centrão.
E assim nasceu o nosso MUP, da ala do PMDB histórico. Teve um papel crucial na criação do PSDB, que buscava, na época, identificar os Parlamentares com os mesmos anseios e ideais da social-democracia para agrupá-los em um novo partido com essa ideologia.
Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, a frase longe das benesses oficiais, mas perto do pulsar das ruas, nasce o novo partido foi nossa inspiração. Mas não está sendo assim no meu Estado, o Espírito Santo. Infelizmente, entendeu o PSDB que deveria fazer a desnecessária escolha entre a Deputada Rose de Freitas e o atual Prefeito da Capital, Luiz Paulo Vellozo. As bases do meu partido entenderam que só poderíamos conviver democraticamente. Fazer aquilo que é comum a qualquer partido: convenções partidárias, escolha de presidente de partido, de candidato aos cargos majoritários ou proporcionais. Simplesmente escolhas, democracia.
Infelizmente, a partir do sentimento de que falta democracia no meu Estado e no PSDB do Espírito Santo, deixo o partido com absoluta convicção do dever cumprido.
Levo saudáveis recordações, Deputado Eunício, do sorriso franco e amigo de Mário Covas. Emociono-me ao extremo quando me lembro da sua despedida do PMDB. Acompanhei-o naquele momento em que ele tinha amor ao partido e comunicou a Ulysses, com sua camisa molhada de suor, que iria juntar-se a nós na criação do PSDB.
Lembrar Mário Covas, Sras. e Srs. Deputados, sempre pronto a ajudar e a se aproximar de todos, é ter a referência de alguém que buscava soluções práticas e permanentes para os complexos problemas que afligem a sociedade brasileira, principalmente em relação aos mais humildes.
Mário Covas, com suas qualidades de excelente orador — V.Exa. se recorda, Sr. Presidente —, com disciplina, impetuosidade e coragem em defesa das próprias idéias, foi líder e firme timoneiro na condução do PSDB. Ele jamais deixou que discriminassem as mulheres. Os maiores e os menores tinham tratamento igual. Não existiam políticos de primeira ou de segunda classe.
A forte personalidade de Covas e o seu compromisso inquebrantável com a verdade podem ser compreendidos em uma de suas falas: 
Fazer política é uma coisa muito simples. Apesar de muitas pessoas pensarem o contrário, para mim fazer política écultivar os valores que o povo cultiva, é não abrir mão da verdade, da lealdade, da honestidade e do caráter.
Essas palavras resumiram para mim toda a vida de Mário Covas e sempre inspiraram minha trajetória política. Aprendi a conservá-las no meu pensamento e no meu coração.
Todo esse projeto tão lindo e tão combativo ocasionou, em 6 anos, a eleição do Presidente da República. O projeto foi feito com muita lealdade, humildade e perseverança. O resultado, todos sabemos: um Governo que durou 8 anos, com a eleição e a reeleição de Fernando Henrique Cardoso para o cargo de Presidente da República.
Sr. Presidente, desejo, nesta oportunidade, para fazer justiça, porque lembrei Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e José Richa, homenagear também um homem que foi ícone da política nacional e com o qual tive o privilégio de conviver. Ele foi exemplo de honestidade, de dignidade, de esforço, de coerência, mais uma vez de humildade e, sobretudo, de amor ao próximo. Retidão de caráter não lhe faltou jamais, nem companheirismo, bravura, amizade e, acima de tudo, algo que ele abraçava e de que nunca abria mão: a verdade. Essas qualidades o tornaram um referencial da consciência cívica e moral desta Nação. Esse homem se chama Franco Montoro. Não poderia deixar de citar sua companheira de todas as horas, D. Lucy, incansável, atenta, discreta, que trouxe enorme contribuição à defesa dos direitos da mulher — inclusive, foi em São Paulo que se criou a primeira Delegacia da Mulher —, e o acompanhou nas horas mais difíceis e nas grandes conquistas.
Concedo o aparte ao Deputado Eunício Oliveira.
O Sr. Eunício Oliveira - Deputada Rose, emocionei-me quando V.Exa. falava do Senador e Governador Mário Covas, cassado pelo mesmo ato que cassou José Martins Rodrigues, avôde minha mulher, o maior dos peemedebistas cearenses. Como Líder do PMDB, desejo a V.Exa. bom retorno ao nosso partido. Vejo sua emoção e suas lágrimas. V.Exa. ajudou a construir o partido do qual hoje se despede por circunstâncias locais. O PMDB também retorna à sua história, fazendo o caminho inverso, construindo a unidade com que todos os peemedebistas sempre sonharam. V.Exa. talvez tenha deixado o nosso partido no momento em que ele não tinha unidade com sua história, com o sentimento das ruas. Graças a Deus e ao trabalho de muitos companheiros, o PMDB se reencontrou e é hoje um partido democrático, que deu — V.Exa. sabe disso — as lágrimas e até o sangue de alguns companheiros pela democracia neste País. Tenho certeza de que V.Exa., retornando ao nosso partido, vai contribuir, e muito, para que possamos fazer a democracia social no MDB — que se transformou em PMDB por resquício da ditadura, que impôs a inclusão do p de partido. V.Exa. é recebida de braços abertos em nosso partido, onde terá o direito de divergir, convergir e, acima de tudo, debater democraticamente todas as questões que sempre defendeu com tanta altivez. Receba do Líder Nacional do partido os votos de boas-vindas. Dizem que o bom filho à casa torna. V.Exa. está voltando ao nosso partido no momento em que o PMDB se reencontra com a história do MDB e do Brasil. Muito obrigado.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Agradeço a V.Exa.
Ouço, com prazer, o aparte do Deputado Eduardo Gomes, a quem saúdo como um querido amigo.
O Sr. Eduardo Gomes - Deputada Rose, com certeza este deve ser o momento mais difícil deste meu primeiro mandato como Deputado Federal. V.Exa. sabe do carinho que lhe tenho, pelas aulas diárias de determinação e dedicação ao mandato, pela modo como se comporta no dia-a-dia desta Casa, pela sua história, simpatia e competência. Como Vice-Líder do PSDB, conhecendo a sua contribuição ao nosso partido, entendo sua atitude, decorrente de disputas locais. Sei que as idéias de Mário Covas e de Franco Montoro sempre estarão no seu coração e na sua atitude com todos os colegas. Carrego, nesta recém-começada carreira na Casa, um grande carinho por V.Exa. Da mesma forma que Franco Montoro, Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso governaram com o PMDB, com o PT, com os partidos que hoje integram a base de sustentação do Presidente Lula, V.Exa. também será sempre lembrada em nossa bancada como uma companheira euma excelente Deputada, que onde estiver estará defendendo seus ideais acima de tudo. Portanto, receba o abraço, o carinho que sempre terá deste Deputado, que teveem V.Exa. uma auxiliadora nos meus primeiros meses de mandato. Com certeza, carregarei a sua amizade pelo resto da vida. Receba meu abraço neste momento, Deputada Rose, e saiba que este é um momento difícil não sópara mim, mas para o PSDB. Porém, nosso partido, que já superou tantas dificuldades e chegou 2 vezes à Presidência da República, saberá contar com os bons. Parabéns a V.Exa. pela decisão firme. Sei do amor que V.Exa. tem pelos colegas e pelas causas do povo do Espírito Santo.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Muito obrigado, Deputado.
Ouço, com prazer, o Deputado Zé Geraldo.
O Sr. Zé Geraldo - Deputada Rose de Freitas, estou há 22 anos no Estado do Pará, mas nasci em São Silvano, na beira do Rio Doce, norte do Espírito Santo, região que, com certeza, V.Exa. conhece. Aos 2 anos de idade fui para o Município de São Gabriel da Palha, onde morei numa vila chamada Vila Valério, hoje Município, que inclusive enfrenta uma terrível seca que prejudica a agricultura familiar, especialmente os produtores de café — aquela região é a maior produtora de café conillon do Brasil. Estive no Espírito Santo há alguns meses, onde visitei vários Municípios. Ouvi da população notícias sobre corrupção, sobre crimes cometidos por várias pessoas ligadas à política no Estado, e vi que muitas pessoas estão decepcionadas com seus políticos. Eu lhes dizia que tinha certeza absoluta de que o Estado iria melhorar, porque havia muita gentelutando para que tudo tomasse um rumo diferente. Com certeza, V.Exa. está fazendo mudanças a fim de se adaptar a um grupo político que também está se adequando a uma nova conjuntura. O Partido dos Trabalhadores, meu partido, também está crescendo, e tenho certeza de que vamos, nesta Casa, travar um debate com aqueles que não contribuíram para o nosso Estado. Enquanto eu estava no Espírito Santo, todos os dias havia notícias que me faziam pensar que aquele Estado pequeno e rico poderia estar muito melhor. Mas tenho certeza de que V.Exa. é uma das Deputadas que está trabalhando no sentido de melhorar a vida daquele povo. Aparteio V.Exa. porque tenho saudades da minha infância e parte da minha juventude ali vividas. Recentemente, amigos e familiares que lá permanecem diziam que, se eu tivesse ficado, quem sabe não teria sido eleito pelo norte do Estado, região que ainda não conseguiu eleger um Parlamentar, motivo pelo qual as pessoas reclamam muito. Certamente, V.Exa. tem base política naquela região. Quero dizer a V.Exa. que estou no PT desde 1986. V.Exa. está escolhendo novamente o caminho do PMDB, um partido que se está fortalecendo, na minha avaliação, para ser de centro, como o PT também está buscando o centro para governar o País. Portanto, certamente vamos estar juntos em muitos momentos.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Obrigada, Deputado Zé Geraldo.
O Sr. Antonio Carlos Pannunzio - Deputada, V.Exa. me concede um aparte?
A SRA. ROSE DE FREITAS - Com prazer.
O Sr. Antonio Carlos Pannunzio - Deputada, este é um evento do qual não imaginei que participaria e do qual não queria mesmo participar. É para mim um momento de tristeza. Entendo que V.Exa. tem um histórico, uma tradição de luta, de militância muito forte; é alguém que se destacou, nas Legislaturas anteriores, por presença e postura firmes. A política no plano nacional já é cheia de controvérsias. Quando se unem as controvérsias do plano nacional com as do plano regional e, às vezes, com as do plano municipal, nossa vida fica conturbada. De qualquer forma, V.Exa. já tomou a decisão. Podemos divergir, mas como nas outras decisões que V.Exa. tem tomado ao longo da sua vida, em todas as circunstâncias, teve e terá o meu respeito. Era isso, Deputada.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Ouço, com prazer, o aparte do Deputado Gervásio Silva.
O Sr. Gervásio Silva - Deputada Rose de Freitas, faço este aparte sem nenhuma intenção partidária, mesmo porque não pertenço ao partido que V.Exa. está deixando nem ao qual se vai filiar, mas pela admiração que tenho pela sua pessoa, seu trabalho, sua retidão, pela forma como age e trata seus amigos e companheiros nesta Casa e no Congresso Nacional, que também a tratam com todo o respeito. Com certeza, o partido a que V.Exa. se filiar ganharáum grande soldado, uma pessoa que tem experiência, amizades, conhecimentos e um grande trabalho prestado ao País. Sei que este é um momento difícil de decisão e de mudança na sua vida, mas quero dizer que tanto eu quanto seus amigos estamos do seu lado, embora em partidos diferentes, com toda a admiração e respeito que temos pelo seu trabalho. Obrigado.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Ouço, com prazer, o nobre Deputado Antonio Carlos Mendes Thame.
O Sr. Antonio Carlos Mendes Thame - Nobre Deputada Rose de Freitas, caros amigos e companheiros, quando tomei posse pela primeira vez como Deputado, o ex-Deputado Salgot Castillon, de Piracicaba, procurou-me e me disse para correr contra o relógio, pois 48 meses passam muito depressa. Segundo ele, relógio não marca tempo, mas quantidade de vida que dedicamos a alguma coisa. Durante o meu convívio nesta Casa, em poucas oportunidades encontrei um Parlamentar que, sem nunca falar sobre o assunto, tivesse procurado aproveitar tanto o seu tempo para fazer coisas boas e úteis quanto a Deputada Rose de Freitas. Poucas vezes vi alguém tentando transformar seu mandato num instrumento para fazer o bem, tão preocupado em entender o que é a coisa pública e o bem comum, ou capaz de enxergar, além do muro do fundo do quintal da sua casa, a comunidade, a região, o Estado,o País. Poucas vezes sentimos tanto a perda de um Parlamentar do nosso partido como agora. Esperamos que seu ingresso em outra agremiação partidária signifique sempre a mesma atuação acima de qualquer ingerência partidária, centrada na ação política e na importância do esforço para melhorar a condição de vida de nosso povo. Muito sucesso na escolha que fez. Desejo-lhe muitas felicidades.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Muito obrigada.
Ouço, com prazer, o nobre Deputado Luiz Carlos Hauly.
O Sr. Luiz Carlos Hauly -Nobre Deputada Rose de Freitas, onde quer que esteja, conte com nossa simpatia, nosso carinho e nosso respeito, tendo em vista a sua atuação como mulher e Deputada batalhadora e competente. Continue desenvolvendo o trabalho proficiente em prol não apenas do seu querido Estado do Espírito Santo, mas também do nosso Brasil, seguindo os ideais democráticos e sociais que sempre perseguiu. Meu sincero abraço.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Agradeço ao nobre Deputado Hauly o aparte.
Sr. Presidente, agradeço a todas as Sras. e Srs. Deputados.
O SR. PRESIDENTE (Confúcio Moura) - O tempo da Deputada Rose de Freitas está esgotado, mas vamos conceder-lhe mais 2 minutos para que encerreseu pronunciamento. Caso queira conceder apartes, fica a critério de S.Exa.
A SRA. ROSE DE FREITAS - Sr. Presidente, Tancredo Neves deixou importante e inestimável legado para este País. Acredito que será muito útil, para concluir este emocionado pronunciamento, citá-lo:
A soberania do País é a soberania de seu povo; a dignidade do País é a dignidade de sua gente.
Eu jamais tomaria alguma decisão sem que estivesse calcada nos princípios básicos que nortearam minha vida familiar, nos ensinamentos dos meus pais, Sr. Waldemar e D. Lourdes, que com certeza me ouvem neste momento. Honrei todos os momentos da minha vida política: no MDB jovem, no movimento da anistia, na comissão feminina em defesa dos direitos humanos, no movimento em defesa da democracia e de eleições livres. Honrei a dignidade com que aprendi a fazer política e com que, com certeza, eduquei a minha família, a fim de que este País contasse com homens e mulheres mais justos, mais democratas, mais dignos.
Agradeço a todos. Agradeço ao PSDB, aos Deputados Alberto Goldman, Antonio Carlos Mendes Thame, Antonio Carlos Pannunzio, aos Eduardos, ao Deputado Jutahy Junior. Não há nada de novo na caminhada, apenas o jeito de caminhar. Com certeza, no Espírito Santo, todos os peessedebistas que nos acompanharam nessa caminhada estão refletindo com o mesmo sentimento, mas sabem que nossos próximos passos ajudarão a construir dias melhores para o Espírito Santo e para o Brasil.
Muito obrigada. (Palmas.)