CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com reda����o final
Sessão: 206.2.52.O Hora: 15:22 Fase: BC
Orador: VICENTINHO, PT-SP Data: 06/10/2004




O SR. VICENTINHO (PT-SP. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, aproveito esta oportunidade para manifestar meu agradecimento à população de São Bernardo do Campo pelos votos a mim conferidos e sobretudo à nossa militância, aguerrida e corajosa, o enfrentamento de pleito muito difícil. Sabíamos que teríamos dificuldades em uma cidade cuja administração anterior o povo aprovava. Embora tenhamos divergências profundas sobre a concepção de governo, reconhecemos que há ali um poder econômico muito grande.
Enfim, cumprimos nosso papel. Como o Apóstolo Paulo, fizemos o bom combate. Aqui estamos com toda a dignidade. Vamos levar nossa luta avante. Eu, meu partido e todos os que comigo estiveram, PMDB, PTB, PCdoB, vamos nos reencontrar e continuar a batalha. Quero mesmo éagradecer ao povo pelos votos que recebi.
Agora, vamos ajudar nossos companheiros Filippi, em Diadema; João Avamileno, em Santo André; Márcio Chaves, em Mauá; Marta Suplicy, em São Paulo, e, se possível, Emídio, em Osasco, que continuam em campanha para disputar o segundo turno.
Apesar da não-eleição em São Bernardo do Campo, estou muito feliz com o resultado eleitoral do meu partido, que cresceu extraordinariamente, mais de 200%, comprovando sua atuação política e história.
Também aproveito para agradecer ao Vice-Presidente da República, José Alencar, aos Ministros José Dirceu, Humberto Costa, Ricardo Berzoini, Matilde Ribeiro, Olívio Dutra e Tarso Genro e aos Senadores Aloizio Mercadante e Eduardo Suplicy a participação na minha campanha.
São Bernardo é muito querida, vamos continuar amando essa cidade, mas agora vamos retomar o processo, porque a luta é ideológica e nacional. A grande guerra estamos ganhando. Temos dificuldades em algumas pequenas batalhas, embora São Bernardo não seja uma pequena batalha, pois é cidade muito importante e querida. Devo, agora, agradecer àqueles que depositaram em mim sua confiança.
Sr. Presidente, aproveito ainda este momento para pedir ao Presidente João Paulo Cunha, ao Ministro da Casa Civil, JoséDirceu, e aos dirigentes banqueiros, sobretudo do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, que se sentem à mesa e cheguem a um acordo. Dialogar numa greve é o melhor que existe. Nela não se devem fechar os canais de negociação.
Coloco-me à disposição dos companheiros bancários para ajudar a resolver esse problema que aflige a Nação.
Os bancos realmente ganharam muito dinheiro. Épreciso encontrar uma solução negociada para esse setor, que, com o avanço da tecnologia, vem perdendo postos de trabalho, tão vitais para a economia do País.
Obrigado, meu caro Presidente.