CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com reda����o final
Sessão: 206.2.52.O Hora: 17:40 Fase: BC
Orador: ZELINDA NOVAES, PFL-BA Data: 06/10/2004




A
SRA. ZELINDA NOVAES (PFL-BA. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, a imprensa e o Poder Legislativo trabalham para se firmar como instituições que formam a opinião pública através da expressão de sentimentos e necessidades. O trabalho exposto deve ser a síntese de que a verdadeacima de tudo obedece aos critérios éticos existentes aos quais estão sujeitos e a outros que se buscam dentro de uma vivência democrática.
As lições praticadas hoje foram aprendidas ao longo de décadas de perseguições políticas, que, ao privarem a imprensa e o Legislativo de exercerem seus papéis, na verdade privaram a sociedade brasileira do conhecimento e, em decorrência, também restringiram a possibilidade de os brasileiros desenvolverem senso político crítico próprio, que à época ditatorial pareciam somente se polarizar entre as idéias da esquerda e da direita, ambas com suas mazelas ora tácitas ora expressas.
Mesmo com a atual liberdade responsável, ambos sofrem ainda restrições que, quando refletidas, são absorvidas, superando assim a árdua jornada dos seus desempenhos. A imprensa livre deve relatar o trabalho parlamentar, analisando-o e expondo-o à opinião pública. O Parlamentar deve representar a massa popular,buscando transformar em realidade os anseios e necessidades da coletividade.
Como Deputada vimos perseguindo, por intermédio do Parlamento e da imprensa, alguns objetivos que consideramos prioritários. Queremos que a imprensa continue no seu relevante trabalho de expor e debater temas de interesse da população, a fim de que soluções sejam dadas aos cruciantes problemas sociais que vivemos no dia-a-dia. O senso crítico jornalístico é salutar, pois oferece-nos subsídios para nossa missão legislativa. A imprensa, além de encarregar-se de relatar ao leitor aquilo que o político faz ou deixa de realizar, oferece novidades descobertas por suas incessantes pesquisas,orientadas e dirigidas pelos seus conhecimentos profissionais.
A nossa maior trincheira, comum a Parlamentares e jornalistas, é lutar incansavelmente pela construção de uma ordem social, econômica e política que permita consolidar a implantação de melhores condições de vida e participação para todas as camadas da sociedade brasileira. Bom frisar que é possível até se construir a partir do caos, porém poucas obras se consolidam no caos. Por isso a construção e afirmação do Poder Legislativo e da imprensa, por muitos considerados o quarto poder, hão de ser empreendidos debaixo da ética, da isenção e da responsabilidade.
Estaremos, assim, firmes e coerentemente comprometidos com a obrigação maior de buscar caminhos que levem a sociedade, principalmente a mais carente, a ter condições de vida dignas, com educação, saúde, cultura, segurança e trabalho.
A meta do poder político deve ser a promoção de ações de interesse público que resultem em muitas outras notícias na imprensa, capazes de motivar a população e o Poder Público, solidariamente, a descobrirem a felicidade de coexistirem; do contrário, ao promover, por culpa ou dolo, fatos negativos, não resta à imprensa outro caminho a não ser revelar à sociedade os fatos. Se, no entanto, os responsáveis pela apuração e julgamento dos fatos não o realizam com sobriedade e profissionalismo, não é a imprensa a culpada.
Que ensinemos nossa sociedade a fazer suas análises e que permitamos aos poderes legalmente constituídos estarem plenamente capacitados a realizarem o justo julgamento.
Muito obrigada.