CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 184.3.54.O Hora: 11h52 Fase: BC
  Data: 26/06/2013

Sumário

Decisão da Presidente Dilma Rousseff de aumento do número de vagas de residência médica e de bolsas de estudo para cursos de graduação do setor. Importância da redução dos custos de formação médica.




O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o pronunciamento que faço neste instante é sobre uma das propostas apresentadas pela Presidente Dilma Rousseff sobre as mobilizações populares e que repôs em discussão a formação de médicos no Brasil. Quero auxiliar o debate do tema com uma consideração que julgo importante, a redução do custo de formação.
Não possuo o número exato, mas a minha percepção é de ser significativa a quantidade de jovens que desistem do sonho de serem médicos porque sua família e, muito mais, eles próprios não conseguem responder aos elevados custos de formação.
É verdade que nas universidades públicas os cursos são gratuitos, mas as vagas são excessivamente limitadas, situação que leva à disputa por um campo da sorte mais do que do mérito.
Nas universidades privadas, as mensalidades são proibitivas, na casa de mais de 2 mil reais mensais, sem contar as despesas com livros, estrutura e manutenção pessoal dos alunos.
O tempo para uma boa formação é um dado relevante a considerar. Nenhum médico é médico por completo, com boas chances de sucesso na vida profissional, se limitar a sua formação à primeira fase, aquela que lhe dáo diploma. Depois de percorrer pelo menos 6 anos na universidade, o médico precisa complementar a sua formação com a residência médica, outro processo de seleção disputadíssimo.
Após esse período, o médico precisa buscar a especialização. Estamos a falar, portanto, em pelo menos mais 6 anos no processo de formação, até que o médico esteja pronto para a realização do seu sonho. Quem entra no curso de Medicina com 20 anos de idade, se tudo correr no tempo melhor, estará profissionalmente pronto aos 32 anos.
É fato que o Brasil precisa de um número maior de médicos e louvo a Presidente pela sensibilidade. Mas étambém fato que o Brasil não abre espaços novos de formação com custos que a sociedade brasileira, mesmo a pertencente à classe média mais favorecida, consiga suportar.
Daí a importância da presença, no discurso da Presidenta, da decisão dela de expandir as vagas de residência médica e o número de bolsas para estudantes de graduação interessados em participar de projetos da rede pública. Segundo ela, as medidas significam a criação de 11.447 novas vagas de graduação e 12.376 novas vagas de residência para estudantes brasileiros até 2017.
Tenho comigo a convicção de que, se fôssemos capazes de, pelo menos, reduzir significativamente as frustrações de médicos vocacionados que não conseguiram chegar sequer às universidades, teríamos número de excelentes profissionais da medicina suficiente para atender a toda a demanda reprimida que a Presidenta identificou.
Muito obrigado.


MEDICINA, CURSO, DIFICULDADE, CUSTO, FORMAÇÃO, CRÍTICA, DILMA ROUSSEFF, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, DECISÃO, AUMENTO, VAGA, RESIDENCIA MEDICA, BOLSA DE ESTUDO, APOIO.
oculta