CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 184.3.54.O Hora: 11h16 Fase: BC
  Data: 26/06/2013

Sumário

Protesto contra intimação do orador, pelo Supremo Tribunal Federal, por declarações contra o ex-Procurador-Geral da República Aristides Junqueira.




O SR. DELEGADO PROTÓGENES - Sra. Presidente, peço a palavra para uma questão de ordem.
A SRA. PRESIDENTA (Benedita da Silva) - Tem a palavra V.Exa.
O SR. DELEGADO PROTÓGENES (PCdoB-SP. Questão de ordem. Sem revisão do orador.) - Sra. Presidente, ontem, manifestei-me falando da instrumentalização privada de ex-Procuradores-Gerais da República.
E registrava aqui, divulgando e denunciando o ex-Procurador-Geral da República, Aristides Junqueira, como advogado do banqueiro condenado Daniel Dantas e sócio também do ex-Procurador-Geral da República Antônio Fernando. E falava que o advogado e ex-Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, tinha também uma parceria nessa instrumentalização privada da Procuradoria-Geral da República.
Para a nossa surpresa recebi ontem duas intimações do Supremo Tribunal Federal após a minha fala. Isso é um desrespeito com esta Casa. Fui intimado dentro da sala das Comissões da Câmara dos Deputados. Uma intimação se refere à fala deste Deputado.
Quero dizer que se esse instrumento vingar no Supremo Tribunal Federal — que é uma queixa-crime do banqueiro condenado Daniel Dantas —, de um Deputado não poder falar que um banqueiro é corrupto; de um Deputado não poder falar que é uma excrescência, é uma indecência, é uma maledicência que cheira à corrupção a advocacia privada deste ex-Procurador-Geral da República, Aristides Junqueira, sócio do Antônio Fernando, ex-Procurador-Geral da República, por mudar toda a movimentação do processo de um corrupto conhecido nesta República, que desviou mais de 3 bilhões de dólares nesta República; se este Deputado não puder denunciar desta tribuna nem fora dela, pergunto: onde é que está a imunidade parlamentar?
Se nós não tomarmos conhecimento, Sra. Presidente — estou levando ao conhecimento de V.Exa. e desta Mesa —, do desrespeito que houve ontem aqui nesta Casa, da indiferença que houve ontem aqui nesta Casa, de que hoje sou eu um dos 513 a ser atacado, amanhã, Sra. Presidenta, V.Exa., o Deputado Vicente Candido, que faz parte desta Mesa, o Deputado Foletto, os Deputados Berzoini, Chiquinho Escórcio e outros que estão aqui presentes vão ser alvo da mesma maledicência, dessa instrumentalização privada de ex-Procuradores-Gerais da República controlando a Procuradoria-Geral da República. Isso é um desrespeito com os movimentos sociais que estão nas ruas.
Ontem, aprovamos aqui a PEC 37, falando que é a PEC da impunidade, que é a PEC da corrupção. Isso aqui é o quê? O que significam essas duas notificações? Isso aqui é o quê? É a notificação da corrupção, é a notificação da impunidade. Isso aqui são notificações do registro da impunidade que ocorre neste País. E hoje estátomando posse o quinto Ministro do Supremo Tribunal Federal, sem dar uma resposta a esse caso de corrupção.
Vou denunciar, sim, Sra. Presidenta. Vou denunciar, sim, colegas Deputados, nem que seja uma voz sonante única nesta Câmara dos Deputados. Porque aqui eu represento os interesses do povo brasileiro, e os interesses nacionais são maiores do que essa corja que existe encastelada nesses gabinetes sujos e sórdidos desta República.
Obrigado.

A SRA. PRESIDENTA (Benedita da Silva) - A Mesa estará recolhendo a Questão de Ordem do Deputado Delegado Protógenes e posteriormente a responderá.


DELEGADO PROTÓGENES, DEPUTADO FEDERAL, INTIMAÇÃO, SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, STF, QUEIXA CRIME, DANIEL DANTAS, BANQUEIRO, ARISTIDES JUNQUEIRA, ADVOGADO, EX PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA, RECEBIMENTO, INSTALAÇÕES, CÂMARA DOS DEPUTADOS, PROTESTO.
oculta