CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com reda����o final
Sessão: 049.3.53.O Hora: 10:40 Fase: BC
Orador: JEFFERSON CAMPOS, PTB-SP Data: 26/03/2009


O SR. JEFFERSON CAMPOS
(Bloco/PTB-SP. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, cada um de nós nasce com talento, capacidade e espírito de cooperação, e devemos estar predispostos a impulsionar soluções adequadas para os problemas vivenciados por aqueles que ainda não descobriram a força de seus atributos natos e estão prontos no seu interior, que somados distribuirão benefícios a todos.
O pensador italiano G. Mazzini (1805-1872), numa manhã de inverno, esteve num café ao lado do Museu Arqueológico Nacional, em Nápoles, que serviu de alojamento de cavalaria no século XVI e onde estão belas esculturas encontradas nas escavações de Herculano e Pompéia. E Hércules ali está, com seus 3 metros de altura e uma anatomia perfeita, que teria feito Michelangelo Buonarroti (1475-1564) chorar. Mazzini disse a seus discípulos:
"A vida vos foi dada por Deus para que a useis em benefício da humanidade, para que dirijais as vossas capacidades individuais ao desenvolvimento das capacidades dos vossos irmãos, para que acrescentais com vossa obra um elemento qualquer na obra coletiva de melhoramento e de descoberta da verdade, que as gerações promovem lentamente, mas com continuidade. Deveis educar-vos e educar, aperfeiçoar-vos e aperfeiçoar".
Colocando de lado a inércia que obstaculiza a iniciativa dos talentos e a má vontade inibidora da ação das capacidades em selecionar trilhas para incrementar a harmonia entre as classes econômicas e escolher caminhos para a longa jornada em solo pouco conhecido, mas onde o sucesso espera todas as classes sociais, que terão vida longa de abundância de fartura, apesar de ainda ter tantas indiferenças e tamanhas desigualdades.
Mesmo com os valores do contato físico nas conversas educativas e altruístas e da cooperação mútua, os indivíduos da classe abastada preferem o isolacionismo proporcionado pela rede mundial de computadores, valorizando a modernidade, a tecnologia de ponta, o individualismo e o atendimento personalizado dispendioso e egoísta, vivendo em casas e condomínios, verdadeira fortalezas delimitadas por cercas elétricas.
A classe média sobrevive da esperança de melhores dias, que resultem na universalização da cultura e da educação, que amenizem a sobrecarga de atividades e tributos, do trânsito caótico e de sonhos de tempos vindouros que vão eliminar os hábitos violentos e os atos criminosos que, infelizmente, permeiam a sociedade contemporânea dos 5 continentes.
E a população desfavorecida permanece na expectativa da partilha da solidariedade, da justiça social, da qualificação profissional, do emprego, da distribuição da renda mundial e de ascensão da prosperidade para todos.
Os povos serão julgados pela fraternidade compartilhada entre todas as classes, pelos acertos, pelas conquistas e pelas virtudes praticadas e também pela desordem humana, pela degradação do meio ambiente, pelas discriminações, más condutas, ofensas, omissões, incertezas na hora das decisões fraternas que propiciam a solidariedade global, pelos descuidos com as crianças, os jovens, adultos e idosos e pela negligência do desejo supremo do Senhor, que é a paz na Terra para as pessoas generosas e íntegras e para aquelas que ainda não aprenderam a ser boas. 
Sr. Presidente, solicito a V.Exa. que meu pronunciamento seja divulgado pelos órgãos de comunicação desta Casa legislativa e no programa A Voz do Brasil.
Muito obrigado.