CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 045.3.55.O Hora: 12h58 Fase: OD
  Data: 23/03/2017


A SRA. IRACEMA PORTELLA
(Bloco/PP-PI. Pronunciamento encaminhado pela oradora.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, registro, nesta tribuna, conteúdo de reportagem recentemente veiculada pela Agência Brasil sobre um projeto inovador que em breve será colocado em prática pela EMBRAPA.
Os pesquisadores começam, agora em março, a executar o Programa Nacional de Solos do Brasil — PRONASOLOS. O projeto conta com a parceria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística — IBGE, da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais — CPRM e de universidades nacionais. Essa fase inicial vai durar 9 meses e tem custo estimado de 900 mil reais.
Depois, com a aprovação do Governo Federal, o PRONASOLOS passará para a etapa de execução, que pode levar entre 10 e 30 anos, segundo informou Daniel Vidal Perez, Chefe-Geral da EMBRAPA Solos. O programa vai mapear o território brasileiro e gerar dados com diferentes graus de detalhamento.
O PRONASOLOS será um estudo completo do tipo de solo em profundidade. Essa informação é crucial para incentivar, por exemplo, projetos de irrigação ou calcular o estoque de carbono para mitigar as emissões de gases de efeito estufa. Para isso, é preciso conhecer o solo em profundidade e em detalhe. E essa informação, infelizmente, nós não temos, disse Daniel Vidal Perez à Agência Brasil. Ele afirmou ainda que alguns Estados das Regiões Sul e Sudeste têm informações mais precisas, mas no restante do País os dados ainda são insuficientes.
O PRONASOLOS virá para preencher essas lacunas, permitindo que os dados sejam mais detalhados, inclusive em relação aos insumos e nutrientes necessários para que não haja a contaminação de águas subterrâneas.
O representante da EMBRAPA lembrou que o solo é um dos componentes da produção e, em termos ambientais, é talvez o mais importante. Tudo passa por ele. Se você não tratar bem o solo, vai ter sérios problemas, advertiu.
O programa será essencial para aumentar a produtividade da atividade agrícola, uma das mais promissoras vertentes da economia brasileira. Vai dar informação necessária para que se estabeleçam políticas de uso eficiente e mais adequado dos diversos insumos agrícolas, entre eles o fertilizante, afirmou.
A execução do PRONASOLOS demandará investimentos públicos e privados que poderão alcançar até 3 bilhões de reais. Segundo os especialistas, o programa poderá gerar ganhos para o Brasil de mais de 40 bilhões de reais em apenas uma década.
O desconhecimento dos tipos de solo ocasiona ineficiência na produção e gera danos ambientais. Daí a importância de se investir nesse tipo de projeto.
Não tenho dúvida de que, depois de conhecer detalhadamente o nosso solo, daremos um salto enorme de qualidade no agronegócio brasileiro, que se tornará muito mais competitivo.
Era o que tinha a dizer.