CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com reda����o final
Sessão: 003.3.52.E Hora: 14:34 Fase: PE
Orador: JOSÉ MÚCIO MONTEIRO, PTB-PE Data: 21/01/2004




O SR. PRESIDENTE (Inocêncio Oliveira) - Concedo a palavra ao nobre Deputado José Múcio Monteiro, para uma Comunicação de Liderança pelo PTB.
O SR. JOSÉ MÚCIO MONTEIRO (PTB-PE. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, meus companheiros, quero aproveitar este espaço para fazer um apelo ao Governo, especialmente ao Ministro da Agricultura, no que concerne ao problema do subsídio de equalização da lavoura canavieira do Nordeste brasileiro.
Como todo o Brasil sabe, não temos poder de competitividade com o Centro-Sul, por conta da topografia, das terras cansadas, das condições edafoclimáticas do Nordeste. E há defasagem de preço, que tirou absolutamentea competitividade com o resto do País e, evidentemente, com os outros países produtores.
Há algumas safras, o Governo concedeu subsídio que manteve as 50 milhões de toneladas que o Nordeste tem — para V.Exa. ter uma idéia, o Centro-Sul tem mais de 300 milhões de toneladas —e fez com que os 200 mil empregos gerados pelo setor não acabassem.
Quero, então, fazer um apelo ao Ministro neste momento em que se vende 1 tonelada de cana a 26 reais, quando no ano passado se vendia a 38 reais. Os fornecedores e os próprios produtores de açúcar e álcool padecem da dificuldade de ver uma atividade quadrissecular no Nordeste sendo ameaçada de acabar.
Peço a interferência de V.Exa., como Presidente da sessão, conhecedor do problema e representante do Estado de Pernambuco e de diversos Municípios produtores de cana-de-açúcar.
Muito obrigado.
O SR. PRESIDENTE (Inocêncio Oliveira) - Deputado José Múcio Monteiro, V.Exa. tem toda a razão e contará com meu apoio. Ainda hoje, farei discurso no Pequeno Expediente nessa mesma linha.
Somente uma região do Estado de Pernambuco, que gera 200 mil empregos diretos, já merece todo o apoio do Governo e de todos aqueles que desejam a solução para o grave problema do Nordeste, para diminuir, assim, cada vez mais, as desigualdades entre os Estados mais ricos e os mais pobres.
A indústria sucroalcooleira é fundamental para Pernambuco, Alagoas, parte da Bahia e da Paraíba, parte do Ceará e assim por diante. É um setor que vai ao encontro daqueles que desejam uma agricultura forte, rentável, mas sobretudo que desejam um Brasil equânime, mais justo, no qual os brasileiros nordestinos tenham melhores condições de vida.