CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 92.2019 Hora: 9h4 Fase:
  Data: 07/05/2019

Sumário

Carta encaminhada à oradora pelo movimento estudantil. Sugestão a Deputado para debate da educação a partir do Governo Michel Temer. Evolução do setor educacional no Governo Luiz Inácio Lula da Silva. Apoio popular ao movimento contra a reforma previdenciária e pela educação pública de qualidade.

 A SRA. BENEDITA DA SILVA (PT - RJ. Como Líder. Sem revisão da oradora.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu estou nesta tribuna para ler uma carta do movimento estudantil, que me solicitou que o fizesse. Mas não posso iniciar a leitura de uma carta sem antes dizer, para o orador que me antecedeu e até mesmo para outros que já se manifestaram da tribuna, que, se é para fazer o debate sobre educação e falar intelectualmente, como aqui foi exigido, vamos falar do Governo Temer, do primeiro congelamento da educação, por 20 anos.
Vocês estavam lá com o Temer! Vocês ajudaram a dar o golpe! Então, vamos começar a discutir educação a partir daí. Vamos ver que, em 2003, havia 17,4 bilhões no orçamento da educação e que ele foi para 103 bilhões, 779 milhões e 651 reais, em 2015 - foram mais de 500% de aumento. Qual era o Governo? O Governo de Lula. No Governo de Dilma, a educação foi garantida, e não uma educação de elite. O filho do pobre, o filho do trabalhador, pôde ter acesso a uma universidade. É isso que vocês não suportam!
Ideologicamente, vocês estão querendo fazer com que a educação seja privilégio de poucos. Mas não temos mais escravos. Nós temos nas ruas os inteligentes jovens estudantes, que já provaram, no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que inteligência é importante, que conhecimento é fundamental, e não vão abrir mão disso, de forma nenhuma. Eles estão organizados nas ruas para defender aquilo em que acreditam e que sabem que é direito deles.
Portanto, não me falem em Governo Lula e educação, porque nenhum governo - nenhum - foi capaz de criar tantas universidades, nenhum foi capaz de criar tantos institutos. Milhares e milhares de pobres, de meninos e meninas, foram para a universidade e continuam querendo estudar. O que vocês não querem é que eles tenham conhecimento.
Já ouvimos aqui uma barbaridade enorme, a de achar que, para investir na universidade, nós teríamos que tirar recursos da educação básica. Isso é uma loucura! É uma vergonha o que se está fazendo! Estamos envergonhados deste País.
Lá fora, todos estão conosco no movimento contra a reforma da Previdência Social e a favor da escola pública de qualidade, que, no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva, o povo brasileiro pôde provar. Nós temos aqui vários professores e professoras que acompanharam a evolução.
O que vocês querem realmente é desmantelar o sistema educacional brasileiro, para beneficiar mais uma vez o filho do senhor do engenho e para que aqueles que estavam trabalhando nas lavouras continuem analfabetos, não tenham condições de fazer a disputa intelectual. É ideológico o que vocês estão fazendo com a educação. Não é apenas uma questão de tirar linearmente 30% desses recursos. É muito mais do que isso. O que se perde em não educar, em não dar inteligência, em embrutecer o ser humano? O País tem os melhores pesquisadores e pesquisadoras. Como iremos abrir mão disso? Mais uma vez vão dizer que brasileiro é burro, que brasileiro não é inteligente, que pobre não tem qualificação nem capacidade sequer para disputar intelectualmente?
Não, Sras. e Srs. Parlamentares! Só quem conhece o que foi feito no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva pode estar nesta tribuna para defender aquilo que nós achamos importante.(Palmas.)
Ele não mediu esforços para botar pobre na escola, para botar até mesmo ricos, que não foram prejudicados em seu Governo.
Então, é insuportável para nós ouvir baboseiras, em nome da intelectualidade que muitos aqui não têm.
O que acompanha a intelectualidade, além do processo democrático, é a inteligência de dar a todos uma educação de qualidade.(Palmas.)
Isso foi feito por Luiz Inácio Lula da Silva. Você pode nem gostar do Lula, mas ele foi o operário de 4ª série que pôde dar aos nossos filhos as condições de terem os seus diplomas de doutor e de doutora. Isso é insuportável - insuportável - para aqueles que estão acostumados a escravizar, inclusive intelectualmente.
Então, fica aqui o nosso protesto veemente. Estarei de novo nesta tribuna para ler a carta dos estudantes, mas eu não poderia deixar de manifestar-me, diante das baboseiras que aqui têm colocado, em nome da intelectualidade.(Palmas.)
E só posso fazer isso porque nós conquistamos a oportunidade de estar aqui, que não foi dada por nenhum empresário, mas pela força do povo brasileiro.


MICHEL TEMER, EX-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, NOVO REGIME FISCAL, RESTRIÇÃO, ORÇAMENTO, EDUCAÇÃO, CRÍTICA. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, DILMA ROUSSEF, EX-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, GOVERNO, INVESTIMENTO PÚBLICO, DIREITO À EDUCAÇÃO, ACESSO À EDUCAÇÃO, POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA, EDUCAÇÃO SUPERIOR, UNIVERSIDADE PÚBLICA, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA (INSTITUTO FEDERAL), MOVIMENTO ESTUDANTIL, ESCOLA PÚBLICA, DEFESA. REFORMA PREVIDENCIÁRIA, CRÍTICA.
oculta