CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 44.2021.B Hora: 10:00 Fase: BC
Orador: JOSÉ RICARDO, PT-AM Data: 10/06/2021

 O SR. JOSÉ RICARDO (PT - AM. Sem revisão do orador.) - Sra. Presidente, muito bom dia! Bom dia a todos os demais colegas Parlamentares!
Sra. Presidente, primeiro, eu quero me manifestar contra a Medida Provisória 1.052, de 2021, que propõe mudar regras em relação ao funcionamento do Banco da Amazônia e também do Fundo Constitucional do Norte. O banco já existe há 79 anos e é fundamental para o desenvolvimento da Região Norte e da Amazônia. Hoje, quase 70% dos créditos disponibilizados são para pequenas empresas e agricultores familiares. É um banco fundamental para o desenvolvimento sustentável dessa região, e agora está comprometido, por conta dessa medida provisória.
Nós já temos aqui, na Amazônia, a redução das estruturas públicas, como a do ICMBio, do IBAMA, da FUNAI, da SESAI. Temos a privatização da Amazonas Energia, do aeroporto, do gasoduto, da água. E agora querem acabar com os Correios, a ELETROBRAS e o Banco da Amazônia, tão importantes para o desenvolvimento da região. Por isso, participaremos dos atos públicos em defesa do Fundo Constitucional do Norte e do Banco da Amazônia. E vou somar-me à luta dos trabalhadores do banco.
Sra. Presidente, também lamento que o nosso Governador do Amazonas, Wilson Lima, seja um fujão, fujão da CPI. Conseguiu na Justiça, no Supremo Tribunal Federal - STF, uma decisão para não precisar depor na CPI do Senado que investiga as ações, omissões e responsabilidades do Governo Federal e Estaduais em relação às mortes e à falta de oxigênio, por conta da pandemia do coronavírus.
Aqui no Amazonas a situação continua dramática, até por conta das enchentes e também da violência que atingiu a Capital, Manaus, e também Municípios do interior do Estado. Diante disso, Sra. Presidente, eu quero trazer outra denúncia.
De acordo com a coluna da jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP afirma que o estudo anunciado por um grupo de médicos e pesquisadores, no último dia 10 de março, no Hospital Samel, aqui em Manaus, cometeu uma série de irregularidades graves. Segundo a reportagem, a CONEP descobriu que o estudo irregular com o medicamento proxalutamida estava sendo realizado em pacientes de COVID-19 no Amazonas sem o consentimento do órgão e cometeu uma série de irregularidades graves. Segundo a reportagem local, a administração do remédio pode ter causado a morte de pelo menos 200 pessoas. O detalhe é a participação na equipe de profissionais que são defensores do tratamento precoce contra a COVID-19 e do uso da cloroquina em pacientes. Um deles é o infectologista Ricardo Zimmermann, do Hospital da Brigada Militar de Porto Alegre, que veio a Manaus, junto com a comitiva do Ministério da Saúde. Estamos acionando o Ministério Público para investigar essa denúncia.
O negacionismo bolsonarista está milhares de mortes ao Brasil. Nós não podemos aceitar isso. É importante que o Ministério Público investigue se o povo de Manaus virou cobaia dessas propostas que, como já demostrado no mundo inteiro, não têm eficácia nenhuma e que podem ter causado mortes de várias pessoas nesse período tão dramático da pandemia do coronavírus.
Era o que tinha a dizer, Sra. Presidente.
Eu gostaria que este nosso discurso fosse divulgado no programa A Voz do Brasil.
Muito obrigado.