CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 275.3.55.O Hora: 17:46 Fase: OD
Orador: DANIEL COELHO, PSDB-PE Data: 26/09/2017

O SR. DANIEL COELHO (PSDB-PE. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, às vezes, na ânsia de ser contra tudo, alguns partidos deixam de fazer a análise do conteúdo das matérias. É o caso deste pedido de retirada de pauta do PSOL.
O que está sendo feito aqui é uma antecipação de recursos em prol do Estado. As empresas que receberam a concessão de aeroportos no Governo deles, no Governo do PT, vão antecipar recursos para o Estado.
Este pedido de retirada de pauta e a tentativa de barrar a medida provisória só têm um intuito: proteger as empresas, e não o Estado brasileiro. Vejam o tamanho da incoerência do pedido e desse requerimento do PSOL. Eles fazem um discurso em favor do público, mas neste momento são contra o interesse geral da nossa Nação.
Precisamos, sim, votar a matéria, até porque as concessões já feitas, reitero, no Governo do PT, estão em curso, e o que temos hoje é um aporte de investimento chinês, que vai reforçar o caixa do Estado brasileiro.
Essa, Srs. Deputados, é uma visão atrasada de mundo, como já vimos aqui em alguns outros assuntos e outras matérias. Nós lembramos a votação relativa ao Uber, em que esses mesmos partidos e esse mesmo grupo aprovaram um texto nesta Casa que, literalmente, proíbe o funcionamento dele e de outros aplicativos de transporte, desrespeitando o livre mercado, desrespeitando a vontade do consumidor de escolher que tipo de transporte ele vai utilizar.
Esse mesmo projeto encontra-se hoje no Senado Federal, onde já iniciamos uma mobilização para que o texto destruído neste plenário pelas bancadas do PT, do PSOL e outras seja mais uma vez modificado no plenário. Dessa forma, teremos, aí, sim, a liberação dos aplicativos de transporte, ou seja, liberdade de mercado, condição de o usuário escolher como ele quer se locomover, e não esses conceitos, que remontam, às vezes, à Idade da Pedra e a uma falta de compreensão do mundo atual.
O que acontece, muitas vezes, é aquele sentido do ficar contra, que é o que ocorre nessa discussão sobre os aeroportos. Não há a mínima lógica não querer que o Estado consiga antecipar recursos, reforçando o caixa e recebendo o aporte de investimento chinês, de investimento estrangeiro.
No momento em que a economia brasileira anda para trás, no momento em que o desemprego é alto, não dá para negar os investimentos estrangeiros e muito menos permitir essa tentativa de proibir o funcionamento do Uber e de outros aplicativos de transporte no nosso País.