CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 234.4.51.O Hora: 9h57 Fase: HO
  Data: 12/12/2002

Sumário

Homenagem à Bíblia Sagrada.

O SR. PASTOR AMARILDO (PPB-TO. Pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente desta Casa, em exercício nesta sessão, Deputado Mauro Benevides; Sr. Ministro Aldo Fagundes, representando a Sociedade Bíblica do Brasil; Sr. Reverendo Amós Batista de Souza, Presidente do Conselho de Pastores do Distrito Federal; Sr. Pastor Severino Vilarindo Lima, Presidente do Conselho de Igrejas e Pastores, também do Distrito Federal; Sras. e Srs. Deputados; senhores pastores; queridos amigos e companheiros presentes, é uma honra estarmos aqui nesta manhã para, em nome do Partido Progressista Brasileiro e em nosso próprio nome, nesta homenagem à Bíblia Sagrada, cumprirmos o que é mais determinante na Lei de Deus: amar a Deus sobre todas as coisas.
Não poderia iniciar meu discurso sem antes lembrar o Deputado que há quinze anos, com muita coragem, denodo e audácia, colocou a Bíblia Sagrada sobre esta mesa: Antonio de Jesus Dias. A partir de então, os homens desta Casa podem, a qualquer momento, consultá-la. E este exemplo está sendo seguido por Assembléias Legislativas, pela Câmara Distrital e pelas Câmaras de Vereadores de 5.507 Municípios no País. Que Deus seja louvado pela ação do companheiro Deputado Antonio de Jesus Dias.
Ao falar da Bíblia, lembramo-nos dos historiadores, filósofos e doutores antigos. Encontrei nesta manhã uma frase de D. Pedro II: "Eu amo a Bíblia. Leio-a todos os dias. E, quanto mais a leio, mais a amo. Há alguns que não gostam da Bíblia. Eu não os entendo, não compreendo tais pessoas. Eu amo a sua simplicidade, as suas repetições e reiterações da verdade. Leio-a cotidianamente e gosto dela cada vez que a leio".
George Washington, o primeiro Presidente dos Estados Unidos, teve a coragem e a audácia de dizer que "é impossível governar bem o mundo sem Deus e sem a Bíblia".
Muitos outros escritores se pronunciaram sobre o assunto, mas queremo-nos ater às palavras desses dois importantes homens. Um foi dirigente da maior potência mundial; o outro levou à independência o Estado brasileiro.
Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, senhores convidados, amar pressupõe conhecer. Somente pelo entendimento do objeto de nosso amor estaremos aptos a nos entregar a ele de forma consciente e conseqüente.
O mais sublime amor da criatura humana é aquele dirigido ao Criador. Adorar a Deus: eis o objetivo ao longo da passagem terrena. Conhecê-Lo: eis a grande, fascinante aventura. É do conhecimento que brotam a fé, a vivência espiritual e a submissão aos ensinamentos do Pai.
É por isso que o Profeta chegou ao ponto de dizer: "Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor". E nós não temos outra fonte, outra forma de conhecer a Deus a não ser pela Carta que Ele enviou ao homem, a Bíblia Sagrada.
O gesto de louvor da presente sessão é, assim, por si mesmo, a manifestação cabal dos que crêem, dos que vivenciam, dos que obedecem. Constitui, principalmente, o testemunho dos que amam a Deus, levados pelo único meio de obter esta graça: a compreensão do legado que nos deixou.
O ser humano vive tempos difíceis. No plano individual, impõem-se questionamentos de toda ordem, ao lado de influências nocivas ao meio, que nem sempre podem ser neutralizadas. Valores e relações são constantemente desafiados, a bem de uma cultura de massa que, no Brasil e fora dele, igualmente, privilegia o egoísmo, a insensatez, o hedonismo, a vaidade, a mercantilização, o supermaterialismo. No plano coletivo, deparamo-nos a todo instante com as turbulências econômicas, a crise social, o desemprego, a violência, o caos urbano, as guerras. Juntos, tantos e tão complexos fatores têm gerado angústias, medos e vícios, mazelas de uma época que aos poucos se desintegra, perdida pelos próprios avanços que conquistou.
Lembro aos queridos amigos e companheiros presentes a esta sessão e aos que a acompanham pelo Brasil afora a última profecia de Paulo, que dizia que nos últimos dias haveríamos de ter tempos trabalhosos, homens amantes de si mesmos, avarentos, profanos. Este é o sinal de que estamos vivendo a última hora.
Mais do que nunca, Deus, que é origem, é também o bálsamo, o alento, o antídoto, a força, a paz, a proteção, é a Santa Palavra, matéria-essência da Bíblia, o nosso bem maior, recurso supremo na busca da felicidade.
A Bíblia é uma fonte transcendental, que nos embebe, todos os cristãos, da absoluta sabedoria, da perfeita interpretação tanto do Pai quanto do Filho, o Cristo, o Nazareno, Deus encarnado em nossa miséria. Feito homem, Ele salvou o homem de si mesmo, há 2 mil anos, conforme está nos Evangelhos do Novo Testamento escritos por Mateus, Marcos, Lucas e João. Este último, João, chegou ao ponto de dizer o Verbo encarnado.
As Escrituras são, antes de mais nada, documentais, relatos de passagens do ministério, dos milagres e da pregação do Senhor Jesus, o Verbo da maneira como proferido. Nas Escrituras, a dimensão do humano adentra os limites da divindade. É aqui que encontramos respostas às nossas dúvidas mais cruciais; que superamos nossas angústias, sendo a morte a pior delas; que nos transportamos ao Paraíso, onde reina a Glória; que nos deixamos iluminar e aquecer pela chama de justiça, amor e bondade, que não se apagará jamais.
A Bíblia, a rigor, não é um livro, mas um conjunto de livros, escritos em diferentes ambientes, línguas e momentos, por diferentes "escritores". O primeiro deles foi o Livro do Gênesis, parte do Pentateuco, os cinco livros atribuídos a Moisés.
Diante de tanta adversidade, é de fato impressionante, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, que o texto bíblico tenha chegado até nós, perpassando eras, povos e culturas. Os primeiros cristãos, vítimas das mais violentas perseguições, dispersaram-se, mantendo-se porém unidos pela Santa Palavra. E Ela permaneceu. Depois, no decorrer dos séculos, a Bíblia subsistiria, não como relíquia ou curiosidade, mas como referência inesgotável de vida, sempre atual, sempre firme, independentemente dos passos da ciência ou das convulsões da modernidade. Ela sempre, por si só.
Estamos, com certeza, diante de um grande fenômeno, apenas explicável pela fé, em todos os seus modos e com todos os seus ritos, a fé dos nossos ancestrais, bem como de nossos pósteros. Só ela poderia tornar-se, como através dos tempos se tornou, a guardiã desta que representa o maior patrimônio da história do homem: a Bíblia Sagrada.
Às atuais gerações cabe dar seguimento a essa missão, por meio da obra de evangelização, seja no Brasil, seja no mais recôndito lugar, no mais esquecido grupo humano do Planeta. Daí a importância desta homenagem, ínfima centelha que ajudará a manter resplendente o amor ao Pai, mostrando o caminho até Ele, a própria Palavra.
São estas as palavras ditas pela minha crença, que trago neste momento, em nome do meu partido, o PPB, e em meu próprio.
Senhoras e senhores, lembrar o que seja a Bíblia para o homem é lembrar o que diz o próprio João no seu Evangelho: "No princípio era o Verbo" — no princípio era a Palavra. "E o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus" — tudo foi feito por Ele. E sem Ele nada do que foi feito se fez.
Esta Palavra encarnada trouxe ao homem a condição de conhecer o Salvador. Daí por que Deus exclamar por várias vezes a vontade que Ele tem de que o homem O conheça por meio da sua Palavra, a Palavra que hoje nós chamamos de Bíblia, que outrora era o próprio Senhor Jesus e futuramente também será o próprio Senhor Jesus, como está escrito em 19,13 do Apocalipse: "E ele estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus".
A Palavra era, a Palavra é, a Palavra será sempre o Deus encarnado. Por isso, eu quero dizer aos amigos que nos assistem, aqui e pelo Brasil afora, que conheçam a Palavra, que conheçam o desejo de Deus para a sua vida, que atentem para o que diz o próprio evangelista João: "E conhecereis a Verdade, e ela vos libertará."
Deixo a todos os senhores pastores meus cumprimentos pelo denodo com que têm levado a Palavra de Deus avante. Sou também um pastor e quero dizer da minha alegria ao nosso querido Ministro Aldo Fagundes, o representante da Sociedade Bíblica Brasileira. Que continue nessa fé viva de levar aos lugares mais ocultos e mais difíceis a Palavra do Deus vivo em um Estado em que temos trabalhado para que tudo isso aconteça.
Que Deus os abençoe.
Meu muito obrigado.



HOMENAGEM, BÍBLIA.
oculta