CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 206.2019 Hora: 21h24 Fase:
  Data: 06/08/2019

Sumário

Posicionamento do orador contrário à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição nº 6, de 2019, sobre a reforma do sistema previdenciário. Orientação de bancada na votação do requerimento de adiamento, por 5 sessões, da votação da matéria em segundo turno.

 O SR. IVAN VALENTE (PSOL - SP. Como Líder. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, como nós estamos vendo aqui no painel, possivelmente o Governo não vai fechar esta discussão hoje. Mas nós temos a obrigação de explicitar para o povo brasileiro o que está acontecendo nesta Casa.
Esta Casa ficou paralisada para votar a reforma da Previdência, enquanto o Presidente da República mentia para o povo, fazia insultos e mostrava total desrespeito aos cidadãos brasileiros. O Presidente da República defende a tortura, o assassinato político, a ditadura militar, a destruição do meio ambiente e da educação pública e a privatização de todo o patrimônio público do País.
Hoje mesmo nós estivemos com o Ministro da Ciência e Tecnologia e com o Presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT, e, na hora do debate, eles disseram, sob pressão dos Deputados, que não havia nada resolvido em relação à privatização dos Correios. Mas, no mesmo instante, em São Paulo, Bolsonaro estava dizendo que estava decidida a privatização dos Correios, que conta hoje com 117 mil trabalhadores.
Na aprovação da reforma da Previdência houve, evidentemente, o massacre midiático e a costura feita através de um acordo no qual se utilizou dinheiro público - está aí o PLN de 3 bilhões, para a distribuição de emendas. Isso tem nome; era "toma lá, dá cá", como se falava aqui; era corrupção, compra de votos. Foi isso que aconteceu aqui no primeiro turno e que agora continua acontecendo.
Há alguns arredios por aí para os quais a emenda não chegou, o cargo não chegou ainda. Mas o importante é o conteúdo. A reforma serve para quê? Serve para privatizar o sistema público de proteção social do nosso País. É para isso que essa reforma está sendo feita, é para isso que ela é apoiada pelo mercado financeiro. É por isso que os homens da XP recebem o Dallagnol. Os homens do banco Itaú dizem: "O Bolsonaro pode fazer qualquer insanidade, qualquer loucura, desde que ele passe a reforma da Previdência, desde que ele toque as privatizações e cumpra a agenda neoliberal no nosso País".
É por isso que nós estamos aqui para alertar o povo brasileiro. As contas vão ser feitas. Todo trabalhador, do setor público ou do setor privado, foi sacrificado, principalmente os pobres da Nação brasileira, tanto é que o outro lado não tem coragem de negar o imenso sacrifício do povo brasileiro, de quem ganha de um a dois salários mínimos, mais ainda através do abono salarial, através dos 80% ou 100% dos maiores salários na contribuição, assim como a pensão por morte, assim como as diversas maldades que estão colocadas, inclusive em relação ao trabalho nocivo, insalubre, perigoso, que não tem mais idade - não tem mais idade! Então, não valem mais os 20 anos, os 15 anos.
Isto aqui se chama volta ao regime de escravidão. O povo brasileiro vai entender isso quando o benefício cair, quando ele perceber quantos anos a mais terá que trabalhar. E esses Deputados que estão aqui votando a favor da reforma em troca de emendas e de cargos terão que dar satisfação ao povo brasileiro.
Nós da Oposição estamos aqui para dizer "não", de peito aberto. Somos contra essa reforma da Previdência, que é contra o povo trabalhador brasileiro.


ORIENTAÇÃO DE BANCADA, REQUERIMENTO DE ADIAMENTO DA VOTAÇÃO, PEC 6/2019, PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO, REFORMA PREVIDENCIÁRIA (2019), SEGUNDO TURNO, PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE (PSOL). JAIR BOLSONARO, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, PRIVATIZAÇÃO, PREVIDÊNCIA SOCIAL, EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS (ECT), CRÍTICA. LIBERAÇÃO, EMENDA AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA, DEPUTADO FEDERAL, VOTO FAVORÁVEL, REFORMA PREVIDENCIÁRIA (2019), PREJUÍZO, TRABALHADOR, POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA, CRÍTICA.
oculta