CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 2.2020 Hora: 19h12 Fase:
  Data: 04/02/2020

Sumário

Regozijo da oradora com a assunção da Liderança do PSOL na Câmara dos Deputados. Razões do caos no atendimento a trabalhadores pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. Contrariedade à privatização da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social - DATAPREV. Apoio à greve dos petroleiros. Repúdio ao ataque do Secretário Especial de Comunicação Social à cineasta Ana Petra Costa. Prática de crime de peculato pelo Titular da Pasta. Protesto contra a decisão do Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de retirada do nome do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como o chefe do escritório do crime, da lista dos criminosos mais procurados pela Justiça. Envolvimento do Ministro do Turismo no chamado laranjal do PSL. Envolvimento de membros da família do Presidente Jair Bolsonaro em escândalos.

 A SRA. FERNANDA MELCHIONNA (PSOL - RS. Como Líder. Sem revisão da oradora.) - Boa noite, Presidente. Boa noite a todos e todas.
Quero dizer que é um enorme orgulho assumir a Liderança do Partido Socialismo e Liberdade, um partido que tem uma das únicas bancadas, senão a única, com paridade de gênero. E nós combinamos ter uma lógica de revezamento que leve em consideração, obviamente, que as nossas mulheres, as nossas líderes da luta das mulheres, também possam liderar o conjunto da atividade partidária aqui na Câmara do Deputados.
E, ao mesmo tempo em que eu tenho esse orgulho, é um desafio representar uma bancada tão plural, composta por combativos companheiros, como o Deputado Edmilson Rodrigues, como o Deputado Marcelo Freixo, como o nosso Líder até hoje, o Deputado Ivan Valente, a Deputada Sâmia Bomfim, a Deputada Luiza Erundina, a Deputada Áurea Carolina, a Deputada Talíria Petrone, o nosso querido Deputado David Miranda e o nosso Deputado Glauber Braga, que são Deputados e Deputadas conectados com a luta do nosso povo, ainda mais neste momento que nós estamos vivendo no nosso País, em que temos muitas crises marcando o início do ano no Brasil.
A primeira delas, muito já foi falado, são as filas quilométricas no INSS, filas causadas, por um lado, pelo desmonte, pela ausência de concurso público, pelo sucateamento das nossas agências, Deputada Benedita, e, por outro lado, pela correria do nosso povo, diante do vigor da reforma da Previdência, absurda, que retirou direitos, aumentou as alíquotas, dificultou as aposentadorias.
E não é à toa que, por causa de uma das denúncias feitas pela nossa bancada, foi aberta uma ação civil pública pelo Ministério Público Federal: a denúncia da compra de votos - os 444 milhões de reais dos cofres do povo brasileiro usados para comprar votos de Parlamentares para atacar os direitos do povo.
Infelizmente, nós começamos este ano com muitas ameaças. É o caso da privatização da DATAPREV, que coloca em risco a segurança dos dados e também os empregos. E, por isso, têm toda a nossa solidariedade os trabalhadores que estão em greve, assim como os trabalhadores da PETROBRAS.
O ano começa com um ataque brutal da SECOM - Secretaria de Comunicação a Petra Costa e seu documentário, indicado ao Oscar. E o Secretário deveria estar respondendo por uma questão gravíssima. Ele era a porta de entrada e também a porta de saída, como Secretário de Comunicação, uma vez que tinha uma empresa que recebia valores das emissoras contratadas pelo Governo e mentia nos registros públicos, o que representa peculato.
Começamos este ano de forma gravíssima, com o Ministro da Justiça retirando o chefe do Escritório do Crime, o Adriano da Nóbrega, da lista dos criminosos mais procurados, porque parece, Deputada Maria do Rosário, que, para o Governo Bolsonaro, bandido bom é bandido amigo. Por isso o Ministro do Turismo, envolvido no laranjal do PSL, segue Ministro, mesmo com inquéritos, mesmo respondendo por três crimes com relação ao uso da verba partidária para a sua candidatura, verba que deveria ter sido destinada para as mulheres. Tanto bandido bom é bandido amigo que nós temos, não só no Governo, mas também na própria família de Bolsonaro, escândalos gravíssimos. E eu não quero crer que a Polícia Federal esteja fazendo vistas grossas a 2,3 milhões de reais em denúncias concretas de lavagem de dinheiro.
Aliás, nós queremos saber cadê o Queiroz e toda essa catrefa e essa maracutaia que envolve uma relação promíscua não só de mandato, entre rachadinhas, mas também uma relação promíscua com as milícias, uma verdadeira organização criminosa.
Então, nós começamos o ano com muito espírito de luta, com muito espírito de resistência e com a certeza de que precisamos lutar pelos direitos do povo brasileiro e em defesa das liberdades democráticas.


FERNANDA MELCHIONNA, LÍDER DO PARTIDO, BANCADA PARLAMENTAR, PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE (PSOL). INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL (INSS), LISTA DE ESPERA, ATENDIMENTO AO PÚBLICO, REFORMA PREVIDENCIÁRIA (2019), INVESTIGAÇÃO, MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, GOVERNO FEDERAL, APOIO POLÍTICO, BANCADA PARLAMENTAR, COMPRA, PRIVATIZAÇÃO, EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL (DATAPREV). SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (SECOM), PETRA COSTA, CINEASTA, FILME DOCUMENTÁRIO. ADRIANO DA NÓBREGA, EX-POLICIAL MILITAR, MILÍCIA PRIVADA, MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA, GOVERNO FEDERAL, CRÍTICA, CANDIDATURA-LARANJA, PARTIDO SOCIAL LIBERAL (PSL), ELEIÇÕES, FABRÍCIO QUEIROZ, EX-ASSESSOR PARLAMENTAR, MILÍCIA PRIVADA.
oculta