CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 14.2021 Hora: 21:32 Fase: OD
Orador: FERNANDA MELCHIONNA, PSOL-RS Data: 08/03/2021

 A SRA. FERNANDA MELCHIONNA (PSOL - RS. Sem revisão da oradora.) - Deputada Flávia Arruda, que preside a sessão neste dia 8 de março, quero dizer que eu ouvi atentamente as explanações anteriores sobre a emenda do PSB. A emenda do PSOL é parecida, embora ela aumente o prazo de suspensão do pagamento do consignado.
Eu fico chocada com alguns argumentos. O Brasil vive a pior pandemia da nossa história. Nos últimos 10 dias, nós tivemos recordes de mortes. Vivemos uma crise sanitária sem precedentes, que o negacionismo do Bolsonaro potencializa, e uma crise econômica profunda. Inclusive, medidas econômicas anteriores à pandemia, como a PEC do Teto, a reforma trabalhista e a reforma da Previdência, potencializaram a crise econômica. Agora, com a pandemia, o Brasil está numa situação extremamente grave. Com a perda de quatro pontos percentuais no PIB, ele deixou de ser uma das dez maiores economias do mundo. Nós tivemos o quinto aumento do diesel e do combustível em menos de 2 meses. Ao mesmo tempo, o povo está pagando caro pelo arroz. O índice de desemprego está batendo recorde, atingindo de maneira desigual o povo, sobretudo as mulheres, as mulheres negras, as mulheres pobres, porque a pandemia também aumenta as vulnerabilidades. Nós estamos vivendo uma situação em que as pessoas não estão conseguindo comprar carne.
Apesar disso tudo, o problema do Brasil é suspender o consignado dos aposentados durante um prazo de carência, coisa que vários países fizeram?! Pelo amor de Deus! Nós temos a farra dos bancos no País: no meio da pandemia, os cinco maiores bancos ganharam 53 bilhões de reais de lucro, de lucro declarado, e mais 325 bilhões de reais de uma dívida pública nunca auditada. Enquanto ocorre a farra dos banqueiros, os bancários sofrem no calvário, pegando, nas longas jornadas, em muitos casos, COVID, porque as agências também têm sido um foco de contaminação.
Ao suspender o pagamento dos consignados, nós estamos garantindo um direito para os aposentados mais pobres, que estão tendo dificuldades de pagar suas contas. E não se trata de uma moratória, mas, sim, de um protelamento do pagamento da dívida, inclusive para que esses aposentados possam viver, possam comprar remédios, possam se alimentar, possam também colocar recursos na economia. Não dá para aceitar essa lógica de "bolsa-banqueiro" que persiste no País.
A nossa emenda segue o intuito do PL 1.328, aprovado em abril, por ampla maioria, no Senado. Infelizmente, esta maioria ultraliberal da Câmara dos Deputados não quer dar direitos aos aposentados nem garantir que os nossos trabalhadores e trabalhadoras saiam desta crise pesadíssima e tenham mais condições de compra. Isso é lamentável. Espero que, no destaque do PSOL, esse placar mude.