CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 014.4.55.N Hora: 00:00 Fase:
Orador: Data: 17/10/2018

O SR. JOÃO DANIEL (PT - SE. Para uma breve comunicação. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, primeiro, eu queria saudar a todos os agentes comunitários de saúde do Brasil inteiro, os agentes comunitários de saúde e agentes comunitários de endemias do Brasil inteiro, em especial, os sergipanos e sergipanas.
Quero dizer que, em todas as matérias que tratam de temas de interesse dessa importante categoria, que são os agentes comunitários de saúde e os agentes de endemias, nós estivemos presentes.
O nosso mandato sempre teve e tem compromisso com essa categoria e teve conquistas importantes no Governo do Presidente Lula, no Governo do Partido dos trabalhadores.
Estamos aqui mais uma vez para esse compromisso da derrubada do Veto 32, para que haja uma melhora, no sentido salarial, com regras de normas para melhorar a vida desses grandes brasileiros e brasileiras que fazem verdadeiramente a saúde preventiva, a saúde pública brasileira.
Sr. Presidente, nós estamos vivendo um momento importante no Brasil, o momento de uma eleição que vai para o segundo turno.
Quero parabenizar o povo sergipano, que levou para o segundo turno, com uma votação grande, o nosso candidato a Governador Belivaldo Chagas, que ajudou a eleger uma grande bancada estadual - entre os nossos membros da bancada estadual estão dois companheiros Parlamentares do Partido dos Trabalhadores -; pela nossa reeleição como Deputado Federal e pela eleição do Senador Rogério Carvalho, Presidente do nosso Partido, um grande Parlamentar que já foi desta Casa e irá para o Senado, cumprir a missão de representar o povo sergipano pelos próximos oito anos.
Quero parabenizar o povo sergipano porque, das 75 cidades, dos 75 Municípios, 74 deram a vitória a Fernando Haddad. Nós precisamos concretizar este projeto para a Nação brasileira.
O Brasil inteiro provavelmente não terá oportunidade de conhecer o candidato que, neste momento, representa o que há de mais atrasado na história política brasileira. Esse candidato não pode ir aos debates porque, se ele for para os debates, ele se desmancha, pela contradição e pela sua história. É uma história que representa o voto contra o trabalhador; é uma história que representa o voto contra o povo brasileiro; é o voto que representa contra o Bolsa Família, um grande programa criado para as mães que não tinham dinheiro para comprar a alimentação, os livros e cadernos para estudar, criado pelo Presidente Lula e aprovado pelo Congresso Nacional sem o voto desse candidato. Porque pobres, negros, mulheres, gays, lésbicas e LGBTs, para ele, é aquilo que ele falou em São Paulo, quando visitou um quilombo, onde disse publicamente, fazendo questão de expressar a sua opinião preconceituosa, nazista e fascista, que os negros brasileiros dos quilombos não serviam nem para procriar; pesavam mais de 7 arrobas; eram improdutivos. Essa é a visão desse candidato sobre o povo negro, sobre as mulheres, sobre os grupos LGBTs do nosso País.
Por isso, há um risco muito grande com o qual este Congresso Nacional e nós, que fomos reeleitos, teremos que nos deparar nesses próximos dez dias que faltam para a eleição - menos de dez dias. Ou o Brasil terá mais democracia, ou o Brasil terá um projeto de reorganização deste País que foi inviabilizado por este governo golpista, ou nós teremos o retrocesso, a miséria e a violência tomando conta, até porque esse candidato é financiado e bancado pelas empresas e pela indústria das armas.
Por um Brasil livre, Haddad Presidente!