Enquete do PLP 277/2008

Resultado

Resultado parcial desde 03/05/2018

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 29 78%
Concordo na maior parte 4 11%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 0 0%
Discordo totalmente 4 11%

Resultado na metodologia anterior Sobre Resultado na metodologia anterior?

Resultado parcial desde 03/05/2018

Representação dos dados do gráfico em forma de tabela
Opção Participações Percentual
Concordo 3 100
Discordo 0 0

O que foi dito

Pontos mais populares

A proposta foi feita em 2008! Seria importante que grandes fortunas realmente contribuissem. É uma ótima forma de distribuição de renda e não gera impacto para que já sobrevive no limite.

Ricardo Biloti 07/05/2019
6

A taxação entre 1% e 5% para pessoas com patrimônio superior a R$ 2 milhões é muito suave. Poderiam propor taxação maior aos patrimônios maiores que 5 ou 10 milhões.

TANIA BEZERRA 09/10/2019
6

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 7 de 7 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: Este imposto ja deveria ter sido regulamentado a muito tempo. Mas nao é de interesse da elite

    Adalberto Chaves 03/01/2023
    0
  • Ponto negativo: Adeus investidores e seus investimentos

    JANE DANIELA CUNHA 22/12/2022
    0
  • Ponto positivo: Totalmente favorável. É um imposto previsto na Constituição Federal de 1988 que até hoje não foi regulamentado (!). Os mais ricos podem e devem colaborar com os mais necessitados. Somos todos filhos de Deus . A questão sobre os percentuais e limites de valores podem ser discutidos, mas considerando que muita gente ganha um salário mínimo para sobreviver e o alto índice de desempregados no Brasil, a regulamentação proposta precisa urgentemente ser aprovada. Parabéns à autora desse Projeto.

    Carlos Eduardo de Souza 16/05/2022
    0
  • Ponto positivo: Certamente, isso aflige muitos banqueiros, mas é uma maneira justa de vermos REALMENTE uma distribuição das riquezas obtidas em nossa própria terra-Brasil, sem envolver mais impostos de outras pessoas que quase não fazem para o próprio sustento

    VALTER CESAR ANTUNES 05/11/2019
    2
  • Ponto negativo: A taxação entre 1% e 5% para pessoas com patrimônio superior a R$ 2 milhões é muito suave. Poderiam propor taxação maior aos patrimônios maiores que 5 ou 10 milhões.

    TANIA BEZERRA 09/10/2019
    6
  • Ponto positivo: Poderia recolher fundos para muitas áreas e pautas importantes, como Educação, Meio Ambiente e Saúde

    TANIA BEZERRA 09/10/2019
    4
  • Ponto positivo: A proposta foi feita em 2008! Seria importante que grandes fortunas realmente contribuissem. É uma ótima forma de distribuição de renda e não gera impacto para que já sobrevive no limite.

    Ricardo Biloti 07/05/2019
    6
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  5. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.