Enquete do PL 1202/2007

Resultado

Resultado parcial desde 06/04/2018

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 8 18%
Concordo na maior parte 12 27%
Estou indeciso 1 2%
Discordo na maior parte 2 5%
Discordo totalmente 21 48%

Resultado na metodologia anterior Sobre Resultado na metodologia anterior?

Resultado parcial desde 06/04/2018

Representação dos dados do gráfico em forma de tabela
Opção Participações Percentual
Concordo 3 38
Discordo 5 62

O que foi dito

Pontos mais populares

Poderá acabar com o tráfico de influência previsto no artigo 332 do nosso código penal; Os vários segmentos da sociedade poderão se articular em interesses para o bem comum; Não apenas nos meios políticos ou jurídicos, mas todos os segmentos

Muka Araújo 28/10/2019
3

Quem irá escolher qual grupo lobista poderá participar? Isso é um grande engodo. Chega .

Kátia Landi 14/09/2020
0

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 7 de 7 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: O ponto positivo é que trará mais transparência às relações entre os lobistas e os políticos. Nos países avançados como nos EUA e na UE (OCDE) políticos receberem dinheiro não é necessariamente corrupção. Se um deputado a favor das armas por exemplo, recebe dinheiro de indústria de armas para votar, isto não é corrupção pois o dinheiro é declarado e a ideologia do congressista é semelhante a de quem está recebendo dinheiro. Assim como advogados e sindicalistas recebem os políticos também podem.

    Chester M. Pelegrini 17/01/2023
    0
  • Ponto negativo: Legalização da Improbidade e a corrupção ativa e passiva.

    Junior Siqueira 22/11/2022
    0
  • Ponto negativo: Chega de aumentar o poder do Estado! Chega de regulamentação.

    João Victor 22/04/2021
    0
  • Ponto negativo: ESSE PROJETO LEGALIZA E NORMATIZA A CORRUPÇÃO. ABSURDO!!!!

    FLAVIA VENDRAME 15/09/2020
    0
  • Ponto negativo: É UM PROJETO QUE ACABA COM A VIDA DO CIDADÃO COMUM, DE AUTORIA DE UM PETISTA, QUE SÓ BENEFICIA A ESQUERDA, OU SEJA BENEFICIA UM DETERMINADO GRUPO. VAI CRIAR ESQUEMAS DE CREDENCIAMENTO PARA LOBISTA, E QUE VAI DETERMINAR O CREDENCIAMENTO SERÁ A ESQUERDA, OU SEJA, SÓ UM LADO DETERMINARA QUEM PODE SER LOBISTA OU NÃO! ESSE PROJETO FOI CRIADO EM 2007 PARA LEGALIZAR O MENSALÃO POR UM PETISTA CHAMADO CARLOS ZARATINI.

    GERYLANE M FIGUEIRA 14/09/2020
    0
  • Ponto negativo: Quem irá escolher qual grupo lobista poderá participar? Isso é um grande engodo. Chega .

    Kátia Landi 14/09/2020
    0
  • Ponto positivo: Poderá acabar com o tráfico de influência previsto no artigo 332 do nosso código penal; Os vários segmentos da sociedade poderão se articular em interesses para o bem comum; Não apenas nos meios políticos ou jurídicos, mas todos os segmentos

    Muka Araújo 28/10/2019
    3
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. EMP 17 => PLP 68/2024

    Institui o Imposto sobre Bens e Serviços - IBS, a Contribuição Social sobre Bens e Serviços - CBS e o Imposto Seletivo - IS e dá outras providências.

  2. INC 773/2024

    Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Defesa, Sr. JOSÉ MUCIO MONTEIRO FILHO, a elaboração de projeto de lei que cria o Quadro Especial de Graduados da Marinha.

  3. PL 3010/2019

    O Projeto de Lei 3010/19 institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Fibromialgia. A doença, caracterizada por dores constantes em todo o corpo, afeta nervos e músculos, fazendo com que o cérebro não consiga filtrar a dor. A proposta, do deputado Dr. Leonardo (Solidariedade-MT), tramita na Câmara dos Deputados. Entre as diretrizes da política estão o atendimento multidisciplinar e o estímulo à pesquisa científica para dimensionar a magnitude da doença no Brasil. Segundo o deputado, que é médico, o tratamento dos pacientes exige medicação contínua com antidepressivos e neuromoduladores, e exercícios de três a cinco vezes por semana, além de acupuntura, massagens, infiltração de anestésicos e acompanhamento psicológico. “A realização do tratamento requer, portanto, que o paciente disponha de tempo suficiente e recursos, pois o Sistema Único de Saúde (SUS) não dá cobertura a todas essas atividades”, afirma Dr. Leonardo. O projeto considera ainda quem tem fibromialgia como pessoa com deficiência para todos os efeitos legais. A falta dessa classificação, segundo o parlamentar, tem causado inúmeros transtornos a essas pessoas, “especialmente no que tange à concessão de benefícios”. Isenção IR O texto também altera a Lei 7.713/88, que trata do Imposto de Renda, para incluir as pessoas com fibromialgia entre os beneficiários da isenção do tributo. Hoje, a norma concede isenção para pessoas acometidas de doenças graves, como neoplasia maligna (câncer), cegueira, hanseníase e tuberculose. Tramitação A proposta tramita em caráter conclusivo nas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  4. PL 2650/2024

    Altera a Lei nº 10.855, de 1º de abril de 2004, que dispõe sobre a reestruturação da Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26 de dezembro de 2001, instituindo a Carreira do Seguro Social, e dá outras providências, para dispor sobre a alteração do requisito de entrada para o cargo de Técnico do Seguro Social e reconhecer as atribuições da carreira do Seguro Social como exclusivas e essenciais ao Estado.

  5. PL 1904/2024

    O Projeto de Lei 1904/24 equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive no casos de gravidez resultante de estupro. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Código Penal, que hoje não pune o aborto em caso de estupro e não prevê restrição de tempo para o procedimento nesse caso. O código também não pune o aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante.  Com exceção desses casos em que não há punição, o código prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.  Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a  mesma prevista para o homicídio simples.  Justificativa O texto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e outros deputados. Segundo os parlamentares, quando o Código Penal foi promulgado, “se o legislador não colocou limites gestacionais ao aborto, não foi porque teria querido estender a prática até o nono mês da gestação”.  “Em 1940, quando foi promulgado o Código Penal, um aborto de último trimestre era uma realidade impensável e, se fosse possível, ninguém o chamaria de aborto, mas de homicídio ou infanticídio”, apontaram os autores da proposta. O projeto foi apresentado no mesmo dia em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para proibir a realização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez após 22 semanas de gestação. A técnica utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Circunstâncias individuais De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme o exigirem as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária. Tramitação A proposta ainda não foi distribuída às comissões da Câmara, mas poderá ser votada diretamente pelo Plenário caso requerimento de urgência do deputado Eli Borges (PL-TO) e outros seja aprovado.  Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. INC 1068/2024

    Requer o envio de Indicação ao Excelentíssimo Ministro da Defesa, senhor José Mucio Monteiro Filho, em que propõe análise acerca da situação de militares do Quadro Especial do Exército, em busca de correções normativas para corrigir disparidades.