Enquete do PL 337/2022

Resultado

Resultado parcial desde 23/02/2022

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 20 21%
Concordo na maior parte 1 1%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 1 1%
Discordo totalmente 73 77%

O que foi dito

Pontos mais populares

Ary Fruto, parece que não concluiu o ensino fundamental. Metade de Mato Grosso está no bioma amazônico, naturalmente coberto por floresta! E, não esqueça o desastre climático que acontecerá se perdermos mais de 20% da floresta ao todo. Mas, provavelmente o sr. nega as mudanças climáticas e as melhores instituições científicas desse país. Então, o sr. nem mesmo merece opinar nesse assunto.

Protium 17/03/2022
7

Muitas das nascentes que formam vários rios da Amazônia ficam situados na área da atual Amazônia Legal no estado de Mato Grosso. Retirar o estado da Amazônia Legal irá gerar um desastre ambiental incalculável pois ira permitir que desmatamentos de áreas maiores para plantio de alimentos que não alimentam os brasileiros, além afetar diretamente a biodiversidade e contaminar as águas das nascentes dos principais rios. Isso é iniciar a morte da Amazônia.

Diones Krinski 11/03/2022
13

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 16 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: eu moro em guarantã do norte a ultima cidade da 163 e a vegetação aqui e cerrado . eu tenho 300 ha. de cerrado e so posso produzir em 60 ha isso e um absurdo, mas na hora de pagar os impostos tenho que pagar da area toda

    ORION CARLOS MUNARO 28/06/2023
    0
  • Ponto positivo: Moro num municipio com 62% do territorio ocupado com area protegida, dos 38% restantes 1 milhao de ha, 80% sao destinados à preservação privada (ARL) sobrando pra atividade economica, 200 mil ha, com 3 mil km de estradas, 4 mil alunos, 4 mil indios e 3500 familias cadastradas em programas sociais. resumindo: o municipio nao da conta de responder as demandas do seu povo com esse numero de area protegida. tem que sair da amazonia legal sim.

    Robervane Oliveira 18/04/2023
    1
  • Ponto negativo: Não se justifica pensando globalmente e climaticamemte em aumentar área de desmatamento. Otimizar racionalmente o que já é utilizado pela agroindústria é a saída. Inclusive exportações serão prejudicadas face as pressões externas contra o desmatamento. Totalmente correto. Que planeta vai sobrar para as futuras gerações?

    Martha Cheim Jorge 21/09/2022
    0
  • Ponto negativo: Esse projeto é um absurdo, só para aumentar o desmatamento , beneficiar alguns que não ligam para o meio ambiente, só querem plantar, aumentar mais doenças.

    Yasmin Martins 01/09/2022
    1
  • Ponto negativo: Primeiramente gostaria de registrar que não vai ser tirando MT da Amazônia Legal que o bioma passará a não existir mais em seu território. Segundo, diferente do que disse o Sr. Glaucio André, essa alteração implica em deixar de beneficiar nossas indústrias com as políticas de desenvolvimento regional via SUDAM, o que representa menor competitividade do estado no que tange atração de investimentos. Terceiro o mercado externo não olharia para nossos produtos com os mesmo olhos de hoje.

    Alexsandro da Silva 29/07/2022
    1
  • Ponto negativo: Aumenta o desmatamento na região para favorecer um setor que não alimenta a população e é voltado apenas para exportação.

    Antonio Luiz Bittencourt 07/07/2022
    1
  • Ponto positivo: Imagine vc poder usar apenas 20% da sua casa, mas ter que cuidar dela toda. Assim é o proprietário de uma área rural do bioma amazônico. Ninguém mais consegue sobreviver apenas com 20%.

    JAIR GONÇALVES ROCHA FILHO 15/06/2022
    3
  • Ponto positivo: A dinâmica ambiental do Brasil é um caos, a retirada do MT da Amazônia legal implicará no crescimento e desenvolvimento agroindustrial.

    Glaucio André 09/04/2022
    5
  • Ponto negativo: O PL gerará um impacto significativo permitindo o aumento do desmatamento em áreas do bioma amazônico, especialmente por permitir a redução das áreas de reserva legal. Vai de encontro com as políticas de combate às mudanças climáticas. Não faz sentido ser posto em pauta para votação.

    Daniel Medina Corrêa Santos 28/03/2022
    0
  • Ponto negativo: Reduzirá a área que tem de ser protegida nas propriedades rurais no estado Mato Grosso de 80% pra apenas 20%. Vai diminuir as chuvas no Brasil inteiro e estimulará a grilagem.

    Lucas Oliveira 20/03/2022
    1
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  5. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.