Enquete do PL 2295/2021

Resultado

Resultado parcial desde 23/06/2021

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 311 92%
Concordo na maior parte 4 1%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 2 1%
Discordo totalmente 21 6%

O que foi dito

Pontos mais populares

Irá ajudar muito na redução de custos para quem pretende se habilitar.

marcelo 06/01/2023
4

Já temos muito imposto a ser pagos esse seria uma isenção justa

weslei carvalho 06/01/2023
0

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 52 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: Vejo como positivo essa insenção, pois desta forma poderá puxar para baixo os preços cobrados pelos CFC's.

    Renato Batista da Silva 12/04/2023
    0
  • Ponto positivo: Essa isenção contribuiria para a manutenção de muitas empresas que atuam na área, o estado tem muitas exigências para com Empresas que diretamente presta serviço para o estado e não tem isenção alguma em impostos, dentre outras. A isenção de IPI assim como a Isenção do IPVA pois estes veículos não são de passei e sim prestam serviço para o estado, ajudaria muito até mesmo para a diminuição dos valores da Habilitação.

    VANESSA GARCIA 31/01/2023
    0
  • Ponto negativo: Só vai criar oportunidade para a autoescola comprar um carro a menor valor e vender mais caro, ou comprar carros para amigos.

    Danilo Cattani 12/01/2023
    0
  • Ponto positivo: Os CFC's poderão disponibilizar uma frota sempre em boas condições para o bom aprendizado dos candidatos à CNH.

    Rosimar Geraldo Lara 11/01/2023
    0
  • Ponto positivo: Troca muito justa de impostos, os veículos de auto escola são para atender ao público por meio de concessão e, consequentemente as aulas vão cair os preços e os alunos além de mais conforto, terão mais chances de aprovação no exame de direção por serem veículos novos. Parabéns aos deputados envolvidos nessa empreitada.

    Vante Macedo 11/01/2023
    0
  • Ponto positivo: Tinha que ter aprovado a muitos anos já que auto escola é para servir a comunidade

    Marco Aurelio Morandi 10/01/2023
    0
  • Ponto negativo: Não vi na lei nada que regule e proiba a criação de uma indústria de negociatas, como a que existe hoje com PCD, que virou uma máfia. Não sou contra a lei mas acho que é necessário um estudo bem mais aprofundado para não criar um mercado paralelo.

    Claudiner Correa Filho 10/01/2023
    0
  • Ponto positivo: a classe das autoescolas estão pedindo socorro para o governo pois prestam um serviço de alta qualidade a toda população e aos futuros motoristas

    Tom Bastos 10/01/2023
    0
  • Ponto positivo: TODOS OS CFS PRECISAM DE INCENTIVO GOVERNAMENTAL PARA SOBREVIVÊNCIA E ASSIM CONTINUAR NA EXCELÊNCIA EM FORMAÇÃO DE CONDUTORES!!

    Helbert José Dias 08/01/2023
    0
  • Ponto positivo: Facilatará as pessoas com menos condições que buscam se habilitar.

    mauricio soares 07/01/2023
    0
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  5. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.