Enquete do PL 3877/2020

Resultado

Resultado final desde 10/11/2020

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 5 13%
Concordo na maior parte 1 2%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 1 2%
Discordo totalmente 35 83%

O que foi dito

Pontos mais populares

Nenhum comentário positivo foi feito nessa enquete que não está mais vigente.

Mais um projeto que trata de financiar os lucros bilionários dos bancos com dinheiro público do povo.

Filipe Gomes 16/11/2020
4

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 11 encontrados.

Baixar
  • Ponto negativo: Resumindo... Vão pegar nosso dinheiro suado e distribuir ainda mais aos banqueiros que Já nos exploram. Você cidadão trabalhador anote o nome dos envolvidos e não se esqueça, vai ser importante na próxima eleição

    Eliane 11/06/2021
    2
  • Ponto negativo: Roubar do cidadão para enriquecer ainda mais a elite rentista que lucra as custas do sangue e suor do trabalhador, esse país é uma vergonha.

    Eliane 11/06/2021
    2
  • Ponto negativo: Com todo o respeito. Se entendi bem, os senhores deputados estão estimulando os bancos a roubarem mais o nossos dinheiro sem nos dar nada em troca? O que o povo ganha com isso. Vergonha...

    Leonardo 01/12/2020
    3
  • Ponto negativo: Os mais afetados pela sindemia, que precisam de crédito a juro baixo, políticas públicas e investimentos sociais, continuam desamparados, enquanto que os banqueiros enriquecem com nosso dinheiro, a dívida pública cresce, vários negócios falem, o desemprego aumenta, a inflação dispara, a crise socioeconômica alarga e o PL 3.877/2020 visa legalizar o uso abusivo, fraudulento e sem limite das operações compromissadas ao invés de barrá-lo e penalizá-lo.

    Marcos Figueiredo Teixeira Soares 28/11/2020
    3
  • Ponto negativo: É lamentável que diante de tantas necessidades da população brasileira seja feito um projeto para legalizar o roubo de dinheiro público pelos bancos. Quando que os senadores e deputados federais irão realmente trabalhar a sério e compromissados com o desenvolvimento do Brasil? Se esse projeto passar, não iremos esquecer os nomes de quem o aprovou.

    Eliane Gonçalves 23/11/2020
    3
  • Ponto negativo: É um escárnio o que estão fazendo com a população, agora veja você, eu deposito um valor no banco (Poupança), que diga-se de passagem está perdendo para a inflação, ai o banco deposita no banco central e que irá remunerar estes valores. Mas, da onde é que vem a remuneração se não da própria população? Ou seja, você deposita o seu dinheirinho suado na poupança, perde dinheiro e ainda é você quem paga a remuneração do seu próprio dinheiro.

    Joanir 18/11/2020
    4
  • Ponto negativo: É ASSALTO AO NOSSO DINHEIRO! SOU TOTALMENTE CONTRA ESSA EMENTA! CORRUPTOS!

    Thiago Santos 17/11/2020
    3
  • Ponto negativo: Bancos já veem sendo remunerados ilegalmente por depósitos voluntários com dinheiro dos rentistas e recebem em troca títulos da dívida pública. Esse projeto não é de hoje e estão tentando empurrar de todo jeito. Bolsa Banqueiro Não!! Dinheiro pra quem precisa não tem. Esse projeto de legalizar a prática da remuneração das sobras do caixas dos bancos não pode passar. Não está claro e com certeza é mais um enorme bônus pros banqueiros, donos do País. Desigualdade social cada vez mais aumentando.

    James Marques 17/11/2020
    3
  • Ponto negativo: Um projeto que beneficia somente bancos em detrimento da população. Um retrocesso.

    João Batista 17/11/2020
    2
  • Ponto negativo: Mais um projeto que trata de financiar os lucros bilionários dos bancos com dinheiro público do povo.

    Filipe Gomes 16/11/2020
    4

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.

  5. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  6. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei