Enquete do PL 2715/2020

Resultado

Resultado parcial desde 15/05/2020

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 3.043 93%
Concordo na maior parte 29 1%
Estou indeciso 3 0%
Discordo na maior parte 4 0%
Discordo totalmente 206 6%

O que foi dito

Pontos mais populares

Manutenção da soberania nacional e defesa do patrimônio público.

Rafael dos Santos Freitas 18/05/2020
34

Deveria ser um PL de suspensão definitiva

Sheyla Lima 19/05/2020
29

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 351 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: PRIVATIZAR OS CORREIOS É RUIM PARA POPULAÇÃO! Para a população vai trazer aumento de preços e piora dos serviços, com abandono das entregas em cidades pequenas e periferias das grandes cidadesfato é que o interesse de grupos privados é apenas por agências que abrangem capitais ou grandes municípios, que apresentam serviços superavitários, deixando de lado as agências localizadas em cidades onde a atividade não é lucrativa. Mais uma essas localidades são atendidas exclusivame pelos correios .

    Cleber Telles 12/10/2020
    1
  • Ponto positivo: Excelente proposta não é momento para privatizaçoes as empresas privadas têm que ser bem administradas e não vendidas.

    Jozi Quadros 28/09/2020
    0
  • Ponto positivo: Em um País com grande desigualdade Social; acabar com Empresas Públicas que atendem e prestam Serviços Universais a população; é um retrocesso.

    Alexandre Silva 24/09/2020
    0
  • Ponto positivo: não aprivatização !! correios é do povo é nosso .

    Fernanda Abranches 24/09/2020
    0
  • Ponto positivo: Nao eh nomento para isso! Sera que nao percebem que estamos em.uma pandemia e com grave crise institucional além da crise financeira que se apresenta??? Facam coisas para melhorar a vida das pessoas e nao para destruir o patrimonio do país!!!

    Gisele 23/09/2020
    1
  • Ponto positivo: é justo a preservação do patrimonio publico, e também é irresponsável a venda de bens do Estado em um momento onde os preços estão lá em baixo! Que sejam privatizadas com o mercado em alta e que seja pago o valor justo.

    Gabriel Martins 22/09/2020
    1
  • Ponto positivo: Mantém o patrimônio público, favorecendo a retomada de economia.

    Victor Rodrigues 22/09/2020
    1
  • Ponto positivo: Sem os serviços públicos, não desenvolvimento Social e econômico em um Pais. Portanto Desestatização, principalmente Empresas que dão Lucros não é o caminho correto.

    MARIO LUIS COSTA FILHO 22/09/2020
    1
  • Ponto positivo: Privatização de apenas setores que sabemos que não funciona

    Wilson Luiz Neves 05/09/2020
    1
  • Ponto negativo: Não vejo nada de ruim, pra mim a proposta é excelente. Melhor que isso seria se fosse um PL de suspensão definitiva.

    Lucas Coelho de Avila 03/09/2020
    6
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  5. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.