Enquete do PL 1142/2020

Resultado

Resultado final desde 30/03/2020

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 388 94%
Concordo na maior parte 9 2%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 2 0%
Discordo totalmente 16 4%

O que foi dito

Pontos mais populares

Os povos indígenas devem ser totalmente protegidos pelo Estado brasileiro.

Crenac Crenac 14/05/2020
72

Necessidade de inclusão de populações ribeirinhas tradicionais.

Fernanda da Silva 21/05/2020
14

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 41 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: O Projeto de Lei amplifica as medidas de proteção aos povos indígenas diante da COVID-19, que estão vulneráveis no contexto atual e com enfoque na preservação da integridade dos povos originários.

    Ingrid Tamura 16/06/2020
    0
  • Ponto negativo: a base estatística é uma fraude esse projeto visa levar mais dinheiro publico para quem não produz absolutamente nada. eles teriam mais recursos com a exploração de petróleo em suas terras!

    luiz adriano pereira de lima 16/06/2020
    0
  • Ponto negativo: As medidas buscam descaracterizar o povo brasileiro.

    Fernando Sousa 16/06/2020
    0
  • Ponto positivo: Atender as comunidades ribeirinhas que coexistem com comunidades indígenas e necessitam de atendimeno especial de saúde para enfrentamento à pandendemia da COVID 19.

    Ricardo Oliveira Freitas 13/06/2020
    0
  • Ponto negativo: os detalhes da PL vinculam à municipalização. Precisa-se estudar a fundo as propostas, pois da maneira que foram colocadas tornam-se inviáveis as execuções da atenção primária.

    Gleicy Paixão 12/06/2020
    0
  • Ponto positivo: As comunidades tradicionais são o berço da cultura brasileira, não podem ser marginalizadas e esquecidas pelo governo brasileiro.

    Matheus Félix de Melo Alves 10/06/2020
    0
  • Ponto positivo: Como população indígena, brasileira, dona desta terra é primordial receberem os cuidados essenciais por parte do governo. Não só eles, mas como outras populações que sofrem com a falta de políticas públicas a seu favor, e não só existir a proposta. Mas que ela seja REALMENTE implementada, fiscalizada, monitorada e reajustada atendendo as demandas necessárias.

    Josan Lima 10/06/2020
    0
  • Ponto positivo: Esse projeto precisa ser aprovado com urgência, para garantir proteção aos povos indígenas durante a pandemia.

    Bruno Lima de Souza 04/06/2020
    2
  • Ponto negativo: Necessidade de inclusão de populações ribeirinhas tradicionais.

    Fernanda da Silva 21/05/2020
    14
  • Ponto positivo: Povos indígenas aldeados e/ou não aldeados precisam de total amparo no cenário atual, pois constituem povos em situação de vulnerabilidade.

    Fernanda da Silva 21/05/2020
    3

Enquetes populares nesta semana

  1. EMP 17 => PLP 68/2024

    Institui o Imposto sobre Bens e Serviços - IBS, a Contribuição Social sobre Bens e Serviços - CBS e o Imposto Seletivo - IS e dá outras providências.

  2. PLP 68/2024

    Institui o Imposto sobre Bens e Serviços - IBS, a Contribuição Social sobre Bens e Serviços - CBS e o Imposto Seletivo - IS e dá outras providências.

  3. PLP 108/2024

    Institui o Comitê Gestor do Imposto sobre Bens e Serviços - CG-IBS, dispõe sobre o processo administrativo tributário relativo ao lançamento de ofício do Imposto sobre Bens e Serviços - IBS, sobre a distribuição para os entes federativos do produto da arrecadação do IBS, e sobre o Imposto sobre TransmissãoCausa mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCMD, e dá outras providências.

  4. PL 3010/2019

    O Projeto de Lei 3010/19 institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Fibromialgia. A doença, caracterizada por dores constantes em todo o corpo, afeta nervos e músculos, fazendo com que o cérebro não consiga filtrar a dor. A proposta, do deputado Dr. Leonardo (Solidariedade-MT), tramita na Câmara dos Deputados. Entre as diretrizes da política estão o atendimento multidisciplinar e o estímulo à pesquisa científica para dimensionar a magnitude da doença no Brasil. Segundo o deputado, que é médico, o tratamento dos pacientes exige medicação contínua com antidepressivos e neuromoduladores, e exercícios de três a cinco vezes por semana, além de acupuntura, massagens, infiltração de anestésicos e acompanhamento psicológico. “A realização do tratamento requer, portanto, que o paciente disponha de tempo suficiente e recursos, pois o Sistema Único de Saúde (SUS) não dá cobertura a todas essas atividades”, afirma Dr. Leonardo. O projeto considera ainda quem tem fibromialgia como pessoa com deficiência para todos os efeitos legais. A falta dessa classificação, segundo o parlamentar, tem causado inúmeros transtornos a essas pessoas, “especialmente no que tange à concessão de benefícios”. Isenção IR O texto também altera a Lei 7.713/88, que trata do Imposto de Renda, para incluir as pessoas com fibromialgia entre os beneficiários da isenção do tributo. Hoje, a norma concede isenção para pessoas acometidas de doenças graves, como neoplasia maligna (câncer), cegueira, hanseníase e tuberculose. Tramitação A proposta tramita em caráter conclusivo nas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  5. INC 773/2024

    Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Defesa, Sr. JOSÉ MUCIO MONTEIRO FILHO, a elaboração de projeto de lei que cria o Quadro Especial de Graduados da Marinha.

  6. PL 1904/2024

    O Projeto de Lei 1904/24 equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive no casos de gravidez resultante de estupro. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Código Penal, que hoje não pune o aborto em caso de estupro e não prevê restrição de tempo para o procedimento nesse caso. O código também não pune o aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante.  Com exceção desses casos em que não há punição, o código prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.  Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a  mesma prevista para o homicídio simples.  Justificativa O texto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e outros deputados. Segundo os parlamentares, quando o Código Penal foi promulgado, “se o legislador não colocou limites gestacionais ao aborto, não foi porque teria querido estender a prática até o nono mês da gestação”.  “Em 1940, quando foi promulgado o Código Penal, um aborto de último trimestre era uma realidade impensável e, se fosse possível, ninguém o chamaria de aborto, mas de homicídio ou infanticídio”, apontaram os autores da proposta. O projeto foi apresentado no mesmo dia em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para proibir a realização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez após 22 semanas de gestação. A técnica utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Circunstâncias individuais De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme o exigirem as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária. Tramitação A proposta ainda não foi distribuída às comissões da Câmara, mas poderá ser votada diretamente pelo Plenário caso requerimento de urgência do deputado Eli Borges (PL-TO) e outros seja aprovado.  Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei