Enquete do PL 4968/2019

Resultado

Resultado final desde 11/09/2019

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 123 65%
Concordo na maior parte 15 8%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 7 4%
Discordo totalmente 43 23%

O que foi dito

Pontos mais populares

Não há ponto positivo nessa Lei. É só mais uma forma de usar inadequadamente os recursos expropriados do contribuinte.

Thiago Juliano de Freitas Simeão 30/08/2021
14

Parece que é de graça, mas não existe coisa grátis. O custo para manter esse programa acaba saindo do bolso de todos os brasileiros, principalmente daqueles que seriam o alvo do PL. A melhor solução seria a redução/isenção de imposto sobre o produto, que atualmente é aproximadamente 1/3 do seu preço. Por exemplo, um pacote c/ 32 unidades custa R$ 8,70, em média. Sem imposto, o custo por unidade seria R$ 0,19. Assim, o produto seria mais acessível e todas que precisam dele seriam beneficiadas.

Paulo Miguel do Amaral Rosa 27/09/2021
11

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 30 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: No momento que estamos vivendo, só vejo pontos negativos.

    Félix Medeiros 11/10/2021
    0
  • Ponto negativo: Estamos saindo de uma pandemia que ainda está assolando a economia do mundo e quere aprovar um projeto desse agora, que só beneficia uma parte da população, é querer sangrar os cofres públicos. É pura irresponsabilidade aprovar isso agora, pois existem outros pontos mais críticos como alimentação, emprego e segurança, que merecem muito mais atenção nesse momento crítico que estamos passando.

    Félix Medeiros 11/10/2021
    0
  • Ponto positivo: Num país que tem provisão para gastar bilhões com fundo eleitoral e emendas parlamentares, acho justíssimo que se atente às necessidades básicas do cidadão menos favorecido.

    HEVERSON ELIZEU NAVARRO 11/10/2021
    0
  • Ponto negativo: NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS Diminuam os impostos sobre insumos ou acabe com eles. Dizer que significa a mulher isso é lorota!! Dizer que é pelo pobre é mentira!! Os impostos tirados pelo estado para financiar esse tipo de política barata só prejudica quem é pobre! Àqueles que mentem sobre acesso digno: doem seus salários para abrigos ou comprem absorventes e distribuam. Mas PAREM de achar que isso é obrigação do Estado! QUANTO MAIS ELE AVANÇA MAIS OS POBRES DE FATO SOFREM.

    Julieta Rocha 11/10/2021
    0
  • Ponto negativo: Projeto positivo, ainda mais partindo de alguém cujos correligionários vetaram projetos semelhantes enquanto governavam. Só deve indicar a fonte do custeio e o impacto nas contas públicas, pois está mal explicado.

    Antonio Cruz 11/10/2021
    0
  • Ponto positivo: Estamos atrasados nesse aspecto. Deveria estar desde 2013, quando a Dilma vetou exatamente esse dispositivo na Lei 12.839 (MP 609). O mesmo se repetiu na cidade de São Paulo, com Fernando Haddad, que vetou o projeto de lei 55/2013. Bolsonaro deveria sancionar agora, mas para isso o projeto deve, realmente, indicar a fonte do custeio.

    Antonio Cruz 11/10/2021
    0
  • Ponto negativo: Acredito que o projeto deveria ser demandado para os municípios, havendo o controle dele por cada prefeitura e câmara de vereadores. Algo que deveria ficar muito claro é que o absorvente é destinado exclusivamente a meninas pertencentes a famílias em vulnerabilidade social. De forma que famílias que tenham a condição de adquirir os absorventes não sejam beneficiadas por essa medida.

    Hudison Viturino 09/10/2021
    0
  • Ponto positivo: Por que a lei não seria válida? Absorvente é saúde pois a higiene está totalmente integrada à mesma. Se camisinha é distribuída gratuitamente por que absorvente não pode? Aliás, nem seriam para todas as mulheres pois a lei visa beneficiar somente aquelas que não possuem renda para tal gasto.

    Felipe Braga 08/10/2021
    0
  • Ponto positivo: Igualmente de gênero é permitir que as mulheres tenham os mesmos acessos a escola, assiduidade em ambientes dignos de seu desenvolvimento pessoal e profissional. Isso é saúde pública, algo necessário e urgente! Se nossos impostos fossem utilizados de forma honesta, não faltaria dinheiro nenhum para um projeto desse!

    Rayssa Pereira Zuccon Martins 08/10/2021
    0
  • Ponto negativo: Nosso país está tomado por bandidos, não há preocupação c a população, a maioria, se não todos os políticos, se acham acima de todos e a mente deles, matutam 24 horas uma forma de desvio do $$ dos nossos impostos. Não há atualmente nenhuma medida aprovada pela câmara e senado em prol da população. Apenas conchavos para se perpetuarem no poder. Essa lei não passa de mais um lobbi entre tantos, onde os beneficiados são os empresários do setor e os políticos envolvidos na aprovação.

    Walter Lima 08/10/2021
    0

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 2650/2024

    Altera a Lei nº 10.855, de 1º de abril de 2004, que dispõe sobre a reestruturação da Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26 de dezembro de 2001, instituindo a Carreira do Seguro Social, e dá outras providências, para dispor sobre a alteração do requisito de entrada para o cargo de Técnico do Seguro Social e reconhecer as atribuições da carreira do Seguro Social como exclusivas e essenciais ao Estado.

  2. PL 2957/2024

    Declara a desapropriação por utilidade pública da empresa Avibras Indústria Aeroespacial S/A, nos termos que especifica.

  3. PLP 229/2023

    Regulamenta a aposentadoria especial dos Agentes Comunitários de Saúde e de Agentes de Combate às Endemias definida no §10 do art. 198 da Constituição Federal.

  4. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  5. PL 1904/2024

    O Projeto de Lei 1904/24 equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive no casos de gravidez resultante de estupro. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Código Penal, que hoje não pune o aborto em caso de estupro e não prevê restrição de tempo para o procedimento nesse caso. O código também não pune o aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante.  Com exceção desses casos em que não há punição, o código prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.  Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a  mesma prevista para o homicídio simples.  Justificativa O texto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e outros deputados. Segundo os parlamentares, quando o Código Penal foi promulgado, “se o legislador não colocou limites gestacionais ao aborto, não foi porque teria querido estender a prática até o nono mês da gestação”.  “Em 1940, quando foi promulgado o Código Penal, um aborto de último trimestre era uma realidade impensável e, se fosse possível, ninguém o chamaria de aborto, mas de homicídio ou infanticídio”, apontaram os autores da proposta. O projeto foi apresentado no mesmo dia em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para proibir a realização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez após 22 semanas de gestação. A técnica utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Circunstâncias individuais De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme o exigirem as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária. Tramitação A proposta ainda não foi distribuída às comissões da Câmara, mas poderá ser votada diretamente pelo Plenário caso requerimento de urgência do deputado Eli Borges (PL-TO) e outros seja aprovado.  Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  6. INC 773/2024

    Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Defesa, Sr. JOSÉ MUCIO MONTEIRO FILHO, a elaboração de projeto de lei que cria o Quadro Especial de Graduados da Marinha.