Enquete do PL 364/2019

Resultado

Resultado parcial desde 05/02/2019

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 71 10%
Concordo na maior parte 4 1%
Estou indeciso 2 0%
Discordo na maior parte 23 3%
Discordo totalmente 611 86%

O que foi dito

Pontos mais populares

Sou totalmente a favor do projeto, de mudança que favorecido seja o pequeno produtor rural.

Sidnei Cesar de Souza 05/10/2020
8

Os campos referidos no projeto já vem sendo explorados com monoculturas extensivas, plantação de Pinus. É urgente que se preserve esse bioma, sem retirá-lo da legislação da Mata Atlântica, bem como restringindo ainda mais a sua exploração. Basta de destruição ambiental. Basta da destruição ambiental para atender aos interesses de quem tem muito dinheiro. Preservar os campos, sem intervenção, é preservar a água, os animais, o ecossistema.

Simone de Lima e Silva Santos 09/10/2020
70

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 40 encontrados.

Baixar
  • Ponto negativo: Os projetos de destruição de biomas vêm travestidos de benefícios aos pequenos produtores, Ah coitadinhos, não podem plantar arroz e feijão posta ter o que comer. Sempre atacam pequenos pontos da legislação ambiental, destruido-a aos poucos. Onde se abre-se uma brecha, passa a boiada. Não eleja nunca mais esse político, ele não está a favor do Brasil, somente defende a concentração de riqueza destruindo o meio ambiente.

    Guilherme Richter 17/05/2024
    0
  • Ponto negativo: Um deputado do Rio Grande do Sul não deveria virar as costas para a tragédia que aconteceu naquele Estado. Esse projeto é um desdém com o sofrimento do Estado Gaúcho. A calamidade das cheias no Rio Grande do Sul em maio de 2024 de não pode ser esquecida. Os ataques do congresso ao meio ambiente são causas diretas dessa tragédia. Senadores e deputados também são culpados pelas vidas perdidas e o sofrimento das pessoas.

    David 14/05/2024
    1
  • Ponto negativo: O texto pode retirar proteção adicional de toda a Mata Atlântica, bem como deixar completamente desprotegidos cerca de 48 milhões de hectares de campos nativos em todo o país, o que significa desproteger 50% do Pantanal (7,4 milhões de hectares), 32% do Pampa (6,3 milhões de hectares) e 7% do Cerrado (13,9 milhões de hectares), além de quase 15 milhões de hectares na Amazônia, sujeitando-os a uma conversão agrícola descontrolada e ilimitada.

    Marcelo Rocha 08/05/2024
    2
  • Ponto negativo: deixa toda vegetação “não florestal” do país em perigo, permitindo que os campos nativos e outras formas de vegetação nativa possam ser livremente convertidas para uso alternativo do solo (agricultura, pastagens plantadas, mineração etc.). Qualquer ocupação antrópica anterior a 22 de julho de 2008, ainda que não tenha implicado a conversão da vegetação nativa, passa a gerar a qualificação de área rural consolidada.

    Marcelo Rocha 08/05/2024
    2
  • Ponto negativo: A tragédia que acontece no RS e SC é fruto do descaso de nossos governantes com o meio ambiente, muitas vítimas e um Estado que entrando em colapso por consequência de projetos como o PL364. CÉSAR ROTH IVOTI RS

    CESAR AUGUSTO DA SILVA ROTH 04/05/2024
    4
  • Ponto negativo: Total desconhecimento sobre a vegetação e fauna, esvaziamento de parâmetros. Embasamento zero. Criminoso.

    Paula Marinelli Pedini 18/04/2024
    5
  • Ponto negativo: O projeto basicamente não atribui valor de conservação aos campos simplesmente por não serem áreas de floresta. Assustador que os parlamentares não tenham o conhecimento de que campos nativos (mesmo com criação de gado) abrigam uma riquíssima biodiversidade, inclusive muitas espécies ameaçadas de extinção. Alguns exemplos dos campos de altitude são o lobo-guará, e aves como a águia-cinzenta, veste-amarela e noivinha-de-rabo-preto, dentre diversas outras que dependem de grandes áreas campestres.

    Luciano Marques 23/03/2024
    10
  • Ponto negativo: Fora isso, o Artigo 5º deveria ser vetado em sua integralidade, uma vez que anistia atuações infratoras e estimula as próximas.

    Luana von Linsingen 22/03/2024
    7
  • Ponto negativo: Alguém que entende a atuação da Legislação Ambiental como "aborrecimentos de toda ordem" e que acredita que a pecuária extensiva "ajuda a manter estável a estrutura e a diversidade da vegetação campestre" porque "evita o adensamento das árvores" demonstra não só desconhecimento do assunto como parcialidade interesseira na exploração dessa área altamente fragilizada. Além disso, não há qualquer menção à fauna endêmica e dependente deste bioma em todo o PL.

    Luana von Linsingen 22/03/2024
    10
  • Ponto negativo: Sabemos do interesse econômico e exploratório por detrás dessa projeto de lei. Em pleno século XXI, momento no qual o mundo inteiro se mobiliza coletivamente para preservação e recuperação de áreas ambientais, é insustentável aceitar medidas que vão degradar e acabar com as poucas áreas que ainda restam desse bioma em nosso país. Ouso dizer que essa perversidade é puro egoísmo daqueles que não consideram todos os tipos de vidas que dependem dessas áreas para sobreviver.

    Meire Mohallem 21/03/2024
    12
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 914/2024

    Institui o Programa Mobilidade Verde e Inovação - Programa Mover.

  2. PL 8889/2017

    O Projeto de Lei 8889/17 prevê cotas de conteúdo nacional nas plataformas de conteúdo audiovisual por demanda, conhecido comercialmente como “video on demand” ou VoD, a exemplo do Netflix, Hulu, Vimeo e Now. Além disso, prevê o pagamento da Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional) por essas empresas. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta estipula que de 2% a 20% do total de horas do catálogo de filmes e séries ofertado pela plataformas sejam de títulos produzidos por produtora brasileira, sendo 50% desse percentual de obras de produtora brasileira independente. O percentual vai depender da receita bruta da empresa, sendo aplicada a cota mínima de 2% para as empresas com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões e a cota máxima de 20% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. Regras equilibradas Autor do projeto, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quer que o serviço de plataformas como Netflix e Now, que vem crescendo rapidamente no País, seja oferecido “em condições equilibradas” com as das empresas de TV por assinatura. “Preocupa-nos que tais provedores não atendam a condições de distribuição de conteúdo brasileiro e de contribuição ao seu fomento”, afirma. A Lei de Serviço de Acesso Condicionado (12.485/11) já prevê cotas de conteúdo nacional nos canais e pacotes de TV por assinatura e prevê o pagamento da Condecine por essas empresas. Pelo texto, as regras valerão para todas as plataformas que ofereçam serviço a usuários residentes no Brasil, “independentemente da localização de sua sede”. Serão excluídas das obrigações as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional. Condecine O projeto institui contribuição progressiva das empresas para a Condecine, iniciando em 0% para as empresas com receita bruta anual até R$ 3,6 milhões e tendo como limite 4% para as com receita bruta anual acima de R$ 70 milhões. O texto fixa ainda que 30% do valor recolhido serão destinados a produtoras brasileiras estabelecidas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ainda segundo a proposta, as empresas poderão descontar até 30% do valor devido à Condecine para a aquisição de direitos sobre obras brasileiras de produção independente ou para projetos de produção ou co-produção dessas obras. Classificação indicativa e Libras Os provedores de vídeo por demanda devem explicitar ao usuário a classificação indicativa dos conteúdos por ele fornecidos, bem como disponibilizar aos usuários meio eletrônico que permita o bloqueio de conteúdos de acordo com as faixas etárias. Além disso, os conteúdos disponibilizados por essas plataformas deverão ter tradução em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais), conforme regulamentação da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Órgão regulador Pela proposta, a regulação e fiscalização da atividade de comunicação audiovisual por demanda será de competência da Ancine. As empresas de vídeo on demand terão de ser credenciadas pela agência. Aquelas que descumprirem as obrigações previstas estarão sujeitas a penas que vão de advertência à multa de R$ 1.250 a R$ 25 mil por infração, podendo chegar à suspensão temporária ou cancelamento do credenciamento. A MP 2.228-1/01 já estipula a competência legal da Ancine para regulamentar e fiscalizar a atividade cinematográfica e videofonográfica nacional e estrangeira nos diversos segmentos de mercados. Tramitação A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Cultura; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  3. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  4. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  5. PL 2336/2023

    Dispõe sobre o exercício da atividade de condutor de ambulância da administração pública e iniciativa privada.

  6. PL 2339/2022

    O Projeto de Lei 2339/22 prevê o recolhimento do Imposto de Importação (II) sempre que se tratar de remessa postal internacional decorrente de vendas de mercadorias estrangeiras pela internet e demais meios eletrônicos. O texto está em análise na Câmara dos Deputados. Atualmente, o Ministério da Fazenda isenta da cobrança de Imposto de Importação remessas internacionais destinadas a pessoas físicas até o limite de 50 dólares americanos. Conforme o projeto de lei do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), a possibilidade de isenção não será aplicada a mercadorias comercializadas por pessoas físicas ou jurídicas em sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos, ainda que o destinatário da mercadoria seja pessoa física, quando se tratar de remessa postal internacional. Todos os custos de importação, inclusive o valor equivalente ao II, deverão ser informados de forma clara e ostensiva para as vendas on-line tanto para pessoas físicas quando jurídicas. O Imposto de Importação deverá ser recolhido pelo vendedor até a data de entrada da mercadoria em território nacional. Se isso não ocorrer, caberá o destinatário pagar o tributo, em até 90 dias. A falta de recolhimento caracterizará o abandono da mercadoria. “Atualmente, sites, aplicativos e plataformas digitais que importam produtos acabam burlando a arrecadação do imposto de importação comprando em nome de pessoas físicas", informa o Félix Mendonça Júnior. "Essa burla gera uma concorrência desleal prejudicando as empresas que têm suas lojas físicas e recolhem os impostos de acordo com a lei", acrescenta. Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei