Enquete da PEC 15/2015

Resultado

Resultado final desde 09/04/2018

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 720 86%
Concordo na maior parte 45 5%
Estou indeciso 2 0%
Discordo na maior parte 9 1%
Discordo totalmente 67 8%

Resultado na metodologia anterior Sobre Resultado na metodologia anterior?

Resultado final desde 09/04/2018

Representação dos dados do gráfico em forma de tabela
Opção Participações Percentual
Concordo 42 100
Discordo 0 0

O que foi dito

Pontos mais populares

Mais recursos para a educação !

Jose Ricardo Scareli Carrijo 20/09/2019
38

Sem o FUNDEB os municípios não conseguirão manter as escolas e merenda escolar para os alunos.

Andrieli Bender 06/03/2020
40

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 142 encontrados.

Baixar
  • Ponto negativo: Nada é mais permanente do que um plano provisório do governo. Esse fundo já existe há anos e os índices de qualidade da educação estão estagnados e, em alguns casos, até diminuindo. Os gastos públicos devem ser reduzidos para nos recuperarmos da crise econômica. A educação básica precisa sim de maior atenção e investimento, mas com uma reforma estrutural, não com a mesmíssima ineficiência que vem sendo comprovada a anos.

    Giovana Nascimento Alves 07/08/2020
    0
  • Ponto negativo: Todo financiamento tem que ser avaliado em seus objetivos e metas alcançadas. Por isso não vejo o porquê determinar o programa como definitivo sem a apresentação dos resultados, não só em números (já que há dispositivos para bular o programa - aprovação automático) mas em qualidades.

    Patricia Lopes 23/07/2020
    0
  • Ponto negativo: O Brasil é um dos países que mais investe em educação. Precisamos e ver onde todo o dinheiro está indo parar porque tem muitas escolas caindo aos pedaços, professores mal remunerados (educação básica) e sobre o PISA nem preciso falar né?! Não precisamos de mais investimentos. Precisamos trocar a METODOLOGIA de ensino. Alfabetizar a criança assim que ela entra na escola, e foco total nisso. Ensinar o que é importante e deixar de lado o que a família deve ensinar.

    Ka Algayer 22/07/2020
    0
  • Ponto positivo: Aumentar o repasse de investimentos à educação é garantir um país em que as pessoas possam ter um ensino de qualidade e uma consequente transformação na vida delas. A educação precisa ser foco primário em qualquer governo, ela é a base da formação do cidadão e constitui um elemento chave para o avanço do conhecimento e do pensamento crítico. Tudo depende dela, e o FUNDEB, portanto, se torna essencial para corrigirmos as desigualdades socioeducacionais no Brasil.

    Rinaldo Marques 22/07/2020
    0
  • Ponto positivo: Se Deus quiser.Teremos uma Educação com equidade e melhor qualidade.Parabéns a Prof.Dorinha pela iniciativa.

    Luciene Assis 22/07/2020
    0
  • Ponto negativo: Pelo que me consta o aumento para o dobro no FUNDEB não seria para beneficiar a educação e sim EMPRESAS PRIVADAS COM ou SEM FINS LUCRATIVOS que visam ter acesso a esse montante. Deputados financiados por essas empresas estão votando a favor da PEC para que possam futuramente desviar dinheiro publico "dentro da lei".

    Sidney Neto 22/07/2020
    1
  • Ponto positivo: nenhum mais gastos pro cofre publico, chega de gasto

    andre luiz 22/07/2020
    0
  • Ponto positivo: O fundeb é essencial para o não desmonte da nossa educação pública e para reduzir desigualdades socioeconômicas.

    Lucas Gonçalves 21/07/2020
    0
  • Ponto positivo: A valorização da educação é essencial para o desenvolvimento do país! Valorizar professores, estruturar escolas e dar dignidade aos seus alunos é o primeiro passo para o futuro.

    Grace Kelly Conceição 21/07/2020
    0
  • Ponto negativo: O ponto negativo é a demora em sua tramitação, recursos destinados à educação não é despesa e sim investimento.

    Grace Kelly Conceição 21/07/2020
    0

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 2650/2024

    Altera a Lei nº 10.855, de 1º de abril de 2004, que dispõe sobre a reestruturação da Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26 de dezembro de 2001, instituindo a Carreira do Seguro Social, e dá outras providências, para dispor sobre a alteração do requisito de entrada para o cargo de Técnico do Seguro Social e reconhecer as atribuições da carreira do Seguro Social como exclusivas e essenciais ao Estado.

  2. PL 2957/2024

    Declara a desapropriação por utilidade pública da empresa Avibras Indústria Aeroespacial S/A, nos termos que especifica.

  3. INC 1068/2024

    Requer o envio de Indicação ao Excelentíssimo Ministro da Defesa, senhor José Mucio Monteiro Filho, em que propõe análise acerca da situação de militares do Quadro Especial do Exército, em busca de correções normativas para corrigir disparidades.

  4. PEC 18/2022

    Acrescenta o § 9º-A ao art. 198 da Constituição Federal, para criar piso salarial diferenciado para os agentes comunitários de saúde e os agentes de combate às endemias detentores de formação técnica, nos termos que especifica.

  5. INC 773/2024

    Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Defesa, Sr. JOSÉ MUCIO MONTEIRO FILHO, a elaboração de projeto de lei que cria o Quadro Especial de Graduados da Marinha.

  6. PL 1904/2024

    O Projeto de Lei 1904/24 equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive no casos de gravidez resultante de estupro. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Código Penal, que hoje não pune o aborto em caso de estupro e não prevê restrição de tempo para o procedimento nesse caso. O código também não pune o aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante.  Com exceção desses casos em que não há punição, o código prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.  Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a  mesma prevista para o homicídio simples.  Justificativa O texto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e outros deputados. Segundo os parlamentares, quando o Código Penal foi promulgado, “se o legislador não colocou limites gestacionais ao aborto, não foi porque teria querido estender a prática até o nono mês da gestação”.  “Em 1940, quando foi promulgado o Código Penal, um aborto de último trimestre era uma realidade impensável e, se fosse possível, ninguém o chamaria de aborto, mas de homicídio ou infanticídio”, apontaram os autores da proposta. O projeto foi apresentado no mesmo dia em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para proibir a realização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez após 22 semanas de gestação. A técnica utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Circunstâncias individuais De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme o exigirem as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária. Tramitação A proposta ainda não foi distribuída às comissões da Câmara, mas poderá ser votada diretamente pelo Plenário caso requerimento de urgência do deputado Eli Borges (PL-TO) e outros seja aprovado.  Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei