CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 334.1.55.O Hora: 12h24 Fase: CG
  Data: 03/11/2015

Sumário

Comissão Geral para debate do tema Políticas Públicas para a Juventude.

O SR. DEPUTADO BRUNO COVAS - Cara amiga Deputada Mariana Carvalho, que hoje preside esta reunião, Deputados aqui presentes, público que nos acompanha, telespectadores da TV Câmara, é um prazer estar nesta reunião que trata de tema tão importante, políticas públicas para a juventude.
A Deputada Mariana Carvalho se lembrou de minha visita a Porto Velho quando do lançamento de sua candidatura a Vereadora. À época, eu era Presidente Nacional da Executiva da Juventude do PSDB, meu partido, e passamos por todas as capitais lançando candidatos jovens a Vereador e a Vereadora. Hoje vejo aqui essa Deputada presente, atuante, querida e respeitada por todos os Deputados, por todos os partidos, pela população que vem à Câmara dos Deputados.
Eu acho que nossa missão incorpora dois grandes desafios. O primeiro é o jovem não gostar de política. Isso, é claro, me lembra do grande e famoso poema O Analfabeto Político, de Bertolt Brecht, que diz que "O pior de todos os analfabetos é o analfabeto político", aquela pessoa que não ouve, não escuta e não participa dos debates políticos, que estufa o peito e diz, em alto e bom som: "Eu odeio a política". Mas é dele que nasce a prostituição, o menor abandonado, as mazelas sociais e o político corrupto.
Eu tenho certeza de que se Bertolt Brecht estivesse vivo e fosse brasileiro também diria que é do analfabeto político que nascem os aloprados, a Lava Jato, o petrolão, o mensalão. Eu acho que esses são os grandes desafios que temos por aí.
É bem verdade que hoje nossa população não quer participar, não quer se envolver, não quer fazer política. Quando isso contamina nossa juventude, quem tem a maior capacidade de se indignar em relação ao status quo, contamina também o futuro da democracia no País. E inclusive contamina nosso Hino, que diz: "Verás que um filho teu não foge à luta".
Exemplos positivos não faltam. Eu quero registrar aqui o bom exemplo de Carla Zambelli, que, mesmo com tumor cerebral, aqui se encontra acorrentada, porque quer defender seu País, quer defender aquilo em que acredita. Que mais Carlas possam se multiplicar na nossa juventude, fazendo com que o jovem abra os olhos para a participação política e veja que é com a política que poderá sim mudar a realidade, como tanto deseja.
Além do fato de que o jovem não gosta da política, o outro desafio é que a política não gosta do jovem. Num dilema Tostines, em que não se sabe o que é causa e o que é consequência - se é o jovem não gostar da política que leva a política a não gostar do jovem ou vice-versa -, o fato é que faltam mais políticas públicas transversais, porque a juventude não é só uma questão vertical, é uma questão horizontal que envolve os mais diversos segmentos, desde educação até atenção às DSTs, passando pelo primeiro emprego, por acesso à cultura, ao esporte. Enfim, é algo que se multiplica e passa por várias questões.
Cito Arnaldo Antunes:
"A gente não quer só comida,
A gente quer comida, diversão e arte.
A gente não quer só comida,
A gente quer saída para qualquer parte.
A gente não quer só comida,
A gente quer bebida, diversão, balé.
A gente não quer só comida,
A gente quer a vida como a vida quer."

Nós queremos uma juventude mais participante, mais envolvida, discutindo sim o seu futuro, a implementação, a criação e a gestação de políticas públicas para ela, juntando sim a mão invisível do mercado com a mão do Governo. Deixar só com a mão invisível não adianta, mas deixar só com a mão pesada, paquidérmica e corrupta do Estado também não vai levar a lugar nenhum.
Vamos juntar aquilo que temos de bom, unir nossos partidos em torno daquilo que é tão importante e caro, a juventude brasileira.
Muito obrigado. Bom dia a todos! (Palmas.)
A SRA. PRESIDENTA (Deputada Mariana Carvalho) - Obrigada, Deputado Bruno Covas.



COMISSÃO GERAL, DEBATE, POLÍTICA PÚBLICA, JUVENTUDE.
oculta