CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 329.3.55.O_1 Hora: 12h44 Fase: HO
  Data: 31/10/2017

Sumário

Sessão solene em homenagem aos Quinhentos Anos da Reforma Protestante e ao Dia Nacional da Proclamação do Evangelho.

O SR. CHICO ALENCAR (PSOL-RJ. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. Deputadas, Srs. Deputados, todos que acompanham esta sessão, falo aqui não só como integrante da bancada do Partido Socialismo e Liberdade, mas também como cristão, com a fé como busca permanente da vida inteira e não como um dom adquirido, pleno, a fé que implica também questionamentos e dúvidas, como as noites sombrias de Santa Teresa D'Ávila, mas cada vez mais ecumênico, recebido, inclusive, na Comunhão Anglicana. E estou aqui para louvar a Reforma Protestante na sua comemoração de meio milênio.
É importante voltar sempre às origens para, com a leitura com os olhos de hoje, recuperarmos o que de válido e permanente aconteceu no passado. Esse é o sentido da história. E, quando Lutero afixou as suas 95 teses na catedral de Wittenberg, ele estava, na verdade, saindo da sua condição de monge católico para dizer que o cristianismo precisava se arejar, se abrir, e ele textualmente disse, à época, condenando os chefes dos sacerdotes e o papa da ocasião: "Pregam que a alma sai do purgatório assim que se ouve o tilintar da moeda ao cair no cofre das ofertas".
Então, a exemplo até do que disse aqui o Deputado Pastor Eurico, o cristianismo verdadeiro é despojado. Onde há cristãos, há igreja. Deus não pode ser aprisionado por nenhuma instituição, que acaba ficando materialista e cedendo ao egoísmo industrializado e ao individualismo.
Portanto, a exortação é pela fé cada vez mais aberta, pura, generosa, despojada.
É bom lembrar que também um passo importante daquela época foi a leitura da Bíblia no vernáculo, na língua nacional, o que deu inclusive aos mais pobres e iletrados, naquela ocasião de muita opressão e de muita exploração, o sentimento de igualdade, maior do que tudo para os cristãos, que devem respeitar absolutamente o direito de não crença e as demais religiões. Todas são o espírito em busca da iluminação e da transcendência.
Mas o fundamental é lembrarmos a lição de Cristo, que nenhum papa, bispo, pastor, chefe de sacerdote detém e monopoliza, que é a busca do caminho da fraternidade, da verdade, muitas vezes relativa no mundo de hoje, mas que implica tolerância, e da vida plena, que só conseguiremos com uma sociedade nova, efetivamente fecundada e transformada pelos valores da igualdade, da liberdade e da fraternidade, que Cristo pregou.
Muito obrigado, Presidente. (Palmas.)
O SR. PRESIDENTE (Takayama) - Muito obrigado, Deputado Chico Alencar.



SESSÃO SOLENE, HOMENAGEM, REFORMA PROTESTANTE (1517), ANIVERSÁRIO, DIA NACIONAL DA PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO, COMEMORAÇÃO.
oculta