CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 179.1.55.O Hora: 17h54 Fase: OD
  Data: 01/07/2015

Sumário

Importância da constituição de comitiva para realização de visita oficial à Polônia com vistas à ampliação do relacionamento entre os Parlamentos e à cooperação e ao fortalecimento dos vínculos de amizade entre os povos.

PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO À MESA PARA PUBLICAÇÃO
O SR. GIACOBO
(PR-PR. Pronunciamento encaminhado pelo orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Brasil e Polônia estabeleceram estreitos laços de cooperação e amizade, a partir da segunda metade de século XIX. Em prosseguimento à política do Segundo Reinado do Brasil de gradual substituição da mão de obra escrava, vigente até 13 de maio de 1888, dava-se lugar e importância ao trabalho dos imigrantes. O fluxo imigratório de poloneses foi dirigido prioritariamente para a Região Sul, ajudando a suprir a demanda local por trabalhadores especializados. As medidas de aproximação entre os países, incentivadas por D. Pedro II, também visavam à independência da Polônia, ocupada naquela época pela Áustria, Prússia e Rússia.
O bom relacionamento entre as nações se manteve inclusive após a proclamação da República. Em 1907, Rui Barbosa, na Conferência de Haia, renovou o apoio brasileiro à causa polonesa. Finalmente, em 1918, o Brasil seria um dos primeiros países a reconhecer a independência polaca, estabelecendo relações diplomáticas entre Varsóvia e o Rio de Janeiro, capital à época.
Durante a Segunda Guerra Mundial, os objetivos externos das duas nações amigas novamente se confluíram: tropas de ambos os países lutaram contra o nazifascismo em prol do restabelecimento da paz mundial. Posteriormente, na vigência do regime comunista na Polônia, as ligações bilaterais mantiveram-se estáveis e, atualmente, se acham em nível bastante elevado, com troca de visitas constantes de altas autoridades de Estado.
Comércio, defesa, ciência, tecnologia, cultura e educação constituem itens prioritários da pauta de relacionamento entre o Brasil e a Polônia. Por isso, na qualidade de 2º Vice-Presidente da Câmara dos Deputados, considero imprescindível a constituição de uma delegação para realizar uma visita oficial à Polônia nos próximos meses - se possível, em agosto, de acordo com os critérios adotados para a espécie.
A propósito, mantive proveitosos contatos com o Embaixador da Polônia, Andrzej Maria Braiter, a respeito do assunto, nos seguintes termos:
"A missão terá como objetivo ampliar o relacionamento entre nossos Parlamentos, estreitar a cooperação e fortalecer os vínculos de amizade entre os nossos povos. Nesse sentido, manifestamos o nosso desejo de comparecer à posse do Presidente da República, o Sr. Radoslaw Sikorski. Gostaríamos igualmente de manter encontros com Presidentes de Comissões do Sejm e com autoridades do Poder Executivo ligadas aos temas de agricultura, indústria e turismo".
Prosseguindo, as primeiras colônias de poloneses no Paraná se fixaram em Curitiba, em decorrência do trabalho do Governador Adolpho Lamenha Lins, que dirigiu o Estado de 1875 a 1877, cabendo-lhe o mérito de criar uma relação virtuosa entre colonização do território, desenvolvimento rural e imigração. Vale destacar que o nosso Estado foi o que mais abrigou poloneses. Calcula-se que, de 1870 a 1914, um contingente aproximado de 40 mil imigrantes lá se instalaram, com destaque para Curitiba, Cruz Machado, Rio Claro do Sul, Mallet, São Mateus e Apucarana.
Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, para concluir, merece especial referência o transcurso, no dia 15 de junho, do aniversário de 125 anos de fundação da mais antiga organização polonesa na América Latina, a Sociedade Polono-Brasileira Tadeusz Kosciuszko, com sede em Curitiba. Ocorrem-me neste momento de celebração palavras da poetisa, prêmio Nobel de Literatura, Wislawa Szymborska, "quando pronuncio a palavra 'futuro', a primeira sílaba já se perde no passado".
Muito obrigado.



BRASIL, RELAÇÕES BILATERAIS, PAÍS ESTRANGEIRO, POLÔNIA, VISITA OFICIAL, REALIZAÇÃO, DEFESA, IMIGRAÇÃO, PARANÁ, SOCIEDADE POLONO-BRASILEIRA TADEUSZ KOSCIUSZKO, CURITIBA (PR).
oculta