CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 165.3.55.O Hora: 17h42 Fase: CP
  Data: 21/06/2017

Sumário

Grave crise econômica e política reinantes no País. Necessidade de realização de eleições diretas para a Presidência da República. Balanço negativo do Governo Michel Temer. Defesa de rejeição das reformas trabalhista e previdenciária. Estagnação da economia brasileira. Envolvimento de Ministros de Estado em casos de corrupção.

O SR. LUIZ COUTO (PT-PB. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. Deputadas, Srs. Deputados, transcorridos 13 meses do golpe que levou Michel Temer à Presidência da República, o Brasil afunda numa grave crise política e econômica e, a todo o momento, é atormentado por novas denúncias de corrupção.
Ninguém mais tem dúvidas de que só sairemos desse atoleiro com eleições diretas que restaurem a normalidade democrática, brutalmente interrompida pelo impeachment da Presidenta Dilma Rousseff.
O balanço do Governo Temer é péssimo. Todas as medidas importantes que adotou ou que pretende adotar, com a conivência do Congresso Nacional, são contrárias aos interesses da maioria da população, ou seja, da Nação brasileira.
O teto para os gastos públicos condena o País a passar 20 anos sem crescer, e a maioria do nosso povo, especialmente dos mais pobres.

A projetada reforma da Previdência praticamente acabará com o sistema público de aposentadoria, beneficiando o setor privado, em prejuízo dos trabalhadores.
A reforma trabalhista, que esta Casa aprovou contra o nosso voto, elimina conquistas importantes obtidas em muitos anos de luta.
Enquanto isso, a economia, que os golpistas prometiam reativar logo após a queda de Dilma, continua quase paralisada. Mais de 14 milhões de brasileiros estão desempregados.
Até os muito otimistas reconhecem que o ligeiro crescimento do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre foi ocasional e que a tendência para o ano é de estagnação.
Quase 60% das famílias têm dívidas em atraso.
Talvez os brasileiros ainda se conformassem com os sacrifícios a que estão sendo submetidos se o Presidente e o Governo lhes inspirassem alguma confiança. Mas é justamente o contrário, pois os escândalos se sucedem, os desmentidos não se sustentam e as desculpas são cada vez mais esfarrapadas.
Vários Ministros caíram por envolvimento em casos de corrupção; outros permanecem no Governo, mas cercados de acusações. Quatro assessores especiais do Presidente já deixaram os cargos, e dois deles foram presos.
Contra o próprio Temer, as denúncias vêm num crescendo.
Primeiro foi citado nas delações da Odebrecht por ter avalizado o recebimento de propinas, depois apareceu nas gravações do dono da Friboi em possível ato de obstrução da justiça, bem como no caso do dinheiro da mala
do ex-Deputado Rodrigo Rocha Loures, que seria para Temer assegurar uma aposentadoria a partir de 500 mil reais. Agora, a imprensa noticia que ele teria determinado represálias contra a JBS e investigações da Agência Brasileira de Inteligência sobre o Ministro Relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal.
Um Presidente da República não pode agir dessa maneira! Um Governo não pode estar permanentemente exposto à revelação de condutas criminosas dele e de seus Ministros!
Temer e sua equipe não têm a confiança da população porque não a merecem.
O Brasil precisa de novos dirigentes, eleitos em eleições diretas democráticas pelo povo, que desfaçam os absurdos praticados nesses últimos 13 meses e recuperem a credibilidade do País.
Solicito que seja dada a devida publicidade deste pronunciamento nos meios de comunicação da Casa, inclusive no programa A Voz do Brasil.
Era o que tinha a dizer. Muito obrigado.


GOVERNO, MICHEL TEMER, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, GESTÃO, CRÍTICA. MICHEL TEMER, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, DENÚNCIA, CORRUPÇÃO. DEFESA, ELEIÇÃO DIRETA, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, VACÂNCIA.
oculta