CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 152.3.55.O Hora: 14h9 Fase: PE
  Data: 08/06/2017

Sumário

Transcurso do Dia das Espécies Ameaçadas de Extinção e do Dia Internacional da Diversidade Biológica. Escolha, pela Organização das Nações Unidas - ONU, do tema Biodiversidade e Turismo Sustentável para comemoração do Dia Internacional da Diversidade Biológica em 2017.

O SR. LUIZ COUTO (PT-PB. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. Deputadas, Srs. Deputados, em 1984, o biólogo norte-americano Edward O. Wilson publicou o livro Biophilia, em que explora a ideia de que os seres humanos têm uma tendência inata a buscar conexão com a natureza e com outras formas de vida. Na prática, o livro relata o quanto a dedicação dele próprio à ciência estava ligada a essa busca profundamente espiritual. No fundo, tal sensação de deslumbramento e respeito de um cientista diante da Criação não se distancia daquela de base religiosa, que motivou, por exemplo, a encíclica Laudato Si', do Papa Francisco.
Na terceira sexta-feira de maio, foi comemorado o Dia das Espécies Ameaçadas, e, em 22 de maio, a ONU celebra o Dia Internacional da Diversidade Biológica. São duas datas que chamam a atenção para a importância da conservação da imensa variedade da vida na Terra.
Mas não é isso o que está acontecendo. Infelizmente, estamos vendo que efetivamente há uma destruição da natureza. Há uma destruição do Cerrado, da Caatinga, da Amazônia.
A ONU escolheu Biodiversidade e Turismo Sustentável como tema do Dia Internacional da Diversidade Biológica de 2017.
Mas o turismo sustentável é só uma das muitas formas de aproveitamento inteligente da natureza.
Verificamos que o Brasil tem hoje 990 espécies em vias de extinção arroladas na Lista Vermelha da União Internacional pela Conservação da Natureza - IUCN na sigla em inglês. Muitas mais podem estar ameaçadas, sem que tenham sido catalogadas.
E, claro, o número de espécies sob ameaça não é a única medida da destruição da biodiversidade. A destruição de ecossistemas ou a diminuição da variabilidade genética dentro de uma mesma espécie também são formas de dissipar a riqueza biológica que o planeta levou bilhões de anos para amealhar.
Sr. Presidente, peço que o meu pronunciamento seja dado como lido e divulgado nos meios de comunicação da Casa, inclusive no programa A Voz do Brasil.
Muito obrigado.

PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, em 1984, o biólogo norte-americano Edward O. Wilson publicou o livro Biophilia, em que explora a ideia de que os seres humanos têm uma tendência inata a buscar conexão com a natureza e com outras formas de vida. Na prática, o livro relata o quanto a dedicação dele próprio à ciência estava ligada a essa busca profundamente espiritual. No fundo, tal sensação de deslumbramento e respeito de um cientista diante da Criação não se distancia daquela de base religiosa, que motivou, por exemplo, a encíclica Laudato Si', do Papa Francisco.
Na terceira sexta-feira de maio, foi comemorado o Dia das Espécies Ameaçadas, e, em 22 de maio, a ONU celebra o Dia Internacional da Diversidade Biológica. São duas datas que chamam a atenção para a importância da conservação da imensa variedade da vida na Terra.
Para pessoas com tendências mais fortes à espiritualidade, não é preciso oferecer grandes justificativas para a relevância dessa tarefa. Como disse, a sensação profunda de conexão de cada ser humano com todos os outros seres vivos é suficiente para que a conservação seja vista como um fim em si mesmo.
É uma ideia desconcertante, mas verdadeira, a de que todo ser humano é parente dos outros primatas, dos outros mamíferos, dos outros animais, e de todos os outros seres vivos - fato representado, em filogenética, pelo diagrama conhecido pelo poético nome de "árvore da vida". No que diz respeito aos chimpanzés, gorilas e orangotangos, somos, literalmente, membros de uma mesma família, ao menos no sentido biológico: a dos hominídeos (Hominidae).
Mesmo quem tem menor capacidade de se maravilhar diante da natureza, porém, tem razões bastante mundanas para defender a conservação: ela é benéfica à economia. E é nesse ponto que devemos insistir.
A ONU escolheu Biodiversidade e Turismo Sustentável como tema do Dia Internacional da Diversidade Biológica de 2017. O turismo sustentável é só uma das muitas formas de aproveitamento inteligente da natureza, e seu potencial é pouco explorado no Brasil. A cada ano, um país continental como o nosso, cheio de belezas naturais, recebe só 6 milhões de turistas, enquanto Paris sozinha recebe 30 milhões. O crescimento do turismo sustentável poderia reduzir essa diferença.
Mas os benefícios econômicos da diversidade biológica vão bem além dessa atividade. Bosques e florestas que reúnem maior variedade de árvores crescem mais, e mais rápido, produzindo mais madeira. Efeitos análogos se percebem em outras indústrias: maior diversidade de peixes aumenta a produção pesqueira, maior diversidade de plantas aumenta a produção agrícola.
Aqui no Brasil, também estamos nos dando conta de que não conservar só traz prejuízos. As crises de abastecimento de água, que deixaram de incomodar apenas o Semiárido nordestino e passaram a se abater sobre grandes cidades do País, devem-se, em medida significativa, à destruição do segundo maior bioma brasileiro, o Cerrado. Ele é uma grande esponja do nosso território, que absorve a água da chuva e a distribui por oito das doze regiões hidrográficas brasileiras. Sua devastação levou à falta d'água; e, daí, a gastos e perdas de produtividade que poderiam haver sido evitados.
O Brasil tem hoje 990 espécies em vias de extinção arroladas na Lista Vermelha da União Internacional pela Conservação da Natureza -IUCN na sigla em inglês. Muitas mais podem estar ameaçadas, sem que tenham sido catalogadas. E, claro, o número de espécies sob ameaça não é a única medida da destruição da biodiversidade. A destruição de ecossistemas ou a diminuição da variabilidade genética dentro de uma mesma espécie também são formas de dissipar a riqueza biológica que o planeta levou bilhões de anos para amealhar.
Seja por amor à beleza da Criação, seja por preocupação econômica, a conservação deve ser preocupação de todos. Daí que o Brasil, país de maioria cristã e que busca o caminho do crescimento econômico, tem dupla razão para defender a natureza.
Era o que tinha a dizer.



DIA DAS ESPÉCIES AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO, DIA INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA, ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU), ESCOLHA, BIODIVERSIDADE, TURISMO, SUSTENTABILIDADE, COMEMORAÇÃO.
oculta