CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 152.3.55.O Hora: 14h51 Fase: PE
  Data: 08/06/2017

Sumário

Transcurso do Dia do Pastor. Falecimento dos Pastores Doriel de Oliveira e Vilarindo Lima.

O SR. ROBERTO DE LUCENA (PV-SP. Sem revisão do orador.) - Obrigado, Sr. Presidente.
Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, neste Dia do Pastor, em 2017, eu quero, em nome dos Pastores Orlando Silva e Luís Bergamin, Presidentes da igreja O Brasil para Cristo, em todo o País, cumprimentar e homenagear todos os pastores de todo o nosso País. Eles fazem da sua vocação, da sua missão, do seu chamado, uma missão de vida. Como anjos de Deus, em cada cidade, desde as maiores até as menores, dedicam suas vidas a servir a Deus, por meio do seu rebanho, por meio do ser humano.
Quero fazer uma homenagem aqui a dois grandes pastores que nos deixaram neste ano, o Apóstolo Doriel de Oliveira e, recentemente, o Pastor Vilarindo. Eram celebridades, personalidades ilustres, muito amadas e importantes, Sr. Presidente, para a Igreja de Brasília e para Igreja Evangélica nacional.
Ilustre Deputado Geraldo Resende, que preside esta sessão, outro assunto que eu trago a esta tribuna hoje é o mesmo que já trouxe a este plenário ontem. Quero falar sobre a Cracolândia, um tema complexo, difícil e espinhoso. Trata-se de uma agenda muito complexa, que nós, no Estado de São Paulo, especialmente na capital, temos como um grande desafio. Mas esse não é um problema exclusivo de São Paulo, é um problema de todos nós, brasileiros.
Nós temos, efetivamente, que enfrentar esse tema, essa agenda, e encontrar uma saída para cuidar daqueles brasileiros que lá estão, acumulados como se fossem lixo humano, mas que, na verdade, são filhos, maridos, pais, primos, brasileiros doentes que vivem um grave problema de saúde pública e que precisam do cuidado da sociedade, do amparo da família.
Para encontramos a solução desse problema, devemos envolver as famílias dessas pessoas. Ao mesmo tempo em que nós precisamos preservar, cuidar desses brasileiros, desses nossos irmãos, com toda humanidade, com toda dignidade e respeito, nós também precisamos enfrentar a realidade de que o crime organizado, o tráfico de drogas, tem usado essas pessoas, Sr. Presidente, como verdadeiros escudos humanos para o exercício de suas atividades.
É grave o problema em São Paulo. O Prefeito Doria, recentemente, numa ação combinada com o Governo do Estado de São Paulo, fez o enfrentamento. Eu entendo que a Polícia Militar, que fez o seu trabalho, fez o seu papel, em algum momento passou um pouco do tom - e aqui não faço nenhuma crítica à Polícia Militar. Nós precisamos apenas ver de que maneira nós vamos tratar desse problema.
Agora, esse é um assunto que precisava ser enfrentado, e o Prefeito Doria teve essa coragem. Acontece que a Cracolândia se dispersou pela capital de São Paulo. Dispersou-se não no sentido de desaparecer, mas hoje diversas cracolândias existem na capital. Uma parte dessa cracolândia se instalou na Praça Princesa Isabel.
Não são poucas as reclamações dos moradores e dos comerciantes do local sobre essa dificuldade criada, em nível de segurança. Quando esse assunto é colocado, o Estado tem oferecido em contrapartida aos moradores o estabelecimento do aumento do nível de segurança.
Deputado Luiz Couto, na verdade, isso não seria contrapartida, é obrigação e dever do Estado. Não há contrapartida nisso.
Agora, há uma ação da Prefeitura com o Estado para a instalação de contêineres e de uma base de apoio social àquelas pessoas. Essa ação realmente tem provocado uma reação muito negativa por parte dos moradores, daqueles que trabalham naquela região, daqueles que ali têm o seu comércio ou desenvolvem suas atividades. Nós estamos entrando em contato com a Prefeitura e com o Ministério Público.
Quero trazer um episódio à tribuna e chamar a atenção desta Casa para um fato gravíssimo: devemos ter o cuidado de, ao mesmo tempo, tratar isso como um problema de saúde pública, com dignidade àqueles que são dependentes, e como um problema que necessita do rigor contra os traficantes e aqueles que lá atuam cometendo os seus delitos, os seus crimes.
Também chamo a atenção da Prefeitura de São Paulo para a necessidade de se ouvirem os moradores, os comerciantes, aqueles que estão estabelecidos na região, de forma que nós não tenhamos uma nova cracolândia na Praça Princesa Isabel, com desdobramentos sociais que são conhecidos de todos.
Muito obrigado, Sr. Presidente. Era o que eu tinha a dizer.



DIA, PASTOR, HOMENAGEM, DORIEL DE OLIVEIRA, VILARINDO LIMA., FALECIMENTO, PESAMES.
oculta