CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 114.3.55.O Hora: 16h4 Fase: BC
  Data: 15/05/2017

Sumário

Perseguição política praticada pela mídia e pela Justiça contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Partido dos Trabalhadores.

O SR. LUIZ COUTO (PT-PB. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Srs. Deputados, Sras. Deputadas, um dos algozes da alma é o ódio. Creio que nada se torna mais letal para uma sociedade do que um surto de ódio. É o que está acontecendo em nosso País, é o que está acontecendo nas grandes mídias, e, para ser especifico, é o que está acontecendo na caçada da Globo contra a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva em 2018.
Não estamos lidando com um embate de ideias e posições, mas com um ódio letal e avassalador, o ódio de classe. Sei que há uma verdadeira orquestração sistemática, permanente, diuturna de ódio fomentada pela Rede Globo, acionada por setores privilegiados e fascistas, contra o Partido dos Trabalhadores.
Nesse processo de fomento ao ódio de classe lançam mão de uma arma terrível e demoníaca: a calúnia. Os caluniadores atuam dia e noite. Tinha razão Voltaire, quando disse: "Os caluniadores são como o fogo que enegrece a madeira verde, não podendo queimá-la". Já Heródoto, o grande historiador, dizia: "A calúnia é, sem dúvida, o pior dos flagelos, visto que faz dois culpados e uma vítima".
Perpetrada pela mídia e pelo fascismo, setores da Justiça estão acusando, prendendo e até condenando sem provas cabais, cristalinas, concretas. Trata-se do chamado julgamento de praças públicas. Estão julgando, sejamos francos, sem provas evidentes e inegáveis, contrariando o que disse Jesus: "Não julgueis para não serdes julgados, pois com o julgamento com que julgais sereis julgados e com a medida com que medis sereis medidos". Mas os fariseus não ligam e nem refletem sobre a advertência de Jesus.
Não defendo e nem justifico nenhuma prevaricação na vida pública. Acho que quem prevaricou no setor público deve ser punido. Mas se deve fazer isso de maneira equilibrada, séria e mediante provas concretas, nunca da forma como está acontecendo: fragilizando-se presos e levando-os à delação premiada, para saírem da cadeia e ainda ficarem com parte do que roubaram, passando algum tempo numa mansão de luxo, cercados de mordomias. Isso está parecendo uma troca de favores.
Sr. Presidente, gostaria que todo o teor do meu pronunciamento fosse dado como lido e que a ele fosse dada a devida publicidade nos meios de comunicação da Casa, inclusive no programa A Voz do Brasil.
O SR. PRESIDENTE (Carlos Manato) - Obrigado, Deputado.


PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, um dos algozes da alma é o ódio. Creio que nada se torna mais letal para uma sociedade do que um surto de ódio. É o que está acontecendo em nosso País, é o que está acontecendo nas grandes mídias, e, para ser especifico, é o que está acontecendo na caçada da Globo contra a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva em 2018.
Não estamos lidando com um embate de ideias e posições, mas com um ódio letal e avassalador, o ódio de classe. Sei que há uma verdadeira orquestração sistemática, permanente, diuturna de ódio fomentada pela Rede Globo, acionada por setores privilegiados e fascistas, contra o Partido dos Trabalhadores.
Nesse processo de fomento ao ódio de classe lançam mão de uma arma terrível e demoníaca: a calúnia. Os caluniadores atuam dia e noite. Tinha razão Voltaire, quando disse: "Os caluniadores são como o fogo que enegrece a madeira verde, não podendo queimá-la". Já Heródoto, o grande historiador, dizia: "A calúnia é, sem dúvida, o pior dos flagelos, visto que faz dois culpados e uma vítima".

Perpetrada pela mídia e pelo fascismo, setores da Justiça estão acusando, prendendo e até condenando sem provas cabais, cristalinas, concretas. Trata-se do chamado julgamento de praças públicas. Estão julgando, sejamos francos, sem provas evidentes e inegáveis, contrariando o que disse Jesus: "Não julgueis para não serdes julgados, pois com o julgamento com que julgais sereis julgados e com a medida com que medis sereis medidos". Mas os fariseus não ligam e nem refletem sobre a advertência de Jesus.
Não defendo e nem justifico nenhuma prevaricação na vida pública. Acho que quem prevaricou no setor público deve ser punido. Mas se deve fazer isso de maneira equilibrada, séria e mediante provas concretas, nunca da forma como está acontecendo: fragilizando-se presos e levando-os à delação premiada, para saírem da cadeia e ainda ficarem com parte do que roubaram, passando algum tempo numa mansão de luxo, cercados de mordomias. Isso está parecendo uma troca de favores, em que a pessoa inventa que tem algo contra Lula e Dilma e ganha um prêmio no final.
Sabemos que um dos maiores perseguidos nessa história caluniosa é o Partido dos Trabalhadores. A intenção dos fascistas é inviabilizar Lula e enfraquecer o PT. A exemplo, verificamos mais uma vez que, após o depoimento de Lula a Moro, em Curitiba, a Globo divulgou milhões de delações inventadas e até e-mail criado de forma frágil e caluniosa. Mas, o importante, no caso, é disseminar o ódio e acusar sem provas Lula e Dilma.
O surto de ódio que se está alastrando pelo País é um ódio de classe, um ódio contra os avanços sociais, um ódio contra os menos favorecidos. E é um ódio frio, planejado, calculado, que visa, fiquem certos, a instalação do fascismo no Brasil. É sobretudo a máquina eleitoral fascista em movimento.
Agora, senhoras e senhores, o ódio só é vencido pelo avivamento da democracia. Martin Luther King já dizia: "O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons".
Acordemos e lutemos para que tenhamos um futuro melhor!
Viva a democracia!

Era o que tinha de dizer.


MÍDIA, PERSEGUIÇÃO POLÍTICA, LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, EX-PRESIDENTE DA REPUBLICA, PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT), REPUDIO.
oculta