CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 058.4.55.O Hora: 11h32 Fase: BC
  Data: 03/04/2018

Sumário

Ineficácia das ações de combate à criminalidade no Estado do Ceará.

O SR. DANILO FORTE (DEM-CE. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o que me chama a atenção hoje é um tema que já vimos debatendo desde o início desta Legislatura. Infelizmente, este é mais um momento de preocupação e de tristeza. Há um sentimento de incapacidade e de ineficiência que reina hoje em relação ao combate à violência no meu Estado do Ceará.
Hoje, o Valor Econômico, um dos jornais mais conceituados do Brasil, traz na sua primeira página, na capa, matéria intitulada A Violência Visível de Fortaleza, que exalta o crescimento da violência.
Só no primeiro trimestre deste ano, a violência se deu numa proporção 37% superior em relação ao mesmo período do ano passado. Se já foi catastrófico e difícil o ano passado - quando o Ceará, em números absolutos, despontou entre os Estados brasileiros em que mais homicídios ocorreram -, esta sina persiste. Só agora, durante o período da Semana Santa, houve mais 54 homicídios. Foram mais 54 assassinatos, só no Estado do Ceará! Já completa um número superior a 1.364 homicídios, de 1º de janeiro até a data de ontem. Isso nos causa perplexidade e preocupação.
Há inclusive outra matéria muito bem elaborada pelo mesmo jornal, Valor Econômico, intitulada Explosão de Violência Muda Vida dos Cearenses. O que mais me chateia, o que mais me preocupa é exatamente a existência de um mapeamento das zonas da região de Fortaleza onde estão distribuídas as facções. Está clara na matéria a ocorrência de expulsão de moradores de conjuntos habitacionais, inclusive do Programa Minha Casa, Minha Vida, sendo as famílias substituídas por pessoas ligadas ao mundo do crime. E há impotência para se restituir a posse àquelas famílias que ali moravam, que são muitas vezes obrigadas a morar de aluguel em outro local ou voltar ao interior.
De novo, a preocupação não é em relação à urna funerária, já que hoje talvez seja um grande negócio no Ceará fabricar urna funerária. A preocupação é com a urna eleitoral, com a urna eletrônica. Preocupa-nos medidas midiáticas e de propaganda, medidas que querem imputar na cabeça do povo do Ceará a necessidade de investimento volumoso de recursos em ações que, na prática, não correspondem a ações eficientes e necessárias para trazer tranquilidade e paz ao entorno do Ceará.
As mães de Curicaca, em Caucaia, tiram os filhos da escola porque já não confiam em ali deixá-los durante o período escolar. Os comerciantes estão fechando seus postos comerciais, mercados, mercearias, postos de gasolina, porque estão ao sabor da vontade e do vento da criminalidade. A própria Associação Brasileira da Indústria de Hotéis - ABIH reconhece a redução do fluxo de turistas.
O SR. PRESIDENTE (Carlos Manato) - Muito obrigado, Deputado Danilo Forte. Vamos divulgar o pronunciamento de V.Exa. no programa A Voz do Brasil.



VIOLENCIA, CEARA, AUMENTO, CRISE, SEGURANÇA PUBLICA, APREENSÃO.
oculta